Os peixes gigantes das ilhas dos Açores em Portugal

O que atrai o maior peixe do mundo a este arquipélago português? A estranha migração para essas águas atlânticas é o mistério no centro do documentário “A Ilha dos Gigantes”.

O projecto começou em 2008, quando os pescadores dos Açores começaram a falar dos “pintados” (tubarões-baleia) que chegaram no Verão à ilha de Santa María, no extremo sul do arquipélago, rodeados por gigantescas colónias de atuns, explica Efe Nuno Sá, cameraman subaquático e realizador do documentário “A Ilha dos Gigantes”.

A partir daí, pescadores, pesquisadores e observadores puderam trabalhar com a mais poderosa tecnologia para estudar a migração de animais que normalmente vivem em águas quentes tropicais e subtropicais.

Veja também: Capturam em vídeo a passagem de um casal de baleias jubarte na praia de Los Cóbanos

Mas, após vários períodos de verão, os gigantescos tubarões-baleia, que podem atingir 17 metros de comprimento e 34 toneladas e conseguem cobrir metade da circunferência da Terra, deixaram de se aproximar da ilha portuguesa.

“Durante sete ou oito anos esse documentário ficou guardado na gaveta e esquecido porque não tinha história, até que alguns anos atrás eles voltaram”, lembra Sá.

O tubarão-baleia, que chega a estas águas atlânticas envolto em toneladas de atum. Foto / Nuno Sá, EFE

Mas qual é o motivo da sua visita aos Açores?

A migração dos tubarões-baleia para a Ilha de Santa María durante os verões mais quentes é produto da atividade humana, concluem os especialistas.

Uma das hipóteses é que essas ocorrências de tubarões-baleia sejam consequência do aquecimento global e, em particular, da temperatura da água”, disse à Efe o pesquisador Jorge Fontes.

Pode lhe interessar: em Los Cóbanos eles encontram coral negro declarado extinto em El Salvador

“Tudo parece indicar que é por isso que começaram a aparecer nas últimas décadas e parecem ir cada vez mais para norte, porque as águas de todo o planeta estão um pouco mais quentes”, acrescenta Nuno Sá.

Além disso, a travessia de correntes quentes e frias e a grande biodiversidade da região, com águas ricas em nutrientes que produzem no verão a quantidade de alimento necessária para este tubarão, facilitam sua presença na área.

Esses peixes gigantes podem medir até 17 metros de comprimento.  Foto / Nuno Sá, EFE
Esses peixes gigantes podem medir até 17 metros de comprimento. Foto / Nuno Sá, EFE

Tudo isto justificaria a migração e porque só os maiores desta espécie chegam aos Açores, uma vez que têm uma maior capacidade de suportar temperaturas mais frias.

Outra das grandes incógnitas é a relação destes gigantes com os cardumes de atum que os acompanham e que, segundo os investigadores, responde a uma estratégia de caça.

Leia também: Os Irmãos Flores criam uma série documental para todos os seus fãs ao redor do mundo

“Percebemos que o tubarão-baleia só poderia se alimentar se tivesse atum para ajudá-lo a cercar e concentrar os pequenos peixes dos quais se alimenta”, disse Fontes.

O tubarão, lento demais para caçar, avistava suas vítimas, parava e deixava o atum cercá-lo, formando uma espécie de bola por onde passa o maior peixe do mundo para se alimentar.

O que permanece um mistério é o benefício que o atum encontra.

Vista panorâmica da ilha de San Jorge no arquipélago dos Açores, Portugal.  Foto / arquivo AFP
Vista panorâmica da ilha de San Jorge no arquipélago dos Açores, Portugal. Foto / arquivo AFP

“Talvez seja porque por natureza os atuns gostam de se agregar em locais de referência e o tubarão-baleia é esse ponto. Outra hipótese é que os tubarões-baleia são melhores que os atuns na detecção de peixes pequenos”, explica o cinegrafista Nuno.Sa.

Mas os atuns não são os únicos aliados do tubarão-baleia.

Os investigadores recordam que em 2019 o atum desapareceu de Santa María e os gigantes encontraram um substituto no verdinho.

Você se lembra deles: FOTOS Menudo retorna com documentário revelador

Este filme será exibido durante a Conferência das Nações Unidas sobre os Oceanos, que Lisboa vai acolher de 27 de junho a 1 de julho. Sua mensagem é clara: “Não há problemas isolados nos oceanos.

O arquipélago dos Açores, oficialmente Região Autónoma dos Açores, é constituído por nove ilhas, localizadas no meio do Oceano Atlântico, a cerca de 1.400 quilómetros a oeste de Lisboa. Fazem parte da Macaronésia.

VOLTAR PARA CASA

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *