Qatar 2022: Mundo árabe e África vibram com a façanha de Marrocos | Copa do Mundo Catar 2022

No passado sábado, quando o árbitro apitou o final do jogo Portugal-Marrocos, parecia que não era um país, mas todo o mundo árabe e o continente africano, que acabava de se qualificar para as meias-finais do Mundial do Qatar . De Gaza à Costa do Marfim, passando pelo Iraque, Tunísia, Senegal e Egito, as comemorações aconteceram nas ruas, com bandeiras marroquinas, canções e distribuição de doces. Na cidade palestina de Belém, onde uma placa iluminada em um cruzamento exibia a bandeira marroquina com a frase “Sim, nós podemos”, os motoristas buzinavam sem parar quando os Atlas Lions se tornaram os primeiros árabes e africanos combinados na história a chegar tão longe em a competição, ainda mais por deixar dois times fora de casa a priori Favoritos: Espanha ―com o acréscimo simbólico de ter exercido um protectorado sobre parte de Marrocos entre 1912 e 1956, ano da independência― e Portugal.

Apenas mulheres e crianças assistiram às apresentações de Natal em uma praça em Beit Sahur, uma cidade cristã perto de Belém, enquanto o Marrocos lutava pelas quartas de final. Enquanto isso, os homens viveram a partida nos refeitórios como se jogasse o próprio time palestino, fora do Catar. Em Yaffa, em Israel, uma cidade histórica de maioria árabe que agora faz parte de Tel Aviv, carros passaram com bandeiras de um país a 4.000 quilômetros de distância. A vitória contra a Espanha já foi comemorada por milhares de pessoas nas cidades de Ramallah e Nablus, na Cisjordânia, dançando e cantando o nome de Marrocos.

Não importa nos dias de hoje que Rabat tenha se tornado, há exatos dois anos, um dos poucos países árabes a reconhecer o Estado de Israel, uma decisão impopular. Ou a rivalidade que mantém com a vizinha Argel, ou da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos com o anfitrião Catar. Nos dias de hoje, pesa mais a identidade comum – que remete à era do pan-arabismo -, o passado compartilhado sob a colonização europeia e, em geral, a sensação de que um dos párias do futebol do planeta faz história diante das grandes potências. Quarta-feira é, para piorar, a vez da ex-metrópole, a França.

A própria equipa marroquina apoia esta narrativa. “Chega até nós as boas vibrações e a energia que os árabes e africanos nos mandam. Agora estão todos connosco”, deu as boas-vindas ao treinador, Walid Regragui, depois de vencer Bélgica, Espanha e Portugal, três das selecções a priori mais sólido. “Por que não devemos sonhar? Se você não sonha, você nunca vai conseguir nada,” ele meditou em voz alta.. Os triunfos acorrentados dos Leões do Atlas parecem vir da mesma matéria de que são feitos os sonhos, segundo o próprio Regragui: “Se você colocar coração, determinação e humildade nisso, você pode forjar sua própria fortuna.

Nascido e educado em França, o treinador conseguiu desenhar uma formação em que 14 dos seus 26 jogadores também nasceram no estrangeiro, na diáspora marroquina. A mensagem de preferência pela camisa nacional dos pais e avós, à do país de nascimento ou de origem, também permeou a África e o mundo árabe com “bem-intencionados torcedores de futebol”, a quem o Marrocos ofereceu pela primeira vez o carinho orgulhoso ombros com os melhores nas meias-finais.

As celebrações em Marrocos nunca terminaram. As tardes e noites de júbilo popular que já aconteceram nas ruas “ficarão para a história”, como apontou o escritor Tahar Ben Jelloun, o romancista marroquino contemporâneo com maior projeção internacional. Não só os grupos de torcedores mais jovens o celebraram, autênticas barras bravas que transformam os estádios de Rabat e Casablanca em panelas de pressão máxima. Famílias inteiras também saíram às ruas, avós com seus netos e muitas meninas que reivindicaram o direito de expressar uma alegria avassaladora por conta própria.

Mas o resto do Magreb também acompanhou pela televisão o progresso imparável de Marrocos no Catar. Assim como na Tunísia, eliminada na primeira fase apesar da derrota para a seleção da França, e ainda na Argélia, excluída da Copa do Mundo e principal rival – não só no futebol – no Magrebe. Em seu desafio de Bluesos Atlas Lions esperam ter o apoio de apoiadores regionais, com quem compartilham a memória do domínio colonial francês.

