Plenário rejeita uso político de polícia local apesar da insistência do Vox

A utilização partidária da polícia local foi objecto de debate no plenário desta segunda-feira perante a proposta do Vox através da qual pretendia, segundo o comunicado de imprensa, “declarar reconhecimento e apoio à polícia local”. Uma proposta em que, no entanto, o resto dos grupos vislumbrou a tentativa de usá-la politicamente, para a qual o Grupo do Povo apresentou uma emenda substitutiva para tentar evitá-la.

Assim, o Ministro do Interior tomou conhecimento do texto da alteração pela qual se pretendia “registar o apoio e o apoio da Assembleia à nossa Polícia Local pelo trabalho que realiza ao serviço da população de Ceuta, em benefício da sua segurança, no cumprimento da lei, que deve responder às necessidades organizativas de meios e recursos, e é, e deve continuar a ser, a Polícia de toda Ceuta, sem siglas nem cores políticas Por isso, frisou , “nos opomos ao seu uso e rejeitamos tentativas de usá-lo para fins partidários ou eleitorais”.

Uma emenda de substituição à qual os dois “Ceuta Ya!” como MDYC, cada um por suas razões, a primeira porque, embora concordassem com a ideia, consideraram que ela estava jogando no jogo do Vox, e a segunda porque sentiram que o texto não era claro o suficiente e, enquanto o apoio geral é evidente, apontou seu porta-voz, que a conduta ou ações que estão sendo perseguidas não podem ser suportadas dada a possibilidade de que os oficiais possam ter extrapolado os limites. E aí estava o verdadeiro cerne da questão, nas ações da polícia local após a vitória do Marrocos na Copa do Mundo sobre Portugal contra três mulheres festejando no meio do Paseo del Revellín.

Apesar das tentativas de não politizar o assunto por meio da emenda e do voto favorável do Vox, seu porta-voz não hesitou em apresentar a argumentação que já havia preparado, demonstrando que os demais grupos não se enganaram em sua intuição sobre qual seria o fim era. Verdejo lamentou a imagem que foi oferecida da polícia local fora de Ceuta nos títulos da imprensa nacional, sobretudo devido ao anúncio da apuração dos factos por parte da autarquia, e garantiu que o governo se manteve em silêncio quando atacado “por pro- Setores marroquinos e pró-criminais. Para Vox, “a polícia suporta insultos e ataques com paciência infinita enquanto o vandalismo é desenfreado”. o estado de direito e usar a polícia que todos apoiamos”, sem ter em conta o necessário respeito pelas decisões judiciais

Alex Gouveia

"Estudioso devoto da internet. Geek profissional de álcool. Entusiasta de cerveja. Guru da cultura pop. Especialista em TV. Viciado em mídia social irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *