The West Wind vem em socorro de Elcano a tempo

A mudança foi feita, mas no final o vento oeste veio em socorro de Juan Sebastián de Elcano a tempo e seu navio.

Uma semana que parecia interminável ficou o navio Vitória afundou nas águas do Atlântico Norte. Depois de conseguir atravessar o arquipélago dos Açores de sul a norte sem ser avistado pela Marinha Portuguesa, o navio de Elcano manteve o seu rumo para norte durante vários dias até chegar ao paralelo 42. Aí virou esperado encontrar o vento de oeste tão comum nesta zona de do planeta e nesta época do ano e depois seguir para sudeste em direção à Península Ibérica. Mas vento, nada. Encontraram apenas um anticiclone, o dos Açores, que acabou consumindo a pouca energia que restava à tripulação.



Hoje, 29 de agosto de 1522, a Vitória novamente cruza as águas do Atlântico. Está assim há quatro dias, desde que o vento voltou e ele conseguiu encher as velas. Com o oeste como aliado e com as 27 toneladas de especiarias intactas nos porões, o navio espanhol já desceu à latitude 39, mas ainda não desceu. Elcano é claro: a volta ao mundo terminará primeiro em Sanlúcar de Barrameda e depois em Sevilhaque, segundo os seus cálculos, pode demorar entre uma semana e dez dias se não surgirem novos problemas e, sobretudo, se um barco completamente dilapidado, com várias fugas no casco e nos mastros, continuar a aguentar-se bastante danificado.

Mas Para chegar à costa andaluza, você deve primeiro atravessar o Cabo de San Vicente, o ponto mais ocidental da Península Ibérica e, portanto, de Portugal. E este é o novo objetivo perseguido hoje pela Vitória.

A embarcação espanhola está a navegar bastante longe da costa portuguesa e, portanto, ainda não viu terra. Mas Elcano sabe que Lisboa, Sagres ou Faro são enclaves que terão de passar nos próximos dias e de onde uma frota inimiga pode facilmente partir a qualquer momento. No entanto, o perigo de ser descoberto pelos portugueses está agora mais latente do que nunca. Portanto, o chefe de Vitória Ele ordenou que os vigias fossem mais vigilantes para evitar serem descobertos, pois eles chegam tão perto de completar com sucesso esta missão no Spicery.

Mas o de estar atento do alto dos mastros com os olhos voltados para o horizonte é algo muito fácil de dizer, mas muito difícil de realizar quando o corpo humano está com tanta fome, tanta sede e tão exausto. Impotentes, praticamente insanos, os vigias do Vitória eles estão fazendo o que podem, e isso já é muito nas circunstâncias atuais.

A situação a bordo é tão grave que toda a tripulação está ciente de que o risco de mais mortes permanece evidente. Já está provado que os abastecimentos obtidos em Cabo Verde acabaram por ser determinantes para que o navio espanhol chegasse onde está agora. E se há apenas uma morte a lamentar desde que fugiram do arquipélago português há quase 50 dias, é sem dúvida graças à comida e bebida que conseguiram. Mas o retorno da escassez, fome e sede empurrou muitos tripulantes viu como a saúde deles piorou ainda mais mais do que notavelmente.

Os 18 espanhóis a bordo têm apenas uma esperança: estão a poucos dias de se tornarem os primeiros homens a circunavegar o globo. E o sonho de realizar essa façanha, que não está ao alcance de todos, lhe dá novas energias.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.