Governo espera que IPC comece a cair dentro de um mês do recorde de julho

O governo tenta enviar uma mensagem de apaziguamento depois que a inflação disparou para 10,8% na Espanha durante o mês de julho, e garante que já trabalha com um cenário de desaceleração dos preços a partir de setembro. Isso foi enfatizado pelo Ministro da Economia e Transformação Digital, Nadia Calviño falando com a mídia de comunicação em Vigo, onde foi ser a arauto do acto de celebração do Dia da Galiza na cidade.

O ministro assegurou que tanto o Banco Central Europeu (BCE) como o Banco de Espanha prevêem que a os preços diminuem no dia seguinte meses, mas afirma que a Moncloa já tomou medidas efetivas para conter a alta dos preços e sustentar a renda familiar. Calviño lamentou a forte alta dos preços energia nos mercados internacionais e outras commodities após a guerra na Ucrânia, que, segundo ela, acelerou o aumento dos preços na Espanha.

“Com Vladimir Putin (Presidente da Rússia), temos de nos preparar para o pior e é isso que estamos a fazer, adotando com os nossos parceiros europeus um conjunto de medidas eficazes para amortecer o possível impacto das suas decisões”, afirmou o vice-presidente. primeiro do executivo de Pedro Sánchez. Tudo isto depois de o INE ter confirmado esta sexta-feira que o índice de preços no consumidor caiu 0,3% em julho face ao mês anterior, embora a sua taxa homóloga tenha subido para 10,8 pontos percentuais. , o seu nível mais elevado desde setembro de 1984 e seis décimos acima que registrou em junho.

Relativamente ao projecto de gasoduto proposto pela Alemanha que cruzaria Espanha e Portugal para abastecer o resto da Europa, Calviño congratula-se com esta iniciativa e defende que a Espanha deve ser generosa com o resto da Europa.Devemos ser solidários com esses países que estão atualmente mais expostos à guerra, que são mais vulneráveis antes das decisões que Putin pode assumir o negócio do gás”, continuou ele.

O primeiro vice-presidente considerou que Espanha está numa boa posição porque “felizmente” há diversificação da oferta, tendo, como disse, quase um terço da capacidade de regaseificação e, portanto, de armazenamento de gás, e por isso a vontade de se tornar um centro logístico que possa fornecer gás ao resto da Europa. Mas, disse Calviño, “para isso devemos fortalecer as interligações, também elétricas, tanto com a França como com a Itália, e por isso o governo congratula-se com as iniciativas que devem ser abordado por toda a UE melhorar a autonomia estratégica da UE como um todo neste complexo contexto internacional”. Sobre o financiamento e a possibilidade de utilização de fundos europeus, disse que “veremos qual é a forma de financiamento mais adequada, mas é claro que são infra-estruturas que beneficiam toda a UE e, portanto, devem ser financiadas pela UE”.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.