Ricardo Jaime sofreu mais um revés judicial e vai continuar detido

Ricardo Jaime durante a sua detenção em 2016. Télam

O Tribunal Oral Federal 7 que julgará os réus no Caso Cuadernos determinou que Ricardo Jaime deve continuar preso preventivamente no presídio de Ezeiza. Desta forma, o ex-secretário de transportes de Néstor e Cristina Kirchner continuará na mesma situação em que se encontra desde sua prisão em Córdoba em 2 de abril de 2016.

Os juízes Fernando Canero e Germán Castelli por maioria Eles recusaram a soltura e o pedido de prisão domiciliar em resposta a um pedido feito por Eduardo Gómez Caminos e Darío Vezzaro, advogados de Jaime, na semana passada. O juiz Enrique Mendez Signori Ele votou contra para aceitar o pedido de libertação de Jaime. A defesa argumentou que o prazo da prisão preventiva de mais de três anos havia expirado e que em uma revisão recente a Câmara III de Cassação havia confirmado a extensão da prisão preventiva ordenada pelo TOF 7, mas havia solicitado que o julgamento começar o mais rápido possível. .

O juiz Canero, em seu voto, disse que “a duração da detenção do réu não é irracional, dada a amplitude e complexidade dos fatos investigados neste caso e fatos relacionados”. Castelli concordou com o voto inicial de Canero e, a partir daí, a situação de Jaime permanece como está hoje. Os desembargadores argumentam que persistem os perigos processuais que foram considerados para ditar a prisão preventiva de Jaime: perigo de fuga e obstrução da investigação. Ele continuará detido no presídio de Ezeiza. Os desembargadores também indicaram que o julgamento está em andamento, pois estão sendo analisadas as anulações apresentadas e a admissibilidade das provas solicitadas.

Você pode gostar também: Ricardo Jaime acrescenta condenações por seis atos de corrupção: um caso muito difícil de integrar na teoria do lawfare

Neste tribunal oral federal, ele é responsável pelo caso Cuadernos. Jaime, como os empresários o declararam arrependido Aldo Roggio e Gabriel Romero, cobrava propinas mensais pela distribuição de subsídios ferroviários. Os empresários tinham concessões que seriam controladas por Jaime e aceitavam pagamentos entre 5 e 30% das outorgas em troca. Mas Romero também tinha a concessão da estratégica hidrovia do rio Paraná. O empresário admitiu pagar a Jaime R$ 500 mil por ano para manter e renovar a concessão da hidrovia. Jaime é acusado, como Cristina Kirchner, os empresários e outros ex-funcionários, na seção do caso Cuadernos conhecida como “secretária de transportes”

Jaime é o único ex-funcionário de Kirchner condenado por acusações de corrupção que está sob custódia. Ele permanecerá em prisão preventiva até o início do julgamento. Os advogados de Jaime pediram a libertação porque neste caso Jaime está detido desde 2019. E consideraram que os prazos de prisão preventiva tinham expirado. Eles exigiram que, se ele não for libertado da prisão, ele receba prisão domiciliar enquanto aguarda julgamento. Canero e Castelli disseram não a ambas as demandas.

Jaime já foi condenado em vários processos de corrupção. Uma das condenações foi proferida em 2015 por receber propina de duas empresas que ele controlava quando era funcionário público. Na ocasião, ele admitiu ser um suborno e aceitou uma sentença. Ele foi o primeiro ex-funcionário kirchnerista a admitir a coleta de propinas. Então outros iriam confessar.

Ele também foi condenado por sua responsabilidade na Tragédia dos Onze. Uma das empresas que o subornou e pela qual foi condenado foi a Trenes de Buenos Aires (TBA), empresa responsável pela concessão ferroviária de Sarmiento quando, em fevereiro de 2012, um trem se chocou contra a plataforma da estação Once. Como resultado do acidente, houve 51 mortos e mais de 700 feridos.

Em abril deste ano, Jaime foi condenado pelo crime de enriquecimento ilícito. Verificou-se que tanto seus familiares quanto os que o cercavam haviam adquirido patrimônio superior ao permitido por sua renda. Entre outros, foram condenados sua filha Julieta, sua ex-companheira Silvia Reyss e Manuel Vázquez, que foi seu assessor na secretaria de transportes e também quem administra a obscuridade dos negócios que se realizam neste serviço público. No mesmo julgamento, Jaime foi condenado por comprar trens de sucata da Espanha e de Portugal. O ex-secretário de transportes e seu assessor Vázquez também foram condenados por receber propina na operação milionária.

Ricardo Jaime, ao centro, com seus defensores Eduardo Gómez Caminos e Darío Vezzaro, durante audiência sobre o processo de enriquecimento ilícito (Maximiliano Luna)
Ricardo Jaime, ao centro, com seus defensores Eduardo Gómez Caminos e Darío Vezzaro, durante audiência sobre o processo de enriquecimento ilícito (Maximiliano Luna)

Em setembro passado, Jaime foi condenado por organizar uma promessa de suborno. Seu assessor Vázquez havia negociado a entrega de um milhão de dólares a prestações com a Alstom. O acordo de corrupção foi deixado ad referendum para fazer o Trem Bala, um projeto faraônico do Kirchnerismo que não foi feito. A Alstom venceu a licitação e o acordo de suborno foi assinado.

Jaime também tem alguns processos em andamento, entre eles a corrupção relacionada a empresários ferroviários que está incluída no caso Cuadernos.

A promotora do processo, Fabiana León, havia decidido, antes do pedido de soltura, que Jaime deveria continuar detido, mas ao mesmo tempo enfatizou que o julgamento deve ser realizado em caráter de urgência. O procurador argumentou ainda que, caso a Justiça Oral Federal 7 lhe concedesse a prisão domiciliar, Jaime teria que se submeter a diversas restrições. Mas nada disso acontecerá porque dois dos membros do Tribunal Oral Federal 7 disseram que Jaime deveria continuar preso em Ezeiza.

continue lendo

Alex Gouveia

"Estudioso devoto da internet. Geek profissional de álcool. Entusiasta de cerveja. Guru da cultura pop. Especialista em TV. Viciado em mídia social irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *