Os fiéis na Venezuela celebram a memória do Beato José Gregorio Hernández, o “médico dos pobres”

Na Venezuela, celebram-se missas no dia litúrgico do Beato José Gregorio Hernández, que dedicou sua vida ao serviço dos doentes e dos mais necessitados. Esta é a segunda festa desde sua beatificação em 30 de abril de 2021.

“Hoje celebramos a segunda festa litúrgica do nosso Beato José Gregorio Hernández, um ser que em sua vida se mostrou ao serviço dos mais necessitados”, escreveu no Twitter da Arquidiocese de Caracas.

A Igreja Católica escolheu esta data para celebrar o nascimento do beato há 158 anos, em Isnotú, estado de Trujillo, Venezuela.

Nesta quarta-feira, as missas, que começaram às 8h, seguem até o final da tarde.

“Hoje, festa litúrgica de José Gregorio Hernández, recomendamos o país e a Igreja à sua intercessão. , de Roma.

Anteriormente, uma relíquia de José Gregorio visitou o Hospital Dr. Miguel Oraá em Guanare, estado Portuguesa, informou a Conferência Episcopal de Caracas.

“A relíquia percorreu os campos da Psiquiatria, Ginecologia e Obstetrícia, Neonatologia, Pediatria, Emergência Adulto, Unidade de Diálise e numa oração comum pediram a saúde de todos os doentes”, refere um comunicado.

Uma procissão também ocorreu no estado de Trujillo.

“Hoje é o aniversário do nosso querido Beato José Gregorio Hernández. Obrigado por cuidar de uma vocação tão profunda pela saúde dos venezuelanos e por ajudar desinteressadamente a quem mais precisa. Nossas orações o acompanham para que em breve você seja canonizado ” escreveu um fiel na rede social.

“À frente do seu tempo”

A cerimônia de beatificação ocorreu em 30 de abril do ano passado. Foi um caminho que durou 71 anos, até que em junho de 2020, o Papa Francisco autorizou dar-lhe o título de “bem-aventurado”, completando assim o terceiro passo para uma possível canonização.

O bem-aventurado é considerado por seus biógrafos à frente de seu tempo. Por três vezes tentou ser ordenado sacerdote, mas as comunidades acadêmica e religiosa lhe pediram que permanecesse nas salas de aula para ensinar seus conhecimentos médicos, e a admiração do mundo científico era tal que um boticário reteve 700 receitas médicas escritas por Hernández.

A vida abençoada, reconhecida pelo Vaticano como “virtuosa e exemplar”, tornou José Gregorio Hernández popular e reverenciado antes e depois de ser atropelado na esquina dos Amadores, em Caracas.

“Já se passaram 100 anos desde a sua morte e não se extinguiu, mas, pelo contrário, o fervor das pessoas por José Gregorio aumentou. É um caso único. É o homem mais popular”, explica o padre jesuíta Francisco Javier Duplá . , autor do livro “Seu nome era José Gregorio”.

Segundo Duplá, José Gregorio rompeu com a crença, enraizada em seu tempo, de que ciência e religião estavam divorciadas. Sua maneira de avaliar os doentes lhe rendeu a estima não só dos desfavorecidos, mas também de figuras no poder, como o ex-presidente Juan Vicente Gómez, que era médico de família.

“Ele se aproximou do paciente, olhou-o nos olhos, colocou a mão sobre ele e diagnosticou. Ele teve uma espécie de intuição psicológica através de sua experiência”, escreve o padre.

Conecte-se com a Voz da América! Inscreva-se em nosso canal YouTube e ative as notificações, ou siga-nos nas redes sociais: Facebook, Twitter e Instagram.

Francisco Araújo

"Nerd de álcool. Leitor. Especialista em música. Estudante típico. Jogador irritantemente humilde. Especialista em zumbis. Solucionador de problemas sutilmente encantador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *