Eles avisam que na zona sul de Coro existe um caracol gigante africano

Esta espécie de caracol está por toda parte e a inocência das crianças faz com que agarrem e toquem sem saber do perigo que correm. Até o momento, nenhum representante do Meio Ambiente ou do Instituto Nacional de Saúde Agropecuária Global (Insai) esteve presente para verificar e agir.

Coro. As cidades de Siburua e La Negrita ao sul de Falcón são referências turísticas para o Parque Recreativo Meachiche. Visitantes e moradores transformam este espaço natural em uma área de lazer. Hoje está em perigo devido à presença do caracol gigante africano.

A presença de A.fulica mais conhecido como o caracol gigante africano, (CGA), é considerado pelos especialistas como uma praga das plantações e um caracol mortal para os seres humanos

Não se sabe quando este gastrópode começou ou como chegou na área. Alguns dizem que os visitantes os deixavam em cidades próximas e que a umidade e o frio da região os atraíam.

A verdade é que conchas marrons, roxas e creme podem ser vistas nos pátios, jardins das casas e até nas proximidades da escola da população Siburua ao sul da cidade de Coro.

Este caracol é considerado uma praga das culturas. Na foto: Joanne Lopez.

Os caracóis africanos são uma realidade que os falconianos enfrentam.

Até o momento, nenhum representante do meio ambiente ou do Instituto Nacional de Saúde Agropecuária Integral esteve presente (Insai), para verificar e agir.

Este molusco voraz começou a destruir tudo em seu caminho. Estão a apenas 25 quilômetros da capital e a 7,6 quilômetros da barragem El Isiro, a maior da entidade e da qual são abastecidos nada menos que sete municípios.

As plantações de banana, banana, mamão e mandioca foram afetadas por esses moluscos.

María “Candela” Jiménez entrou em contato com a equipe de A Crônica. UMA para divulgar a situação, que, segundo seus cálculos, levou três anos e as autoridades fizeram vista grossa.

Relatamos a situação a vários órgãos do governo e eles nos disseram: enquanto não houver morte, não podemos fazer nada. Essa é a resposta que obtivemos”, disse Jiménez.

A mulher diz: “Estou preocupada com esta situação. Esse caracol matou meus mamoeiros e eles estão por toda a cidade”, disse a mulher que vive fazendo sabonetes e xampus naturais.

A princípio, Jiménez ficou “feliz” com a presença dos caracóis e logo pensou que poderia usá-los para diversificar seus cosméticos, e quando fez exames para saber se eram bons ou não, o resultado a assustou: “São venenoso”. Ele percebeu que é o caracol africano

Os vizinhos têm medo de colher em suas plantações, porque o caracol põe seus ovos na vegetação. “Não sabemos se podemos comer nossas colheitas”, alertam.

Além disso, eles podem se alimentar de papel, lixo, ração concentrada, excrementos e tinta de parede.

Lesma
O caracol africano é intocável porque causa doenças graves em humanos. Na foto: Joanne Lopez.

Dorgelis Romero comentou que as paredes na frente de sua casa acordam todas as manhãs com espécimes presos. “O que eu faço é retirá-los com as mãos”, porque eu não sabia que eles são venenosos e prejudiciais à saúde. Mas você já está avisado do perigo que corre se persistir nessa prática.

Este caracol é considerado voraz. Pode consumir até mais de 500 tipos de plantas, por isso se torna uma praga de muitas culturas.

Na Venezuela, a presença do caracol gigante africano foi relatada pela primeira vez em Caracas em 1997.

A maior área afetada foi a Cordilheira Costeira, seguida pelo setor norte de Los Llanos e a região insular. Também estão disponíveis em: Anzoátegui, Aragua, Carabobo, Delta Amacuro, Capital District, Guárico, Miranda, Monagas, Nueva Esparta, Portuguesa, Zulia, Lara, Sucre e Táchira.

A partir de 2012 houve uma alta incidência deste caracol, apareceu em estados onde não havia sido observado antes, como: Bolívar e Falcón

Nesse sentido, José Riera, coordenador do Centro de Produção Eusebio Bracho da Universidade Politécnica Territorial, Alonso Gamero, informou que o estado de Falcón já havia experimentado uma primeira onda de infestação para o leste da entidade entre os anos de 2017 – 2018 em os municípios de Acosta, San Francisco e Jacura são áreas com ambientes úmidos e vegetação abundante e agora, nas aldeias da paróquia estrangeira Guzmán Guillermo, como Siburua e La Negrita, onde relatam a presença de gastrópodes.

A maneira como o CGA chegou ao leste de Falcón, de acordo com um estudo da Uptag, foi por um caminhão de cevada vindo do centro do país.

Os produtores da região de Eastern Falcon continham a praga e o verão de 2019 registrado durante a pandemia matou quase todos eles, explicou Bracho, que também é veterinário.

Um pequeno surto é conhecido no município de São Francisco e está confinado a certas plantações, disse Bracho.

As crianças os tocavam e brincavam com eles, colocando sua saúde em risco. Vizinhos dizem que há uma febre no bairro.

Nos momentos de descanso, observam-se no solo, em locais húmidos e sombreados, debaixo de pedras, blocos, restos de culturas, arbustos e folhas secas em decomposição, em montes de húmus e em áreas protegidas com vegetação densa.

Doenças produzidas pelo caracol gigante africano

O CGA é o hospedeiro intermediário de vários parasitas, incluindo helmintos (vermes parasitas) que podem causar doenças graves em humanos. É o principal gastrópode responsável pela expansão mundial da A. cantonêsorganismo causador da meningite eosinofílica na Ásia e nas Américas.

Ele também transmite um parasita de pulmão de rato. Estes se infectam ao ingerir as larvas transportadas por certos moluscos como o CGA, causando diarreia, infecções de pele e tecidos moles, bem como bacteremia e septicemia, principalmente em pacientes com doenças hepatobiliares, cânceres, quimioterapia, neutropenia ou outra forma de imunossupressão.

Em 2021, este molusco reapareceu nos jardins e ruas do estado de Táchira. E em setembro deste ano, foi determinado que o aqueduto de São Judas Tadeu há uma proliferação que contamina a água e expõe os habitantes deste município de Táchira a doenças.

lesma
Alimentam-se de papel, lixo e até ração animal concentrada. Na foto: Joanne Lopez.

Francisco Araújo

"Nerd de álcool. Leitor. Especialista em música. Estudante típico. Jogador irritantemente humilde. Especialista em zumbis. Solucionador de problemas sutilmente encantador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *