Teodor Currentzis cria “Utopia”, uma nova orquestra sinfônica

Uma nova orquestra para Theodore Currentzis. O chef greco-russo acaba de anunciar a criação do utopia, “uma nova orquestra internacional que quer reunir os melhores músicos de todo o mundo. É essencialmente uma tentativa idealista de encontrar uma abordagem à criação musical que nos permita chegar à essência profunda de um texto musical”, explica o realizador em comunicado de imprensa. “A ideia de juntar solistas e maestros de diferentes orquestras no mesmo ensemble nasceu há vários anos. As negociações duraram muito tempo e agora o projeto está pronto para ser lançado. Os primeiros concertos do Utopia serão realizados na primeira quinzena de outubro em algumas das mais importantes salas europeias que apoiam o projeto, nomeadamente a Philharmonie Luxembourg (4 de outubro), Laeiszhalle Hamburg (5 de outubro), Wiener Konzerthaus (7 de outubro a 9 de outubro) e também na Filarmónica de Berlim (11 de outubro), explica o comunicado de imprensa.

“Este sonho não é só meu”, acrescenta Currentzis. “É uma ideia que vem sendo alimentada há muito tempo por um grande número de músicos de todos os cantos do mundo: reunir pessoas que compartilham uma ideologia musical comum para criar sem compromisso o que sai da nossa imaginação musical. É uma tentativa de sair do quadro de instituições respeitáveis ​​que, embora abençoadas, também podem se dedicar a criar o que pode ser descrito como um certo som internacional padronizado. Estamos entrando em um reino mais experimental de encontrar o som perfeito com músicos magistrais aspirando a isso. A primeira coisa que a globalização sofre é a intimidade. Esta emoção, esta unidade e esta dedicação de que falo encontra-se muito provavelmente no trabalho de um músico individual ou de um pequeno colectivo. Queremos trazer essa identidade e essa intimidade de câmara para a instrumentação completa de um grande concerto sinfônico. Então vamos deixar de lado o que sabíamos e dar o salto. Claro, isso é uma utopia. A utopia é algo impossível, e é isso que nos atrai, fazer o impossível. Sonhos só se realizam quando levantamos a proibição do impossível”, diz o diretor.

O elenco da orquestra irá variar de acordo com os instrumentos estipulados na partitura. 112 músicos de 28 países participarão do primeiro projeto: Armênia, Austrália, Áustria, Bélgica, Bulgária, Canadá, China, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Israel, Itália, Japão, Cazaquistão, Holanda, Portugal, Romênia, Rússia, Sérvia, Espanha, Suíça, Turquia, Reino Unido, Ucrânia, Estados Unidos e Venezuela. O programa do primeiro concerto da Utopía inclui obras que ilustram a mentalidade criativa das primeiras décadas do século XX. A orquestra apresentará as seguintes pássaro de fogo de Igor Stravinsky na raramente executada terceira versão de 1945 e duas composições de Maurice Ravel: a suíte nº 2 de Daphnis e Chloe e A valsa. Estão previstas duas digressões da nova orquestra para a época 2022/23. Em junho de 2023, a Utopia apresentará a sua interpretação Sinfonia nº 3 por Gustav Mahler

Foto: Liliya Olkhovaya

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.