Um dia eles acenam para nós

Novo Soto é a rota urbana do Caminho Português e no verão duplica a sua clientela alimentando quem faz a rota jacobeia e os trabalhadores

25 de janeiro de 2023 . Atualizado às 14h17.

São quase dez horas da manhã e Maria Luisa Martinez Ele está na cozinha há muito tempo. Cheira a junta e está frito desde de manhã cedo. Ele está dourando os pedaços antes de colocá-los no forno, enquanto neste momento ainda pensa em um dos pratos que servirá depois de uma hora. Seus clientes podem escolher primeiro a feijoada, a sopa ou o ovo gratinado e você fica na dúvida se a quarta opção será brócolis ou couve-flor. A mesma coisa acontece com o segundo. Haverá, como já cheira bem, pernil no forno, frango de molho e peixe grelhado, mas duvida que o bife ou a zorza fechem a ementa para um janeiro fraco. Como todo mundo, o dono da Novo Soto, um dos clássicos de Pontevedra.

A comida de uma vida é servida em sua sala de jantar. Porque Mara Luisa é como uma mãe com seus clientes. Ele os mima e conhece seus gostos, mesmo que não tenham um bom dia, oferece mais uma opção para facilitar o prato. Há algum tempo, além dos trabalhadores que todos os dias param em suas mesas, os peregrinos são as estrelas deste pequeno restaurante na Calle Virgen del Camino. Quase na altura de onde um enorme painel nos lembra que são 64,5 quilômetros até a Plaza del Obradoiro, é o seu negócio. É uma paragem obrigatória. Este verão foi escandaloso, conseguimos servir até cem menus por dia, explica María Luisa. Entre risos, ele conta que em mais de uma ocasião acenaram para ele: Às vezes alguém se levanta e diz, esse cozinheiro merece um aceno. O riso é garantido. Mas também há quem peça um pouco mais. Fazemos sobremesas caseiras e o pudim de ovos é um dos clássicos, quando acabam vêm e perguntam-me se posso dar-lhes um pouco mais, comenta, sem perder de vista todas as panelas que estão ao lume.

De meados de março até o final de setembro, não descanse. Os trabalhadores chegavam cedo para comer e os peregrinos um pouco mais tarde para poder fazer um serviço duplo a cada dia. No entanto, às vezes era meio-dia e eles já estavam batendo na minha porta. Naquela época, não posso cuidar deles porque ainda estamos cozinhando, diz ele.


Ela começou o negócio há quase dez anos e o administra com sua filha, Patricia Martínez, e uma cozinheira. Sempre houve peregrinos, mas com este ano não contamos. Havia dias em que apenas recolhíamos e limpávamos do meio-dia às dez da noite, lembra. O Novo Soto tem apenas serviço de almoço. Todos os dias há um menu do dia em que não falta prato de colher, carne, peixe e legumes. É verdade, na quinta-feira a tripa é sagrada, tal como no sábado é cozida. Dois grandes cartazes anunciam-no numa das montras, mas é algo que se sabe. Além de comê-los aqui, muitos levam para casa, conta María Luisa Martínez, que vende uma porção por seis euros. Este prato e a ementa do dia aumentaram um euro com a passagem de ano e chegam aos 11: Tudo é mais caro e não se pode argumentar.




Caminho Português quer se firmar acima de 110 mil peregrinos após ano santo recorde


marco gago



Os seus clientes já perceberam isso, mas para quem não quer ultrapassar a marca dos dez euros, oferece-lhe a possibilidade de levar apenas um. prato único do menu de nove euros. É um pouco mais barato, mas leva mais quantidade e inclui a mesma bebida, café ou sobremesa, diz a alma do Novo Soto. Ao explicar como aumentou o cabaz de compras dos restaurantes, explica que, mesmo que a gasolina tenha diminuído um euro, continua a ser um gasto significativo na empresa. A cada duas semanas bebe duas garrafas grandes que custam 147 euros, recorda.


María Luisa não perde o sorriso a manhã toda. A poucos anos da aposentadoria, os mais novos já gostariam da vitalidade. Muitas vezes ela cuida de toda a sala sozinha e supervisiona a cozinha. Um peregrino me vê e não sei, pensa que sou o único a dar conta de tudo. Às vezes eles até me ajudam a tirar a mesa dela, ela diz sobre os dias em que está servindo sozinha.




Cotidiano numa casa de restauração de Pontevedra: fazemos malabarismos para ainda poder servir a ementa a 10 euros


neve D.amil

São dez horas da manhã e casa de elvira A cozinha já está iluminada e o menu do dia anunciado no quadro-negro da entrada e no longo bar de onde se comanda a sala. O cliente pode escolher primeiro tortilla, feijão ou caldo e depois carne, frango, pescada ou paella. Estes dois pratos, por dez euros. A subida dos preços levou-o a angariar meio euro face ao ano passado. Eles não tocavam nisso desde antes da pandemia e os números começaram a cair. Fazemos um verdadeiro malabarismo para poder continuar a colocar a ementa nos dez euros, explica Begoa Sarandeses. Não é um restaurante, é mais como uma família em que os clientes têm nome e sobrenome. Ninguém reclamou, mas você vê que a vida se adaptou. Os trabalhadores que antes tinham 12 ou 15 euros de ajuda de custo passam a ter apenas dez, reconhece.



continue lendo




Suzana Leite

"Estudioso de viagens do mal. Totalmente viciado em café. Escritor. Fanático por mídia social. Estudante amigo dos hipsters."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *