Saramago, primeiro português na Caja de las Letras do Instituto Cervantes | Cultura e Entretenimento | Edição América

O legado do escritor José Saramago tornou-se esta segunda-feira o primeiro de um autor português a entrar na Caja de las Letras do Instituto Cervantes e o segundo nesta língua depois da brasileira Nélida Piñon depositada no ano passado.

Escritos do Prémio Nobel da Literatura português sobre Luís de Camões ou Fernando Pessoa, bem como outros sobre autores como o argentino José Luís Borges, um selo e um diário fazem parte do património preservado, por ocasião do centenário da sua nascimento, na Caja de les Lettres em Madrid.

Acto em que participaram, entre outros, o Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, e o Presidente da Fundação José Saramago, a espanhola Pilar del Río, viúva do escritor e tradutora das suas obras para o espanhol.

A abóbada de 1670 da antiga abóbada de banco que alberga a sede do Instituto Cervantes alberga assim diversos objectos que constituíram o legado de Saramago (1922-2010), que permanecerão guardados nesta entidade.

Del Río explicou que Saramago disse que ninguém havia escrito um português tão bonito quanto o padre Antonio Vieiro e por isso escolheu uma de suas obras, “um pouco devastada”, porque “é antiga, uma maneira de dizer que ela é imortal “. “.

Inclui ainda provas corrigidas à mão de Saramago de uma peça que escreveu sobre Camões e “Os Luisiadas”, a maior obra da literatura portuguesa, bem como um livro também do Prémio Nobel português de literatura de reflexão sobre Fernando Pessoa.

E em uma caixa ele também coletou diferentes textos que Saramago escreveu sobre seus professores em espanhol: Miguel de Cervantes e Borges, Rafael Alberti ou Carlos Fuentes, José Donoso, Gabriel García Márquez ou Julio Cortázar.

Outros escritos são um texto sobre palavras que podem ser boas ou más ou sobre a inutilidade das guerras, disse Del Río, que também acrescentou um diário, uma agenda de endereços, um lápis e um carimbo de Saramago “ao caso um dos habitantes da A Caja de las Letras precisa dizer alguma coisa”.

O Presidente de Portugal destacou a data desta homenagem, 25 de abril, de grande simbolismo em Portugal porque comemora a Revolução dos Cravos, que restituiu a democracia ao país em 1974 após cinco décadas de ditadura.

O diretor do Instituto Cervantes, Luis García Montero, salientou que esta entidade estatal espanhola e o Instituto Camões de Portugal partilham sonhos e projetos, como comprova este ato.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.