O governo de Argel, que rompeu relações diplomáticas com Rabat no ano passado, entre outras coisas por causa de sua posição tradicional no conflito do Saara Ocidental e sua aliança com Israel, manteve silêncio oficial diante dos sucessos do país vizinho. A televisão estatal noticiou discretamente as vitórias marroquinas, mas o principal site desportivo argelino – DZfoot, seguido por mais de um milhão de adeptos – foi muito mais eloquente após a passagem às meias-finais: “Heroico . Histórico. Mabruk (parabéns, em árabe)”.

Marrocos conquistou os corações dos árabes e africanos no terreno. Foi o time de futebol de uma nação, às vezes em desacordo com vizinhos e aliados por causa da geopolítica, mas agora também é o favorito de centenas de milhões de torcedores para quem personifica o sonho da glória esportiva. . Após a eliminação da Espanha nas oitavas de final, a rainha Rania, da Jordânia, postou um tweet cuja parte em árabe (“Parabéns aos leões do Atlas, vocês nos deixaram felizes”) sublinhou o sentimento misto, ao contrário do que estava escrito em inglês: “Uau, Marrocos! Você fez de novo.” No vizinho Líbano, mergulhado em uma grave crise econômica desde 2019, eles acompanham suas partidas em seus celulares ou em lanchonetes, porque a internet está fora do ar e a televisão pública não conseguiu comprar os direitos de transmissão devido à dívida do alto público.

Não é apenas o Maghreb ou o Oriente Médio. De Dakar a Lagos e de Joanesburgo a Ugadougou, toda a África celebra o feito. As seleções do continente nunca superaram os quartos, a que chegaram a Camerún, em 1990, Senegal, em 2002, e Gana, em 2010. independência. Os motoristas buzinavam enquanto corriam pela West Ledge, enquanto os transeuntes acenavam com o punho erguido. “Estamos todos com eles, neste momento eles carregam a bandeira e o orgulho de todo um continente”, disse um jovem estudante senegalês, Adama Diop, após assistir ao jogo. Essa importância particular é ainda maior agora que a França, último obstáculo para a final, é a antiga metrópole colonial de grande parte da África. “Se os Leões vencerem Mbappé e companhia, a festa estará completa”, resumiu.

“Todo o continente te apoia”, tuitou um dos jogadores africanos mais populares, o camaronês Samuel Eto’o, ex-Barcelona. Outra estrela do continente, Didier Drogba, atacante marfinense que atuou no Chelsea, mandou um recado ao técnico marroquino: “Irmão, estou muito feliz por você”. Fora do esporte, Macky Sall, presidente do Senegal e da União Africana, escreveu em seu perfil no Twitter: “História! E fantástico! Os Leões do Atlas estão classificados para as semifinais da Copa do Mundo! Parabéns pelo Marrocos!

As relações políticas entre Marrocos e o resto do continente nem sempre foram fáceis, mas o aumento do investimento do reino Alaouite na região subsaariana, a melhoria das relações bilaterais com muitos países, a presença de uma diáspora considerável em várias capitais e seu retorno à União Africana em 2017 mudou Rabat para uma posição mais central na vida do continente.

Um sinal dos tempos

James M. Dorsey, especialista em futebol no Oriente Médio e Norte da África, contextualiza o fenômeno em dois elementos. A primeira é uma espécie de recompensa para uma “parte do mundo que passou a última década na defensiva por causa do terrorismo, da violência política e da islamofobia”. A segunda é que se insere num contexto em que as relações internacionais passam da unipolaridade para a multipolaridade, com a consequência da perda de peso do Ocidente. “De certa forma, as vitórias do Marrocos são vistas dentro desse quadro”, afirmou.

Dorsey, no entanto, esclarece que a experiência histórica não sugere que a façanha marroquina “terá consequências práticas reais” além do futebol. E dá dois exemplos: a partida entre soldados britânicos e alemães durante a famosa trégua de Natal de 1914no início da Primeira Guerra Mundial e Vitória do Iraque na Copa da Ásia em 2007, um ano em que esteve particularmente atolado em bombardeios e confrontos sectários. Nem o primeiro evitou milhões de mortes e mais quatro anos de conflito, nem o segundo – mantido em uníssono por curdos, sunitas e xiitas – parou o derramamento de sangue. “Costuma-se dizer que o futebol, e o desporto em geral, é uma ponte, mas só o é quando se quer usá-la como tal”, resume Dorsey, membro sénior da S. Rajaratnam School of International Nayang Studies, em Singapura. Universidade tecnológica e gestora de blogs O turbulento mundo do futebol no Oriente Médio (O conturbado mundo do futebol do Oriente Médio).

inscreva-se aqui ao nosso boletim informativo especial da Copa do Mundo do Catar

Inscreva-se para continuar lendo

Leia sem limites

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *