Sexta-feira à tarde hora do rush na barbearia | Madri

Faz calor em Parla às quatro da tarde da última sexta-feira de agosto, mas oito jovens estão esperando nos portões do MohaBarberStar. É hora da soneca e alguns deles estão de chinelos e parecem sonolentos. O jovem barbeiro dono do negócio e dois outros assistentes chegam na hora, abrem a loja, e os clientes aparecem para se sentar nos sofás e cuidar de seus celulares até chegar a sua vez. É quando o WhatsApp ou o Tinder queimam. Na tela eles decidem seus planos noturnos e na barbearia eles se arrumam.

Uma cena semelhante à deste município do sul da região de Madrid se repete em bairros de toda a Espanha: ir ao cabeleireiro todas as sextas-feiras é um novo costume que choca as gerações mais velhas para quem a imagem era menos importante e o sentido de masculinidade era outro . . Todo mundo pode ver o impacto nas ruas: só em Madri, quase 1.000 novas barbearias e barbearias foram adicionadas ao censo municipal em oito anos, contra 3.553 atualmente. David Calvo, 29 anos, morador de Parla, fala por muitos jovens quando diz: “Cortes de cabelo são como maquiagem para homens porque não temos muito mais para nos diferenciar: roupas e cabelos”.

Calvo costumava ser mais descontraído e só cortava o cabelo a cada dois meses, mas há alguns anos decidiu se cuidar um pouco mais e passou a ir lá todo fim de semana. “Eu não perdoo ninguém”, diz ele, frequentador assíduo de clubes de techno no sul de Madri, como Fabrik ou Bonamara.

As apostas são altas em boates, mas também em campos de futebol. o barbeiro proprietário da MohaBarberStar, Mohamed El Assaoui, 31, passou a tarde anterior no estádio Alcorcón Club de Fútbol cortando o cabelo de muitos dos jogadores que sempre gostam de estar bem antes dos jogos. “Às vezes eu tinha que parar no hotel do time deles três ou quatro horas antes do jogo, mas como este fim de semana eles tinham que jogar em Pontevedra, antecipamos a data”, explica Assaoui. Nas paredes de sua barbearia penduram camisas de futebol dedicadas ao barbeiro por algumas estrelas da La Liga ou Premier como José Maria Gimenezdo Atlético de Madrid; Gastão Álvarez, de Getafe; Aquilo é David Rayade Brentford.

Três modalidades de corte bacano.DAVID EXPOSITO

A primeira a entrar pela porta da MohaBarberStar arrumada é Dani Campos, uma carpinteira de 29 anos que ganhou um fade, um twist mais complexo no corte de cabelo militar tradicional porque a caveira tem diferentes comprimentos de cabelo, bem desbotados. Para conseguir esse efeito, você precisa fazer um retoque semanal. O fade também é conhecido como corte bacano, colombiano que significa fresco ou custos. Em Parla, custa entre 5 e 10 euros.

O que mais afeta é o que acontece mais próximo. Para não perder nada, inscreva-se.

se inscrever

“Hoje é hora de sair com a namorada para beber, mas toda quinta ou sexta eu corto o cabelo”, diz Campos. Ele conta que antes costumava ir a outra barbearia que ficava aberta até muito tarde. “Vim cortar à uma da manhã e de lá fui direto para a discoteca em Madrid”.

efeito CR7

Essa moda surpreendeu muitos barbeiros imigrantes que ficaram chocados com o descuido dos homens espanhóis. Até uma década atrás, as barbearias na Espanha eram reservadas para os avós e os jovens cortavam o cabelo em cabeleireiros unissex uma ou duas vezes por mês. Alguns homens com cabelos compridos preferiam ir aos salões de beleza femininos porque ali estavam mais familiarizados com esse tipo de corte de cabelo.

“Quando cheguei à Espanha em 2003, vi que os homens não cuidavam tanto deles quanto na Venezuela, onde temos uma adoração pela imagem”, diz o barbeiro Hildemaro Aponte, professor de barbeiros da Baranda Barbers Academy, em Madri. . “Na América Latina, é normal que os homens façam fila às quintas, sextas e sábados esperando o barbeiro o tempo que for preciso.”

Algo aconteceu por volta de 2010 que despertou o interesse pelo cabelo, mas não está claro se foi Instagram, a barba hipster, reggaeton ou Cristiano Ronaldo assinando com o Real Madrid. O fato é que desde então o número de espanhóis que se preocupam com seus Vejo capilar, um boom na aparência que também animava academias ou estúdios de tatuagem.

O barbeiro Mehdi Boudeh agradece a CR7 porque viu como as crianças de sete anos ou mais faziam fila no seu negócio em Pueblo Nuevo, leste de Madrid, cada vez que a estrela portuguesa mudava de roupa. Vejo. Padrões estão surgindo em campo e os jogadores de futebol se tornaram aliados dos barbeiros: “Muitos garotos dos times do bairro vêm me ver porque quando estão jogando perguntam ao time adversário ‘ei, eu gosto disso, quem fez isso com você? ‘”, diz Boudeh. .

espaço para homens

Em seguida, ocorre a ascensão os tik tokers. MohaBarberStar diz que às vezes os clientes vêm até ele mostrando em seu celular o corte de cabelo de Hugo Rico, um garoto de 17 anos de Parla que Ele tem mais de 91.000 assinantes de suas danças no TikTok.. Eles viram seu sucesso localmente significativo e querem imitar seu estilo. “O cabelo é super importante para a autoestima”, diz essa adolescente que usa um mulaum corte semelhante ao dos moicanos.

O TikToker Hugo Rico de Parla, cujo corte de cabelo é imitado por outros jovens desta cidade de Madrid.
O TikToker Hugo Rico de Parla, cujo corte de cabelo é imitado por outros jovens desta cidade de Madrid.DAVID EXPOSITO

Os poucos salões de cabeleireiro dos avós sobreviventes foram transformados para acomodar os jovens. Na Peluquería Masculina Muñoz, aberta no centro de Parla desde 1967, comemora-se o retorno dos jovens após décadas de seca. “Os homens recuperaram o espaço para falar sobre seus negócios porque o cabeleireiro é como um confessionário”, explica o filho do fundador da empresa, Carlos Muñoz, 52.

Carlos Muñoz, barbeiro de segunda geração, viu o colapso e o renascimento desses negócios.
Carlos Muñoz, barbeiro de segunda geração, viu o colapso e o renascimento desses negócios.DAVID EXPOSITO

À medida que o fechamento se aproxima, Salão de cabeleireiro Ayoub em Parla A música de Ibiza está tocando e em uma tela grande você pode ver um mar azul cheio de iates onde garotas de biquíni estão dançando. É um bom ambiente para aquecer os motores. Javier Odilas, 34, senta-se na cadeira e pede a seu cabeleireiro, Abdellah, um corte de cabelo legal. Odilas é DJ e corta de acordo com o clube que o contrata. Hoje ele clica em um estilo popular. Se eu o fizesse jogar em um clube chique de Madri, ele não seria degradado ou louco. “No norte de Madrid eles não gostam de um DJ rapão Todos eles têm cabelos compridos e costeletas largas.

Em pouco mais de 20 minutos o corte Odilas está pronto. “Daqui para jantar em casa e na discoteca”, disse ele. O sol se põe em Parla, as barbearias saem e os homens saem para competir.

Em primeiro plano, Abdellah Achahbam dá a Javier Odilas um corte de cabelo legal no salão de cabeleireiro Ayoub, no centro de Parla, em uma tarde de sexta-feira.
Em primeiro plano, Abdellah Achahbam dá a Javier Odilas um corte de cabelo legal no salão de cabeleireiro Ayoub, no centro de Parla, em uma tarde de sexta-feira.DAVID EXPOSITO

Quase 1.000 empresas adicionais em apenas oito anos

Patrícia Segura

Há tantos salões de cabeleireiro em Madrid que às vezes coexistem de parede a parede. Em dois quarteirões ao sul da capital, em Villaverde, operam 15 dessas empresas. Alguns batizaram esta região como “a floresta do Fluir(mata, pelo cabelo, e Fluir por estilo em inglês). A competição dificulta a prosperidade. “Neste bairro, as pessoas não se apaixonam, procuram o mais barato e não há bolo para todos”, diz o barbeiro Edwin Manuel, de 27 anos.

A capital passou de 2.809 lojas desse tipo em 2014 para 3.553 atualmente, segundo análise do censo de prédios da prefeitura realizado pelo EL PAÍS. Os dados, 33% a mais, correspondem ao número de etiquetas que incluem palavras como barbeiro ou cabeleireiro, pois esse registro não contém um cabeçalho específico que inclua exclusivamente empresas do setor.

É fácil abrir uma barbearia ou cabeleireiro. Tanto que alguns barbeiros aprendem com tutoriais do YouTube ou cortam amigos e familiares, depois alugam uma loja e se tornam empreendedores, reclamam alguns veteranos. A associação Peluqueros Unidos de Madrid afirma que é necessário um diploma universitário para criar estas empresas. Seu presidente, José Pérez Romero, afirma que a intrusão é um risco: “Existem cabeleireiros amadores que não respeitam regras básicas de higiene, como trocar as lâminas na frente de cada cliente”.

inscreva-se aqui ao nosso boletim diário de Madrid.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *