Protestos trabalhistas ameaçam estourar a bolha

Janeiro começou quente nas ruas da Venezuela. O frio de dezembro e a alegria que respirou no último mês de 2022 parecem ter desaparecido com os protestos de milhares de servidores da administração pública neste ano de 2023 que acaba de começar.

Com o fantasma da hiperinflação ameaçando outra cavalgada, os venezuelanos acordaram da sesta de dezembro com os bolsos cheios e clamando por um salário digno que os aproximasse da cesta básica de US$ 371 que custaria até o final de 2022. segundo estimativas da Fazenda Venezuelana Observatório.

De Coro a Maturín, de San Cristóbal a Ciudad Bolívar, a maioria das cidades venezuelanas se juntou ao clamor dos trabalhadores que não toleram mais um salário mínimo de apenas 130 bolívares, o equivalente a sete dólares mensais.

Segundo mapa de conflitos sociais elaborado pela empresa ORC Consultores, até o dia 16 de janeiro deste ano foram registradas 480 manifestações, sendo 413 por reivindicações dos trabalhadores, ou 86%.

Seguiram-se manifestações pela água (16), gasolina (12), justiça (6), política (5), infraestrutura (5), limpeza (4), saúde (3), eletricidade (3), esgoto (3) , gás (3), estudantes (2), outros serviços (2) e telecomunicações (1).

Bolívar foi o estado com mais reivindicações, com 65, seguido por Aragua (42), Miranda (33), Falcón (28), Barinas (27), Guárico (27), Mérida (23).

Também na lista estão Portuguesa (23), Táchira (23), Sucre (22), Lara (22), Cojedes (17), Carabobo (16), Zulia (16), Trujillo (13), Monagas (12), Capital District (12), Delta Amacuro (12), Apure (12), Anzoátegui (9), Yaracuy (9), Nueva Esparta (6), Vargas (6) e Amazonas (5).

Os 480 protestos ocorridos na primeira quinzena de janeiro deste ano dobraram os 211 ocorridos em 2022 no mesmo período.

De 69 protestos exigindo melhorias salariais de 1º a 16 de janeiro de 2022, a Venezuela cresceu para 413 este ano, uma escalada de mais de 2.000%.

Panela de pressão prestes a explodir

Segundo o Observatório Venezuelano de Conflitos Sociais, somente no dia 17 de janeiro, foram 28 mobilizações de rua, mais de uma por hora, e em 2022 foram registradas 2.649 reivindicações sindicais, a maioria delas envolvendo trabalhadores das áreas de educação, saúde e administração setores.

No início de 2023, professores, pessoal de saúde, profissionais, técnicos, trabalhadores, trabalhadores de empresas públicas de base como Sidor (Siderúrgica del Orinoco) e CVG (Corporação Venezuelana da Guayana), estudantes universitários, funcionários públicos, pensionistas e aposentados não Eles não pouparam esforços para sair às ruas para fazer valer suas reivindicações.

Gricelda Sánchez, presidente da ONG Formación de Dirigentes Sindicales, disse que este mês de janeiro foi particularmente intenso para os professores porque eles querem fazer barulho durante a comemoração do Dia do Professor, 15 de janeiro.

“Na segunda-feira, 16 de janeiro, saímos às ruas e exigimos que a coalizão sindical nacional do setor educacional entregue a declaração contraditória ao Ministério do Trabalho, devemos dar a essa demanda um caráter administrativo”, disse Sánchez.

O sindicalista assegurou que os protestos dos professores deste ano aconteceram em todos os 23 estados do país.

“Não apenas professores e professores ativos, mas também aposentados, funcionários administrativos e trabalhistas e até pais e representantes”, disse ele.

Sánchez disse que os educadores exigem um salário base de US$ 600.

“Maduro prometeu que o salário seria ancorado em petro, então mantenha sua palavra, não queremos bolívares desvalorizados que a inflação está corroendo”, disse ele.

Abaixo da linha da pobreza

Durante um ato de proselitismo em Valles del Tuy, no estado de Miranda, Nicolás Maduro voltou a brandir a carta de sanções para se livrar da responsabilidade pelos salários irrisórios da Venezuela.

“Basta de tortura e perseguição criminal contra a classe trabalhadora venezuelana”, disse ele.

Sánchez rejeitou as declarações de Maduro: “Quando as sanções chegaram, nossos salários já estavam caindo e uma série de acordos coletivos havia sido violada. Estamos assim por causa das políticas do governo contra a fome, não por causa das sanções”.

O líder chavista prometeu um salário de acordo com as necessidades do venezuelano. “Mais cedo ou mais tarde, passaremos desta fase de trabalho e resistência, para uma fase de melhoria sustentada dos rendimentos do trabalhador e da classe trabalhadora.”

Maduro não especificou onde iria buscar os recursos para homenagear os funcionários. “Vamos fazer isso de mil maneiras, desovando recursos? Vamos desovar. Produzir? Vamos produzir”, afirmou.

Ele também questionou aqueles que acredita que um aumento salarial resolverá problemas estruturais em escolas e hospitais.

Contreras acredita que o Estado é o principal responsável por promover um salário digno para os trabalhadores.

“Quando Maduro diz que não há dinheiro para aumentar o número de funcionários, é um desrespeito, porque os trabalhadores não podem continuar arcando com as consequências de uma crise que não geramos”, declarou.

De acordo com Contreras, os profissionais médicos mal ganham US$ 15 ou US$ 16 por mês.

“E, claro, isso é insuficiente para atender a uma cesta básica que ultrapassa os US$ 300. Os profissionais de saúde que moram na periferia de Caracas têm que pagar 50 bolívares por dia pelo transporte, não temos nem para pagar a passagem e menos ainda para comer”, disse a enfermeira.

Contreras pediu a dolarização da economia venezuelana. “Que acabem de vez, não podemos mais continuar faturando em bolívares quando tudo é em moeda estrangeira. Estamos na linha da extrema pobreza porque não temos um salário básico superior a dois dólares por dia, como diz o Banco Interamericano de Desenvolvimento”.

Contreras disse que grupos afiliados ao governo chamados colectivos, que ameaçam os manifestantes com intimidação se eles continuarem nas ruas, não são um grande obstáculo.

“Apesar das estratégias de desmobilização do protesto, não conseguiram nos intimidar, nem os criminosos nem os títulos desvalorizados vão nos desviar do objetivo”, afirmou Contreras.

Sánchez também criticou o bônus de 580 bolívares (cerca de US$ 30) que o governo concedeu recentemente a funcionários do setor educacional por meio do sistema Pátria.

“O que queremos é uma recuperação real dos salários, que beneficie os 500 mil professores do país e os milhões de funcionários do Ministério da Educação”.

Contreras disse que não é justo que, enquanto os líderes exibem caminhões blindados com guarda-costas e joias, as pessoas tenham que se contentar com esmolas.

“Hoje parece que estamos fazendo um trabalho social ad honoren, nosso pedido é que os salários sejam padronizados ao preço da cesta básica e por isso vamos continuar nas ruas, somos essenciais para os doentes, mas invisíveis para do estado”, concluiu.

Francisco Araújo

"Nerd de álcool. Leitor. Especialista em música. Estudante típico. Jogador irritantemente humilde. Especialista em zumbis. Solucionador de problemas sutilmente encantador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *