Portugal vai experimentar uma semana de trabalho de quatro dias. Ao contrário da Espanha, não vai cortar salários

O debate sobre a semana de trabalho de quatro dias está em cima da mesa há anos em Portugal. Não é o único país a considerar esta ideia, como vimos recentemente, com multidão de governos dando luz verde a iniciativas semelhantes em toda a Europa. No entanto, foi só esta semana que o país português avançou com a sua proposta. Ele anunciou há um mês que ia lançar um projeto-piloto em empresas privadas que se voluntariaram, agora, seu plano já inclui administrações públicas.

E, claro, as principais organizações profissionais o consideram inadequado em tempos de crise como o que estamos passando.

A iniciativa portuguesa. O projeto piloto terá início em junho de 2023 e terá duração de seis meses. O mais notável é que não haverá corte salarial, o horário de trabalho será reduzido e a participação empresarial será voluntária. Como o governo não oferece nenhuma compensação econômica ou subsídio, um número exato de horas não será estipulado semanais, que “podem ser 32, 34 ou 36 horas, definidas por acordo entre a direção e os trabalhadores”.

Resistência corporativa. O sector privado manifestou a sua insatisfação e diz que se sente um pouco desconfortável e inseguro com a proposta. A Confederação do Comércio e Serviços e a Confederação do Turismo disseram que não era o momento de discutir a semana de trabalho de quatro dias, argumentando que existem outras prioridadescomo a crise energética. Além disso, acreditam que pode haver empresas “com perfil” adaptado a esse modelo, como empresas “da área de tecnologia, cultura, criatividade, publicidade”, mas que haverá dificuldades nos negócios com atendimento ao cliente. .

“Depois dos efeitos do coronavírus nas empresas e nas famílias, após os efeitos brutais da guerra nas matérias-primas, nas cadeias de abastecimento e nos custos de energia, diria que o país tem outros problemas que devem preocupar o governo.” António Saraiva alegou aindaPresidente da Confederação Empresarial Portuguesa.

A tendência. Hoje, essa revolução no trabalho é liderada por até 180 empresas em todo o mundo. Um caso notável nós explicamos isso no Magnet há alguns meses, onde o Reino Unido realizou o maior experimento de quatro dias de semana de trabalho até o momento com 70 empresas participantes. Uma investigação concluiu que 78% dos líderes dessas 70 empresas dizem que sua transição foi “boa”. Metade, 49%, disse que a produtividade melhorou.

Outros países europeus já estão experimentando os benefícios de um melhor equilíbrio entre vida profissional e pessoal. A Islândia é uma história de sucesso, onde 1% da população passou de 40 para 35 horas por semana, quatro dias por semana. Casos de burnout e paralisações de trabalho caírame a produtividade aumentou.

Na Espanha. No nosso país, porém, as coisas não têm sido tão fáceis. nós vimos alguns tentativas frustradas da Telefónica que foi criticado por envolver um corte salarial. O mesmo aconteceu na Bélgica, país que reformou a lei implementar uma jornada de trabalho de quatro dias, mas neste caso houve um truque, pois não implicava trabalhar menos, mas sim mais horas menos dias. Ou seja, a jornada de trabalho não foi reduzida, mas os funcionários poderiam optar por trabalhar mais uma semana para descansar um dia no dia seguinte.

nós o contamos em vários artigos, com casos como o de Desigualque instituiu uma redução do tempo de trabalho, mas com uma redução dos salários. A Dell fez o mesmo na Holandatambém com redução de salário proporcional a essa redução.

Na Comunidade Valenciana, no entanto, foi lançado uma iniciativa em que as empresas participantes serão subsidiadas. O montante total do subsídio por trabalhador será de 9.611 euros, distribuídos por três anos de forma decrescente: 5.492 euros para o primeiro, 2.746 euros para o segundo e 1.373 euros para o terceiro. Algo que melhor defenda o espírito desse modelo de trabalho: não perder produtividade, mas também não perder renda.

Imagem: Pexel

Filomena Varela

"Desbravador do bacon. Geek da cultura pop. Ninja do álcool em geral. Defensor certificado da web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *