Sánchez pede à Internacional Socialista que trabalhe pelo fim da guerra na Ucrânia: “É hora da diplomacia”

“Você tem que abrir o tempo para a diplomacia.” Foi uma das principais mensagens transmitidas este domingo pelo Presidente do Governo, Pedro Sanchescomo parte de seu discurso de encerramento no XXVI Congresso da Internacional Socialista (SI). Uma organização da qual ele já é o novo líder. “A partir da IS trabalharemos pelo fim da agressão de Putin na Ucrânia e pelo fim de todos os conflitos no mundo”, proclamou Sánchez em um ponto de seu discurso.

Para Sánchez, a social-democracia tem o dever de “lançar um chamado mundial pela defesa da paz” e “ser militantes de um pacifismo renovado pela defesa da legalidade internacional”. “A social-democracia sempre esteve do lado da paz. A invasão da Ucrânia por Putin nos mostra a importância de uma ordem internacional baseada em regras”, enfatizou o presidente.

As primeiras palavras de Sánchez foram dedicadas ao PSOE e especialmente à sua militância. E reiterou o propósito de seu mandato como presidente da SI: “Que ele reúna todos os movimentos progressistasporque é a pátria de todos os socialistas, trabalhadores e social-democratas do mundo”. Uma mensagem que pode se dirigir indiretamente ao SPD na Alemanha, que deixou a organização há alguns anos. Um de seus representantes enviou um vídeo de apoio a Sánchez por este dia.

Sánchez fez um discurso com diferentes referências históricas como a revolução dos cravos em Portugal e o seu canto Grândola Vila Morena. Ou Salvador Allende e seus grandes bulevares. Você mencionou importantes líderes social-democratas como o sueco Olof Palme e o alemão Willy Brandt. Também às conquistas dos governos de Felipe González e José Luis Rodríguez Zapatero. Ou lutas atuais como as das mulheres no Afeganistão e no Irã.

Como é de praxe nos fóruns internacionais, o Presidente defendeu vigorosamente a multilateralismo e sua defesa. Nesse sentido, sublinhou que a IS foi o maior contribuinte para o nascimento da ONU. Ele fez uma defesa do “internacionalismo” contra os retrocessos identitários e a crise do neoliberalismo. “A IS pede a globalização dos direitos e liberdades, justiça climática, igualdade, paz e democracia e a dignidade dos seres humanos”, disse ele.

Durante o fim-de-semana foram debatidas diferentes áreas temáticas: paz e democracia; a Igualdade entre homens e mulheres; das Alterações Climáticas; uma economia justa e inclusiva, bem como o fortalecimento dos direitos trabalhistas e digitais. E nestes pontos, Sánchez parou, apresentando as linhas principais do que será o seu desempenho global dentro do IS.

Sobre os direitos trabalhistas, ele lembra que a SI nasceu da demanda por uma “Trabalho decente”. Aproveitou esta menção para enviar uma mensagem muito precisa e direta em termos de política nacional. “Peço aos empregadores, ao CEOE, que se reúnam agora com os sindicatos para chegar a um acordo salarial”, disse Sánchez. O presidente reivindicou a social-democracia e rejeitou que seria presidente da SI eurocêntrica antes de ser demitido entre um banho de massa e aplausos.

suporte de sapateiro

A ata de encerramento do Congresso também contou com a participação de Sánchez de Hana Jalloul, secretário de política internacional do PSOE. “Sanches é um crente de mudança e transformação”, sublinhou o líder socialista. O ex-primeiro-ministro falou então José Luis Rodríguez Zapatero, que chamou o dia de “transcendente”. “Nada pode deixar o PSOE mais orgulhoso do que um camarada à frente do IS”, enfatizou.

“Não é que não haja um novo SI, é o SI novamente, com toda a força histórica e liderança que soube transmitir ao mundo”, disse Zapatero, que qualificou o passo dado por Sánchez como “liderança , honestidade e comprometimento”. Ele também elogiou o governo de coalizão, que definiu como “o palco mais social da democracia espanhola”. “Um socialista convicto é um socialista imbatível, camarada Pedro, parabéns. Milhões de socialistas em todo o mundo depositaram sua total confiança em você”, disse o ex-presidente, que também citou Gloria Fuertes diante dos insultos e do ódio.

O ex-primeiro-ministro, José Luis Rodríguez Zapatero, com Pedro Sánchez neste domingo em Madri. Chema Moya / ECE

Janete Camille, a nova presidente da Internacional Socialista das Mulheres, interveio com um discurso em tom feminista e pela igualdade. “Se eles batem em uma mulher, batem em todos nós”, disse ele. A política dominicana elogiou Sánchez como um “líder convicto” em dar mais participação às mulheres. “A social-democracia é o único caminho para a igualdade. O socialismo que vem é feminista ou não é socialismo”, disse Camilo. Durante o seu discurso, criticou o facto de haver delegações partidárias “cheias de homens” neste Congresso.

Antes de dar lugar a Sánchez, Benedito Lasi, O novo Secretário Geral da SI tomou a palavra. Ele apreciou particularmente o papel de Jalloul e de outros líderes do PSOE que o ajudaram a dar o passo para ingressar no novo conselho como o “número dois” de Sánchez. “Renovámos a alma do socialismo e agora cabe-nos a todos renovar também este compromisso nos nossos países”; Sublinhou Lasi. A política ganesa será a primeira mulher africana a ocupar este cargo. “É minha responsabilidade garantir que as vozes dos africanos sejam ouvidas em todo o mundo”, disse ele a esse respeito.

Para cobrir Sánchez, o PSOE mobilizou um grande número líderes territoriais, ministros do governo e praticamente toda a liderança do partido em Ferraz. O novo presidente da SI já aberto na última sexta-feira Congresso e deixou algumas mensagens sobre seus objetivos nesta nova etapa da entidade. Ele também participou no sábado em uma lei de energia específica com o primeiro-ministro de Portugal, Antonio Costa.

Alex Gouveia

"Estudioso devoto da internet. Geek profissional de álcool. Entusiasta de cerveja. Guru da cultura pop. Especialista em TV. Viciado em mídia social irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *