Um índio Wayú colombiano no maior monumento da era árabe na Espanha

Granada (Espanha), 8 de agosto (EFE).- Yeider está na Espanha há quase vinte dias, na expedição de jovens ibero-americanos ao redor do mundo, e em seu décimo oitavo dia, este Wayú visitou o maior monumento do mundo árabe época em Espanha, a Alhambra em Granada (sul), que lhe permitiu “descobrir outra cultura”.

O projeto Volta ao Mundo, formado por 36 jovens ibero-americanos de doze países, teve início em 21 de julho em Madri e percorrerá parte de Espanha e Portugal até 13 de agosto em homenagem ao quinto centenário da primeira circunavegação do mundo ( 1519 -1521) liderado pelos marinheiros Fernando de Magallanes e Juan Sebastián Elcano.

É financiado pela Agência Espanhola de Cooperação Internacional e patrocinado por entidades como a Secretaria Geral Ibero-americana ou a União de Capitais Ibero-Americanas.

A Alhambra, um conjunto monumental com o nome de suas paredes avermelhadas e localizado no topo de uma colina, foi registrado pela primeira vez no ano de 889, mas até o século XIII com a chegada do primeiro monarca nasrida, Mohamed I (1238-1273), a residência real não seria fixada.

Depois da chamada Reconquista, em 1492 os Reis Católicos fundaram um convento e mais tarde o seu neto Carlos I construiu um palácio.

Tombado como Patrimônio da Humanidade desde 1984, o monumento, com cerca de quatro quilômetros de extensão, deixou Yeider, um Wayú natural de La Guajira (norte da Colômbia), particularmente impressionado, que também subirá nesta segunda-feira ao ponto mais alto da Península Ibérica , o Mulhacén (3.479 metros).

“Estávamos na Alhambra, é como um castelo, eu achei muito bonito, nunca tinha visto nada parecido, é muito grande, eles têm muitas espécies de plantas que eu nunca vi na Colômbia, “, disse à EFE.

Durante a visita, o colombiano, que está deixando seu país pela primeira vez, aprendeu aspectos da religião muçulmana: “é bom aprender outra religião, porque eu não conhecia essa”.

MAIS OPORTUNIDADES PARA COMUNIDADES INDÍGENAS

E é que este jovem de 18 anos não está acostumado com muitas coisas que ele teve que viver nesta aventura.

“Temos nossos costumes, nossa língua, nossa comida… Me chocou comer tanto pão o tempo todo, mas estou me acostumando”, disse.

Ainda assim, “partilhar com os colegas, conhecer as suas culturas e aprender tudo o que a Espanha tem” pesa mais: “Acho muito agradável partilhar com os organizadores e colegas, viver com eles cada momento trará boas recordações” .

A primeira vez que a Colômbia se apresenta, pede mais oportunidades para as comunidades indígenas.

Seus colegas, vindos de países como Espanha, México, Equador, Chile, Paraguai ou Cuba, perguntam-lhe muito sobre os costumes de sua comunidade.

“Muitos perguntaram-me, expliquei-lhes, algumas coisas lhes pareciam estranhas, mas a ideia é partilhar com eles”, sublinhou.

“Feliz” que seus costumes “estão sendo conhecidos”, ela afirma que as pessoas de sua comunidade, “muito abandonadas na região de La Guajira”, têm oportunidades e projetos “para se destacar e ensinar a cultura internacionalmente”.

“Sinto-me feliz por representar a minha cultura, poucas pessoas o fazem, deixar a Colômbia para representar o seu país é algo muito importante para mim”, sublinhou.

E com esta vontade de dizer ao resto do mundo o que é ser Wayú, mas também com a decisão de aprender com os outros, continua a encarar esta jornada.

“Esses dias foram difíceis para mim porque não estou acostumada a dançar ou nadar, nunca gostei, mas com eles aprendo a compartilhar esses momentos, que ficam como uma lembrança, quando penso na primeira vez que tentei nadar , vou me lembrar da Espanha”, resumiu.

Macarena Soto

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.