A política queima tanto quanto as florestas

Há pouca confiança popular na recuperação da economia, mas ainda menos na capacidade dos políticos atuais de liderá-la

Na Espanha e em toda a Europa, a mesma coisa: o verão escurece o céu com tanto fogo. As perspectivas econômicas estão escurecendo. “Combater a inflação prejudicará um pouco as famílias e as empresas, mas menos do que não fazer nada”, disse Jerome Powell, presidente do Fed, o banco central dos EUA. Os anúncios de recessão são alimentados pela oposição política, que espera que eles tirar algo da crise. Pode haver uma profunda remodelação dos atuais governos, que no caso da Itália será, já em setembro, uma clara involução com a anunciada vitória da extrema direita. Mas não é certo que este seja o caso em todos os lugares.

Há pouca confiança popular na recuperação da economia, muito menos na capacidade dos políticos atuais de liderá-la. Ponha o ouvido na rua e confira. Conversa habitual de verão: tudo está muito ruim e não se exclui que possa piorar. Caso a previsão se concretize, férias antecipadas. E em muitos casos, a crédito.

O governo de Pedro Sánchez, que foi atingido por todos os infortúnios – a pandemia, a nevasca, o vulcão La Palma, a guerra na Ucrânia e tudo o que vier – não o coloca bem na rua. Especialmente a Vice-Presidente Teresa Ribera e as Ministras Irene Montero e Ione Belarra. Mas a oposição também não. O efeito Nuñez Feijóo diminui de intensidade, embora melhore nas sondagens com o vento a seu favor. “Começou muito bem, mas teve um mau mês de agosto”, admite um líder histórico do Partido Popular Galego. Não há semana sem derrapagem, seja econômica, internacional ou mesmo interna, devido a Pablo Casado, seu antecessor. A oposição a medidas para conter os gastos com energia não é popular. A electricidade em França aproxima-se dos mil euros por MWh, ou seja, três vezes a de Espanha e Portugal. Menos risos com a “exceção ibérica” ​​que Sánchez e Antonio Costas lançaram em Bruxelas. A extrema direita do Vox continua sem digerir a bagunça andaluza. Comeram tudo com sua candidata estrela Macarena Olona, ​​que acabou se aposentando da política, supostamente por motivos de saúde – uma desculpa popular – mas acima de tudo “para não falar”. Chega dessa frase. O liberalismo de Ciudadanos ainda está nos cuidados intensivos e os separatistas catalães em um prognóstico reservado. Carles Puigdemont, refugiado em Bruxelas há quase cinco anos, não sabe mais como voltar. É errado sair do local. Sua delegada em terra, Laura Borrás, presidente do Parlamento, temporariamente suspensa pela Justiça, tornou-se o ativo eleitoral mais importante do movimento anti-independência. Embora sempre haja uma centena de pensionistas hiperventilados prontos para aplaudi-la, não é claro que, ao dividir os contratos em favor de uma amiga, ela esteja se escondendo atrás do fato de ser “vítima da repressão do Estado espanhol”; o mesmo estado pelo qual ela recentemente se opôs como professora. Isso não é repressão; Isso se chama suborno.

Já seis meses de guerra na Ucrânia. O relativo progresso militar de Zelensky e a queima arbitrária de gás russo excedente ameaçam derreter o gelo marinho do Ártico. Tudo bobagem. Mas a Europa está mais coerente agora. Um grupo de eurodeputados, liderado pelo espanhol Domènec Ruíz Devesa, reúne-se na ilha italiana de Ventotene, onde o federalista Altiero Spinelli promoveu em 1941 o Manifesto que seria o germe da União Europeia, antídoto à guerra e motor do desenvolvimento económico . Estes deputados federalistas actualizam este texto com a convicção de que a Europa é a única esperança e garantia para o futuro.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.