Portugal encerra a crise política iniciada há sete meses com a aprovação dos orçamentos de 2022 | Internacional

Deputados portugueses na Assembleia da República, durante a sessão de quinta-feira sobre o Orçamento do Estado para 2022.PEDRO NUNES (REUTERS)

O parlamento português deu esta tarde luz verde ao orçamento do Estado para 2022, que vetou há sete meses. As contas públicas apresentadas pelo governo socialista mudaram em parte para lidar com a grande mudança que as economias europeias estão experimentando após a guerra com a inflação desencadeada pelos preços da energia. As medidas previstas para fazer face ao impacto do conflito em Portugal ascendem a cerca de 1.800 milhões de euros, segundo o Ministério das Finanças. O que também mudou neste parêntese é a composição da Assembleia da República. Se antes o governo do primeiro-ministro António Costa dependia do apoio de sócios minoritários, os orçamentos foram revertidos devido a divergências entre os três partidos que formavam o geringonca —Socialistas (PS), Bloco de Esquerda (BE) e Partido Comunista Português (PCP)—, o processo atual tem sido um passeio no parque graças à maioria absoluta que Costa conseguiu em janeiro passado. “Nós superamos esta crise, agora é a hora de voltar ao trabalho”, disse o primeiro-ministro após a votação.

Os orçamentos, que entrarão em vigor a 1 de julho, após terem sido enviados ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e publicados no jornal da repúblicaresponder mais uma vez à lógica económica defendida pelos sucessivos governos de António Costa para manter “enquanto você conta alguns(contas do saldo orçamentário). Isto resultará este ano numa perda de poder de compra dos funcionários públicos (os seus salários aumentarão 0,9% e não 4%, como afirmam alguns grupos) e pensionistas (os mais baixos aumentarão apenas 10 euros). Os socialistas se recusaram a revisar para cima os aumentos planejados sete meses atrás, quando a inflação ainda não havia sido desencadeada. Entre as medidas mais importantes estão creches gratuitas, mais etapas no imposto de renda que aumentarão a renda das famílias beneficiárias ou o regime de dedicação exclusiva do pessoal médico no sistema nacional de saúde.

O confinamento português já recebeu a aprovação de Bruxelas, que convida à utilização dos fundos excecionais dos Planos de Recuperação e Resiliência para promover o crescimento económico e os investimentos enquanto controlam as contas. “Dado o nível da dívida pública portuguesa e os grandes desafios de sustentabilidade a médio prazo, na tomada de medidas de apoio orçamental, é importante preservar uma política orçamental prudente de forma a garantir a sustentabilidade das finanças públicas a médio prazo. Comissão disse. em sua revisão de uma semana atrás. O governo português prevê para este ano um crescimento económico de 4,9% e uma redução tanto do défice (de 2,8 para 1,9% do PIB) como da dívida pública (de 127,4% para 120,7%).

O projeto só teve sucesso com 120 votos a favor do PS e as abstenções dos ecologistas do Pessoas-Animais-Natureza (PAN) e do Le Livre e três deputados do Partido Social Democrata (PSD, centro-direita) da Madeira. O PSD, o Chega, a Iniciativa Liberal, o PCP e o BE manifestaram-se contra. Os socialistas dificilmente aceitaram as emendas dos outros partidos e rejeitaram todas aquelas com forte impacto econômico nas contas. Dos 1.505 apresentados por todos os grupos, apenas cinqüenta defendidos pela oposição foram incorporados. Não parece inocente, aliás, que o Governo tenha prevalecido na escolha das propostas da sua esquerda sobre as formuladas pelo PAN e pelo Livro contra o Bloco e o PCP, que mal conseguiu esgueirar-se em três emendas e pouca importância.

O PAN, que se absteve na votação do orçamento no outono passado, conseguiu que várias iniciativas fossem aprovadas, como a construção de um hospital veterinário público para tratar animais de famílias de baixa renda ou o apoio ao desenraizamento de eucalipto. A sua deputada Inês Sousa Real levou o debate aberto sobre as licenças menstruais à Câmara Portuguesa após a decisão espanhola, mas o governo só concedeu uma medida fiscal para tributar todos os produtos de higiene menstrual com um IVA reduzido de 6%, o que em parte já era um acontecimento Rui Tavares, deputado do Livro, conseguiu que o seu pedido fosse aprovado para que Portugal pudesse estudar o estabelecimento de uma semana de trabalho de quatro dias e a promoção de medidas de economia energética nos lares.

Junte-se ao EL PAÍS para acompanhar todas as novidades e ler sem limites.

se inscrever

A surpresa da votação partiu da mão dos três deputados do Partido Social Democrata da Madeira, que quebraram a disciplina de grupo e se abstiveram. O PSD é o principal partido da oposição e votou contra um projecto de orçamento que considera “recauchutado” face ao previsto para 2021. O seu líder parlamentar, Paulo Mota Pinto, critica-o por não estar adaptado “às exigências presentes” e acusou o maioria socialista de aplicar seu “rolo”. Sobre o voto livre dos parlamentares da Madeira, Mota disse que caberia aos órgãos partidários decidir sobre uma eventual sanção. O PSD organiza este sábado primárias para eleger o novo líder político que substituirá o atual presidente do partido, Rui Rio, que perdeu as eleições para António Costa.

Como já havia anunciado, o governo marginalizou todas as propostas apresentadas pelo Chega, partido de extrema-direita que se tornou a terceira força parlamentar em janeiro. A exclusão foi usada por seu líder, André Ventura, para afirmar ser “a única força que enfrenta o Partido Socialista”. No seu discurso, Ventura previu que o actual executivo levaria o país “à mesma bancarrota” a que levou “outro governo socialista”, referindo-se ao mandato de José Sócrates, que levou à intervenção do país por parte das instituições comunitárias e do Fundo Monetário Internacional.

Acompanhe todas as notícias internacionais em Facebook Sim Twitterou em nosso boletim semanal.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.