Proibido pensar na Copa do Mundo

Sem desviar os olhos por um só segundo para uma Copa do Mundo que já se aproxima, a menos de dois meses do início do grande desafio de Luis Enrique Martínez, a equipe espanhola assume o desafio de dar o último passo em direção a mais uma competição que permaneceu no gol de caixa pendente, uma Liga das Nações em que o primeiro desafio é repetir a presença nos últimos quatro, para o qual deve vencer a Suíça em La Romareda.

A norma mudou quando a ação da polêmica deixou uma ferida aberta para o time espanhol. O gol de Kylian Mbappé na final vencida pela Espanha em Milão, jogo cuja posição foi prejudicada porque Eric García tocou na bola após o craque francês sair em posição de impedimento, provocou uma derrota que transformou a Liga das Nações em uma competição a ser vencida.

Em uma fase diferente da iminente Copa do Mundo, mas com a máxima importância que Luis Enrique transmitiu aos seus jogadores. Proibido distrair a atenção do que acontecerá a partir de novembro no Catar. Em primeiro lugar, é preciso fechar um grupo para as meias-finais da Liga das Nações que começaram de forma irregular (dois empates frente à República Checa e Portugal), mas que encontraram a reacção necessária precisamente durante a visita à Suíça.

Dá à Espanha um ponto à frente de Portugal na luta pelo único lugar que a classificação concede. A opção de contar apenas consigo mesmo, para fazer bem a história que apresenta a maioria das vitórias frente à Suíça antes de jogar pela liderança em Braga. A seleção suíça mal conseguiu um empate em oito visitas à Espanha.

Uma vitória única na história de confrontos e que libera até a melhor memória do futebol espanhol, o início agitado da Copa do Mundo de 2010 na África do Sul em que os encarnados tocaram o céu com seu maior sucesso. Mas os números estão errados no esporte em muitas ocasiões – 75% das vitórias para os espanhóis que venceram 18 em 24 duelos -, e o grupo liderado por Luis Enrique acaba de voltar do sofrimento recente das quartas de final da Campeonato Europeu. Não foi até a disputa de pênaltis final que ele foi capaz de superar um rival rochoso.

É o que espera Luis Enrique em La Romareda, onde a seleção regressa 19 anos depois, e para a qual procura soluções. Particularmente ofensivo, uma vez que as defesas do início da classificação com dois jogos consecutivos sem sofrer golos têm resistido. Faltam peças acima, reparadas como os lesionados Dani Olmo e Mikel Oyarzabal, outras que aparecem e desaparecem dependendo de suas atuações como Gerard Moreno, Rodrigo Moreno e o caso que desencadeia a preocupação mais interna, Ansu Fati. Eles ainda o veem longe da confiança que ele mostrou antes de sua praga de lesões.

A Copa do Mundo está no ar pela qual ele se destaca como uma das referências. Outro vai regressar à seleção para assumir o comando, Pedri González, que teve mais lesões fora do que dentro da seleção desde que brilhou no Campeonato da Europa. Com Gavi, cortesia de Koke, e Sergio Busquets, eles podem apresentar um meio-campista cem por cento do Barcelona para o time espanhol.

E nesta busca contínua pelo gol, tudo indica que apesar da falta de minutos em seus clubes, Luis Enrique dá prioridade às atuações que jogadores como Pablo Sarabia e Ferran Torres sempre trouxeram para a seleção, além da presença de Álvaro Morata tem 9 anos. Na Romareda, campo especial para o atacante do momento, ele também receberá o tão disputado prêmio de Borja Iglesias aos 29 ), que sonha seguir os passos acelerados de Pedri, Ansu ou Gavi.

Sem debate no gol que pertence a Unai Simón, Aymeric Laporte ficará ausente na defesa devido a lesão. Abre a porta para a entrada de Eric García, pois está mais do que fechada para o retorno de Sergio Ramos, com Pau Torres como seu parceiro. A necessidade de laterais de longo alcance contra um rival que deve se fechar em sua esfera dá a Dani Carvajal e Jordi Alba uma vantagem na lateral.

Ainda que a Suíça, que tem o desafio de não ser despromovida e que foi ressuscitada na última jornada ao surpreender Portugal (1-0), afirme na boca do seu treinador, o turco Murat Yakin, que vai sair para pressionar Espanha e impedi-la de lançar o seu “jogo sedutor”. A realidade é que ele tem perfis para explorar uma de suas principais virtudes, o contra-ataque com Xhaka, Shaqiri e Embolo. É isso que Luis Enrique espera.

O certo é que Yakin não vai especular sobre o que está sendo anunciado como a ‘final’ para ficar no grupo de elite, o jogo de terça-feira contra a República Tcheca. A imagem oferecida pela Suíça carente em junho passado, quando perdeu no segundo tempo da partida contra a Espanha e chegou a perdoar Embolo pelo empate em gol vazio, é a referência a seguir durante sua primeira viagem ao Saragoça.

Relativamente a este jogo, os suíços estão a recuperar das lesões de Cedric Itten, Fabrian Frei e do avançado do Chelsea Denis Zakaria, e apresentam também uma nova ‘pérola’ que aspira a ser titular no ataque, Dan Ndoye, de 21 anos.

. Composições prováveis:

Espanha: Unai Simon; Carvajal, Eric Garcia, Pau Torres, Jordi Alba; Busquets, Gavi, Pedri; Sarabia, Ferran Torres e Álvaro Morata.

Suíça: verão; Widmer, Akanji, Elvedi, Rodriguez; Freuler, Xhaka, Porca; Shaqiri, Seferovic e Embolo.

Árbitro: Clément Turpin (FRA).

Estádio: Romareda.

Horário: 20h45

Marciano Brandão

"Defensor apaixonado da internet. Amante de música premiado. Totó de café. Estudioso de mídia social ao longo da vida."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.