Pedro Sánchez dá um golpe na democracia

Pedro Sanchezem seu caminho imparável para a autocracia, voltou para estar acima da lei, a razão e o interesse geral dos espanhóis. Desabilitou a sentença do Supremo que condenou por crime de sedição aos políticos separatistas que tentaram em 2017 dar um golpe contra a Constituição e a democracia. Por motivos pessoais, o Presidente do Governo e os seus sócios privilegiam o poder sobre a convivência, a lei e o Estado de direito. Sánchez está agora a baixar as penas para este crime para “aceitar a Europa”.

Sanches está mentindo. Na Europa, crimes de sedição são punidos, não perdoados (Ver Alemanha, Itália, França ou Portugal, onde os partidos regionais nem sequer podem participar nas eleições gerais). Na realidade, Sánchez não quer se assimilar à Europa, mas à América Latina e, mais precisamente, às ditaduras de esquerda que subjugam as liberdades dos cidadãos e arruínam as sociedades que governam. Este é o verdadeiro sonho de Sánchez, o criminoso que vive em Moncloa, e nada mais. A enésima traição do espanhol deve ser paga em breve nas urnas, e não é apenas a história que deve julgá-lo. Essas decisões que minam a autoridade das leis, que seus sócios não respeitam e que ele mesmo desobedece, colocando-se acima de penalidades firmes, não devem ser gratuitas. gotejamento, autocracia sanchista prevalece na Espanhaperante o silêncio cúmplice de uns e a resignação política, económica e social de outros.

Alex Gouveia

"Estudioso devoto da internet. Geek profissional de álcool. Entusiasta de cerveja. Guru da cultura pop. Especialista em TV. Viciado em mídia social irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *