Tendências gastronómicas, criatividade e pratos de terras distantes, na nova edição do Madrid Fusión

MADRI, 22 de janeiro (EUROPA PRESS) –

O Madrid Fusión retorna ao Ifema Madrid de 23 a 25 de janeiro com novas tendências gastronômicas, criatividade e pratos de lugares remotos com o objetivo de “dar voz e palco às personalidades mais destacadas da cena gastronômica mundial para que possam compartilhar seus conhecimentos “.

Conforme informou o Ifema Madrid em comunicado, os ingressos para o auditório principal já estão à venda no site Madrid Fusión. Este ano, vamos mergulhar na conjuntura atual, na qual se observa “uma verdadeira diversidade de conceitos-forças diferenciadas que coexistem ao mesmo tempo numa espécie de caldeirão multicultural”.

Assim, a 21ª edição do Madrid Fusión Alimentos de España volta em janeiro, seu mês calendário, para mostrar nos diferentes cenários “o que é atual e o que está por vir, emoção, risco, criatividade, pensamento, paixão, inovação, bom sentido e demência”.

Voltam a destacar-se os restaurantes que alicerçam a sua força na criatividade e na técnica, outros que reivindicam diferentes versões do conceito de sustentabilidade, “viver o fogo como combustível e filosofia culinária ou o regresso da clássica cozinha francesa anterior à “nova cozinha”, com a recuperação de pratos quase abandonados como o patê en ‘croute’ ou a lebre à la Royal”.

Além disso, o Madrid Fusión deu a conhecer a cozinha tecnológica ou tecno-emocional, as diferentes fusões europeias e americanas com técnicas e culturas originárias da Ásia, bem como o início e o desenvolvimento da cozinha nórdica e a revolução que se seguiu na busca da sustentabilidade e defesa. do planeta.

Esta edição “No Limits” trará ao Madrid Fusion restaurantes distantes, situados em locais improváveis ​​como Poul Andrias Ziska (Ilhas Faroé) e Virgilio Martínez, Pía León & Malena Martínez (Proyecto Mil, Peru), mas também novas cozinhas urbanas como James Knappett (Reino Unido).

Da mesma forma, abordará a cozedura do peixe por diferentes ângulos, dando voz a chefs que procuram a verdade dos seus pratos em rios e lagos, uma despensa esquecida, como Rodrigo Castelo (Rest. Taberna Ó Balcão, Portugal) ou Konstantin Filippou (Áustria) , como Takayoshi Watanabe (Japão), cozinha étnica Dieuveil Malonga (Ruanda) ou progresso científico com chefs como Oriol Castro, Eduard Xatruch & Mateu Casañas (Espanha) & Luke Jang.

A programação fica completa com a presença de chefs que cozinham da natureza em condições extremas como Nicolai Tram (Suécia) ou outros que trabalham com cozinhas populares como fonte de renovada inspiração como Rafael Cagali (Reino Unido). O palco principal também receberá, pela primeira vez, um dos grandes nomes da cozinha italiana, Massimiliano Alajmo, que duas décadas depois é ainda o chef mais jovem a obter três estrelas Michelin, aos 28 anos.

A representação dos chefs espanhóis é liderada por Dabiz Muñoz, Joan, Josep e Jordi Roca, Quique Dacosta, Ángel León, Ricard Camarena, Andoni Aduriz, Oriol Castro, Eduard Xatruch & Mateu Casañas; Alberto Ferruz, Nandu Jubany, Aitor Arregi, Pedrito Sánchez e Álvaro Salazar & María Cano.

Alex Gouveia

"Estudioso devoto da internet. Geek profissional de álcool. Entusiasta de cerveja. Guru da cultura pop. Especialista em TV. Viciado em mídia social irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *