um aplicativo para localizar águas-vivas e avançar sua pesquisa

Com a chegada do verão, muitas pessoas optam por aproveitar esse tempo na praia. É comum o aparecimento de medusas durante este período nas zonas costeiras do nosso país, devido ao seu ciclo biologia e o efeito cascata das correntes oceânicas. Muitas pessoas são mordidas todos os anos, com reações alérgicas de todos os tipos: náuseas, vômitos, diarréia, cólicas estomacais, espasmos, dores musculares, febre, calafrios, dor de cabeça, tontura, vermelhidão da pele, coceira intensa, erupções cutâneas e dificuldade em respirar , entre outros.

Por isso e na tentativa de evitá-los, pesquisadores de a Universidade de Alicante (UA) e dois cientistas da computação da Universidade Politécnica de Valência (UPV), em colaboração com CIBER de Doenças Respiratórias (CIBERES) e o Laboratório de Imunoalergias do Instituto de Pesquisas em Saúde da Fundação Jiménez Díaz (IIS-FJD) criaram o MedusApp. Um aplicativo colaborativo para evitar e pesquisar águas-vivas MedusApp um dos aplicativos de observação de águas-vivas com mais downloads do mundo. O aplicativo permite que qualquer pessoa avise sobre o avistamento de uma água-viva e ofereça um mapa em tempo real dos locais onde sua presença é detectada. Esta aplicação foi desenvolvida por investigadores da Universidade de Alicante (UA) e dois cientistas informáticos da Universidade Politécnica de Valência (UPV)em colaboração com o CIBER de Doenças Respiratórias (CIBERES) e o Laboratório de Imunoalergia do Instituto de Pesquisa em Saúde da Fundação Jiménez Díaz (IIS-FJD).

O aplicativo integra inteligência artificial (IA) para reconhecimento
espécie de automóvel. Até agora, este aplicativo permitia selecionar o tipo de água-viva por meio de um catálogo completo, mas graças a essa atualização, o usuário pode fazer upload da foto e identificar automaticamente a espécie antes de carregá-la no aplicativo para publicação. . “Através da utilização desta aplicação, pretendemos poder iniciar um trabalho colaborativo com os serviços de alergologia localizados na nossa costa e que recebem doentes com suspeita de alergia a medusas”, explica César Bordehore, professor de ecologia marinha e pesquisador do Instituto Ramón Margalef da Universidade de Alicante e diretor científico da MedusApp.

Além disso, o aplicativo oferece um guia interativo sobre o que fazer em caso de
picada e informações sobre o perigo de diferentes águas-vivas. “O
protocolo geral e útil para todas as águas-vivas, consiste em lavar em água do mar sem
esfregue e aplique uma solução de bicarbonato de sódio 50% com água do mar. Sim
há tentáculos ou fragmentos residuais, estes podem ser removidos com
pinças, luvas ou um cartão de plástico. Se a dor persistir, você deve ir ao serviço de emergência ou médico. Se, além do desconforto cutâneo, o indivíduo apresentar tonturas, calafrios, febre, inchaço, é recomendável ir ao pronto-socorro e consultar um alergista”, explica Eva Fonfría, médica bioquímica e pesquisadora do Instituto Ramón Margalef de a Universidade de Alicante.

As águas-vivas mais predominantes em nossas águas são a Pelagia noctiluca –
também chamada de medusa-cravo – e Rhizostoma pulmo – conhecida como aguamala-. No entanto, em algumas áreas específicas, podem predominar medusas como Carybdea marsupialis ou Olindias phosphorica. Embora possam compartilhar características comuns, os sintomas diferem de acordo com a espécie e seu perigo: desde vermelhidão e coceira até o aparecimento de pápulas, desconforto respiratório e convulsões. “Por este motivo, da Sociedade Espanhola de Alergologia e Imunologia Clínica (SEAIC), pedimos à população que comunique todas as picadas e contactos com medusas nas nossas costas através do MedusApp e que não subestimem este problema”, explica o Dr. Mar Fernández Nieto, membro do Comitê de Asma e porta-voz da SEAIC.

Em relação à subestimação das picadas de água-viva, o
Os alergistas lembram que as primeiras experiências realizadas por Charles Robert Pichet, que deram origem ao termo “anafilático” – e com o qual ganhou o Prêmio Nobel de Medicina em 1913 – começaram com o Physalia physalis ou navio de guerra português. “Além disso, em 2016, uma reação anafilática grave foi descrita devido à picada de Rhopilema nomadica em uma menina de 15 anos na costa de Tel Aviv (Israel) e em 2018 do SEAIC Asthma Committee, publicamos um caso de anafilaxia devido à água-viva Pelagia noctiluca.

É preciso estar ciente do perigo de sua picada e das reações alérgicas que podem causar”, alerta o médico. E acrescenta que “hoje estão sendo estudados antídotos contra picadas de água-viva. De fato, pesquisadores da Universidade de Sydney publicaram em 2019 a descoberta de um antídoto contra a picada da água-viva de caixa Chironex Fleckeri – um dos organismos mais venenosos do mundo – usando técnicas de edição genética.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.