Polícia ‘vende’ iForenLIBS, um método de investigação balística da cena do crime, em um fórum internacional

A Polícia Nacional e a empresa de tecnologia Indra apresentaram o seu sistema iForenLIBS num congresso internacional realizado em Portugal, um método de investigação balística “pioneiro” baseado na análise química que simplifica as tarefas de investigação da própria cena do crime.

O sistema tem despertado o interesse das mais prestigiadas forças policiais internacionais que participam no Congresso anual de Balística e Armas de Fogo, organizado em Lisboa pela Rede Europeia de Institutos Forenses (ENFSI), segundo informou a polícia nacional.

O processo oferece uma solução para o fato de que, no final da última década, o uso de chumbo na fabricação de munições era limitado por questões ambientais e de saúde pública. A análise balística tornou-se então uma tarefa muito mais complexa e a polícia de todo o mundo se viu diante de um novo obstáculo em suas investigações.

O problema decorre do uso de cartuchos do tipo Sintox e Nontox, em que cada fabricante estabeleceu sua própria composição de primer, em que o chumbo é substituído por outros elementos considerados atóxicos, mas mais comuns, como potássio, sódio ou silício, e que tornam a análise química uma tarefa muito mais árdua e que consome muitos recursos.

No entanto, a polícia nacional, utilizando o sistema iForenLIBS da Indra, encontrou uma nova forma de determinar a distância a partir da qual o tiro foi disparado, analisando um elemento comum: os resíduos microscópicos de cobre do latão dos cartuchos, evitando assim o uso de outros técnicas mais complexas e poder realizar a análise mesmo em roupas cobertas com restos biológicos.

Tudo isso foi possível graças à “extraordinária sensibilidade” do sistema iForenLIBS da Indra, segundo a polícia, que acrescenta que está pronto para “analisar partículas de qualquer elemento químico tão pequeno quanto um mícron, um milésimo de milímetro, muito rapidamente, como bem como todo o trabalho de investigação realizado pela Polícia Nacional na resolução de muitos casos”.

O sistema, que baseia sua operação em técnicas de espectroscopia de plasma induzido por laser (LIBS), também pode ajudar a determinar o ângulo de entrada e a trajetória da bala analisando os detritos depositados ao redor do orifício de entrada.

“Em suma, é como se habilidades que até agora só podiam ser encontradas em um grande laboratório fossem transferidas para a cena do crime. a cena. fatos, ajudando a investigação a avançar desde o primeiro momento”, resume a Polícia Nacional.

Alex Gouveia

"Estudioso devoto da internet. Geek profissional de álcool. Entusiasta de cerveja. Guru da cultura pop. Especialista em TV. Viciado em mídia social irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *