Feijóo se reúne com empresas e investidores americanos para explicar seu plano econômico

líder da oposição, Alberto Nunez Feijão, realizou esta quarta-feira um encontro privado no Palace Hotel em Madrid com cerca de cinquenta investidores e os principais dirigentes de multinacionais dos Estados Unidos e de outros países. O objetivo principal foi explicar seu projeto econômico, fortalecer o perfil institucional e tecer futuras alianças.

Mais tarde, em público, o popular presidente se apresentou em um almoço durante o qual detalhou suas propostas econômicas para a Espanha e durante o qual também discutiu com os participantes. O anfitrião deste evento foi o Presidente da Câmara Americana de Comércio na Espanha, Jaime Malet.

Este apelo foi seguido, entre outros, por Helen SmithPresidente da HP em Espanha e Portugal; Miguel ÁlavaCEO da Amazon; Simon Amselendiretor de Walt Disney; Irene CanoCEO do Facebook; Joaquin ArenasPresidente do Bank of America; Cláudio BoadaPedra Negra ou Andrés Estebando Morgan Stanley.

Em casa cheia, o bom ambiente caracterizou o almoço com o líder da oposição. Enquanto Pedro SanchezPresidente do Governo, distanciando-se cada vez mais da classe empresarial, os empresários não hesitaram em apoiar Feijóo, prevendo também que ele seria o “próximo Presidente do Governo espanhol”.

Durante sua exposição do púlpito, o popular expandiu a economia, elencando suas principais propostas nessa área. “A economia é o pilar fundamental sobre o qual um país é construído.minhas prioridades são romper com três dinâmicas negativas que temos: inflação, baixo crescimento e dívida pública exorbitante”, sublinhou o líder popular.

propostas econômicas

Para isso, optou por “um pacto energético que combina medidas de redução da fatura de eletricidade e uma reforma do sistema de matriz energética que traga estabilidade e competitividade”.

Recordando as suas principais reivindicações ao Governo, voltou a reiterar algumas medidas como a “Deflação da alíquota do IRPF para renda abaixo de 40.000 euros” ou a “redução do IVA em bens de primeira necessidade”, como produtos de higiene feminina.

Ele também questionou o recente anúncio do Ministério da Fazenda de aumentar os salários dos funcionários públicos em 3,5%. Feijoo perguntou “mais transparência na situação das contas públicas” e se pergunta por que o número escolhido não é maior. Nesse sentido, pediu que seja negociado “um acordo de receitas”.

Já na esfera política, fez apelos contínuos ao quadro institucional, destacando em primeiro lugar as boas relações que a Espanha deve manter com países como os Estados Unidos: “É impensável que ele não seja um aliado estratégico, mas deve ser muito mais, um aliado insubstituível”, defendeu-se.

[Feijóo pide bajar del 10% al 4% el IVA de los productos básicos: carne, pescado, conservas…]

Elogiando as semelhanças entre as duas democracias, o presidente conservador afirmou a importância “de evitar que as autocracias ganhem terreno, sem dar lugar a quem quer acabar com as liberdades”. Acusou também “a tentação populista, uma sombra projetada que prevalece e que nunca é a resposta que os cidadãos precisam”.

Em relação ao seu projeto para a Espanha, pediu o regresso de “uma política credível”, fortalecendo as instituições, para que “seja novamente um parceiro confiável no mundo”. Nesse sentido, lamentou que “isso não ajuda” a divisão do governo em questões como a permanência na OTAN ou o apoio de alguns ministros a “regimes totalitários”.

Diante de uma crise “econômica, social e institucional”, Feijóo defendeu “grande liderança para enfrentar os desafios no horizonte”. Sua proposta, apontou para os aplausos finais da plateia, passa pela constituição “um governo livre de laços radicais, populistas e totalitários”.

Fontes do Partido Popular apontam que esta reunião cristalizou que diante da “dissidência do governo, atores econômicos que antes olhavam com interesse para Sánchez agora estão voltando seu olhar para Feijóo”.

Génova acredita que “se não o vissem tão próximo de Moncloa, instituições como a Câmara de Comércio dos Estados Unidos em Espanha ou os dirigentes das principais multinacionais americanas e de outros países não teriam esse interesse nele”.

Alex Gouveia

"Estudioso devoto da internet. Geek profissional de álcool. Entusiasta de cerveja. Guru da cultura pop. Especialista em TV. Viciado em mídia social irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *