Portugal concorda com decisão da Espanha de rejeitar plano de Bruxelas para limitar consumo de gás: “Não é aceitável”




Portugal concorda com a recusa da Espanha Iniciativa de Bruxelas para reduzir o consumo de gás em 15% entre os parceiros da UE. “Isso não é aceitável”, disse o ministro português do Meio Ambiente, Duarte Cordeiro, sobre a proposta da Comissão Europeia.

“Esta proposta não serve os interesses de Portugal”disse em declarações à imprensa após a reunião do Conselho de Ministros do seu governo.

Portugal “rejeitará a proposta se for apresentada nestes termos”, adicionado. “Do jeito que está, não aceitamos.”

Mesmo que não tenha fechado a porta para as negociações: “Estamos discutindo com a Comissão Europeia para que outros aspectos sejam considerados”.

A chave, disse o ministro português, é considerar as particularidades de cada região: Portugal não tem ligações energéticas com a Europa e sofre com uma seca severa que levou a uma queda na produção de energia hidroeléctrica em quase 50%.

“Partilhamos esta perspectiva com Espanha”, para a Península Ibérica “é um ano de seca e temos uma redução de energia hidroeléctrica”, acrescentou. “Vamos tentar garantir que nossos interesses sejam mais bem representados”, acrescentou. insistiu.

A CE propôs reduzir voluntariamente o consumo de gás

A Comissão Europeia propôs na quarta-feira que todos os países da União Europeia reduzir voluntariamente seu consumo de gás em 15% até a próxima primavera para se preparar para um possível corte no fornecimento russo e que, em caso de emergência, o corte é obrigatório.

A Ministra da Transição Ecológica, Teresa Riberam, manifestou sua recusa no mesmo dia em que a proposta foi divulgada.

“Defendemos os valores europeus, mas não podemos assumir um sacrifício sobre o qual nem sequer nos pediram opinião prévia”, sublinhou o terceiro vice-presidente durante uma conferência de imprensa.

Ribera considerou que a medida “não é necessariamente a mais eficaz, nem a mais eficiente, nem a mais justa”. Para o ministro, é algo inacessível para a Espanha, especialmente quando “não nos pediram opinião” e não houve debate aberto para algo que supõe “um esforço exagerado”, segundo Ribera.

O primeiro-ministro português António Costa, já tinha avançado esta semana a posição de Portugal face à abordagem que Bruxelas estava a preparar.

“Se hoje temos essa capacidade de geração de energia renovável, é porque famílias e empresas desembolsaram 17 bilhões de euros em financiamento extraordinário”, disse Costa na segunda-feira.

“Estamos unidos”, mas “não vamos fazer os portugueses pagarem”. Solidariedade significa também que não vamos fazer com que os portugueses paguem custos adicionais para compensar o atraso em que outros se colocaram quando podiam e deviam ter feito o investimento que fizemos nas energias renováveis”, concluiu.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *