A história do coração de Pedro I e por que sua transferência para o Brasil está causando polêmica

Antonio Leitão da Silva, comandante da Polícia Municipal do Porto, carrega o caixão com o coração de Pedro I na Base Aérea de Brasília, Brasil, 22 de agosto de 2022.

Imagens Getty

O coração de Pedro I foi recebido com honras militares nesta segunda-feira em Brasília.

Um coração em repouso preservado em uma jarra cheia de formaldeído viajou em um avião militar de Portugal para o Brasil na segunda-feira.É sobreo coração do imperador Pedro I do Brasil,monarca de personalidade “explosiva” que marcou a construção histórica, política e territorial do País. O órgão, protegido em urna dourada, foi recebido nesta segunda-feira com honras militares na base aérea de Brasília e, a partir de quinta-feira, será exposto publicamente no Ministério das Relações Exteriores do Brasil. No dia 8 de setembro, dia seguinte à celebração da independência do Brasil, voará para a cidade portuguesa do Porto, cujo prefeito, Rui Moreira, acompanhou a delegação que transportou o coração do monarca. “Recebemos o coração de um chefe de estado, será tratado como seDom Pedro ainda vivia entre nós“, disse o chefe do protocolo do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, Alan Coelho de Séllos. Pedro I foi o rei que desafiou os ideais de poder absoluto da monarquia portuguesa, enquanto reina despoticamente e violentamente na colônia.E é que no século XIX, o Brasil ainda era colônia de Portugal, embora as coisas mudariam drasticamente com ele.

Pedro I

Arquivo Histórico Universal

Portugal já era um império colonial decadente quando a família real fugiu para o Brasil: havia perdido o poder marítimo séculos antes e sofria de problemas políticos e econômicos.

SolPedro nasceu em 1798 na família real portuguesada casa de Bragança, que na época também governava o Brasil. A família fugiu para a então colônia portuguesa para fugir da exército invasorFrancêspor Napoleão Bonaparteque ficava perto de Lisboa.

apedrejado ao sair

O roubo organizado pelo então monarca português João VI, pai de Pedro I, foi caótico. parte da comitiva foi apedrejada pela população a caminho do porto. O importante episódio da história brasileira que é a chegada da família real em 1808 também representa uma situação inédita na história da Europa: pela primeira vez um rei do continente andou no “Novo Mundo”.Príncipe Pedro eu tinha 9 anos ao chegar ao Brasil.

Embarque da família real portuguesa no Brasil em pintura atribuída a Nicolas-Louis-Albert Delerive

Museu Nacional do Automóvel

Embarque da família real portuguesa no Brasil em pintura atribuída a Nicolas-Louis-Albert Delerive.

paixão pela música

Ele se destacou na adolescência por cultivar atividades físicas, valorizar o trabalho manual e por sua paixão pela música.aprendeu vários instrumentos como flauta, violino e fagote. E, embora muitas vezes seja retratado como um imperador pouco sofisticado, Pedro I se tornaria um compositor erudito. Na verdade, ele é o único composto a melodia do hino da independência do Brasilpalavras do poeta e político brasileiro Evaristo da Veiga. Sua juventude passada no Rio de Janeiro imperial forjou sua imagem impulsiva e trouxe fortes emoções.O então príncipe sofreu vários acidentes enquanto dirigia carros de alta velocidade que lhe causaram ferimentos e fraturas nas costelas.Por outro lado, ele se tornou um excelente piloto. crises epilépticas que duraria uma vida inteira.

O Coração de Pedro I

MACACO

O coração de Pedro I foi exposto na Sala Nobre da Irmandade da Lapa, no Porto.


Uma transferência polêmica

Análise de Nathalia Passarinho, BBC BrasilA chegada do coração de Pedro I ao Brasil gerou polêmica devido à data escolhida e ao contexto eleitoral. Críticos do presidente do país, Jair Bolsonaro, dizem que ele está fazendo uso político da exibição do órgão em um momento de protestos em todo o Brasil em 7 de setembro em apoio ao governo. Os eventos do Dia da Independência devem ser carregados de ataques aos juízes da Suprema Corte e ao sistema eleitoral. Alguns pesquisadores também questionaram a finalidade da chegada do coração neste momento e criticam o fato de o órgão ter sido transportado para passar alguns dias no Brasil, sem a organização de um programa educativo que contextualize sua exposição. Bolsonaro é candidato à reeleição e as pesquisas o colocam atrás do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. presidente tem questionado o processo eleitoral brasileiro e há temores de que ele não reconheça o resultado das eleições, cujo primeiro turno é em 2 de outubro, se perder.


Pintura de Jean-Baptiste Debret que reflete o casamento de Pedro I com Amélia de Leuchtenberg

Arquivo Histórico Universal

Pintura de Jean-Baptiste Debret que reflete o casamento de Pedro I com Amélia de Leuchtenberg

Registros históricos falam de Pedro I tendo uma “experiência indisciplinada” e Longe de assuntos políticos e administrativos até os 19 anos.No entanto, tudo indica que as novas ideias que provocaram mudanças dramáticas na Europa e nos Estados Unidos já estavam fermentando na mente do jovem monarca. Esta é a faceta de Pedro “o liberal”, ou seja, contra a velha ordem absolutista.Os acontecimentos se precipitaram no Brasil quando seu pai, João VI, retornou a Portugal em 1821 e deixou o Brasil de 22 anos no poder como regente.Apenas um ano após sua partida, o jovem regente desafiou o parlamento português, que queria manter o Brasil como colôniae rejeitou os pedidos de regresso ao seu país de origem.Em 7 de setembro de 1822, ele publicou a Declaração de Independência. do Brasil e logo depois foi coroado imperador.

Pintura de François-René Moreaux representando a proclamação da independência do Brasil

biblioteca Nacional

O Brasil conquistou sua independência em 7 de setembro de 1822.

Anos mais tarde, regressa a Portugal para lutar pelo o direito de sua filha de ascender ao trono português e morreu aos 35 anos de tuberculose. Em seu leito de morte, o monarca Ele pediu que seu coração fosse removido de seu corpo. e vão levá-la para a cidade do Porto, onde permanece conservada num dos altares da Igreja de Nossa Senhora da Lapa.O coração voltará a Portugalapenas um dia após a data que marca a independência do Brasil. “Muitos historiadores e outros estudiosos do Brasil têm criticado muito estranhas mostrar trazer de volta o coração ao Brasil para as comemorações da independência”, diz a jornalista da BBC Brasil Camilla Mota. “Mas Bolsonaro e o populismo de direita que o elegeu em 2018 têm essa característica de melhorar os símbolos nacionais, promover o patriotismo e o nacionalismoe é assim que entra na equação o período da monarquia, mesmo que o Brasil seja uma república desde 1889”, acrescenta.

Abdicação de D. Pedro I em quadro de Aurélio de Figueiredo

biblioteca Nacional

Abdicação de D. Pedro I em quadro de Aurélio de Figueiredo

Esta não é a primeira vez que uma parte os restos mortais de Pedro I viajam.Seu corpo foi transferido para o Brasil em 1972 para comemorar os 150 anos da independência e está guardado em uma cripta em São Paulo.


Lembre-se dissovocê pode receber notificações da BBC World. Baixe a nova versão do nosso aplicativo e ative-o para não perder nosso melhor conteúdo. https://www.youtube.com/watch?v=C0ydVmP8DCU

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *