A união de Espanha e Portugal é viável? Iberismo renasce apoiado pela pandemia

o iberismo continua vivo. A doutrina que defende a união ou a relação sociopolítica particular entre Espanha e Portugal para a construção de um Estado ibérico parece renascer devido à pandemia.

A crise económica e social derivada do coronavírus fez com que agora sejam mais numerosos os que exigem uma entidade supranacional que – no quadro da União Europeia – utilize a união dos dois países como alavanca de desenvolvimento mútuo.

O próprio autarca do Porto, Rui Moreira, é um fiel seguidor desta ideia. E é por isso que há pouco mais de um ano, ele se propôs a avançar com essa integração e criar um “Iberolux”, em referência ao modelo Benelux (composto por Bélgica, Holanda e Luxemburgo). Um caminho percorrido hoje pelos cidadãos e empresas de Linhabem como associações socioculturais, como o Sociedade Ibérica.

Seu coordenador geral, Adrian Gebeadmite ao EL ESPAÑOL que a unificação é atualmente “inalcançável” e que é uma abordagem de “muito longo prazo”, por isso, por enquanto, eles se contentam em “melhorar as relações institucionais” entre Espanha e Portugal: “Temos um país ao lado do qual dificilmente prestamos atenção a isso, porque sempre olhamos para a Alemanha ou a França; Portugal parece ser o pobre irmão”.

A Sociedade Iberista apela a uma aliança estratégica entre Espanha e Portugal, semelhante às que existem no contexto europeu entre os países da Beneluxos do Conselho Nórdico, Visegrad ou, bilateralmente, o Conselho de Ministros conjunto franco-alemão.

Sua principal proposta conforme informado em seu site, consiste em “configurar uma aliança estratégica entre Portugal e Espanha no quadro da União Europeia que permita a concretização de propostas de integração”. E para isso propõem começar por coisas simples, como “eliminar todas as assimetrias informacionais, educativas, político-administrativas, culturais e sociais na Península Ibérica”.

“Um exemplo que pode parecer bobo, mas paradigmático é que na seção meteorológica do noticiário da televisão, não falamos de Portugal, embora compartilhemos uma península”, explica Gebé.

“programa duplo”

eurodeputado socialista Nacho Sanchez gosta É um grande conhecedor de Portugal e das relações diplomáticas com Espanha. E também um forte defensor de uma “agenda bilateral” ambiciosa em termos de “comunicação e integração”, mas que evita o termo “Iberianismo” porque tem conotações pejorativas em Portugal: “Lá eles entendem como uma anexação em que Espanha ganha” .

O eurodeputado socialista Nacho Sánchez Amor.

E é que, como explica Sánchez Amor, Portugal é um país “formado como nação no velho medo do poder castelhano”, de modo que “muitas gerações de portugueses desconfiaram do poder espanhol”: “Muda muito com o entrada na União Europeia, embora não tenha desaparecido completamente.”

É por isso que ele prefere falar de um “hispano-português peninsular” em referência a uma agenda comum para a resolução de conflitos. “Estamos diante de um momento histórico na relação entre os países que deve produzir mais resultados, mas falta ambição”, lamentou.

Mas para além das relações diplomáticas, a pandemia também mostrou que “escalas tão ambiciosas como a da Europa começam a enfraquecer e que é necessária uma estratégia global”: “A pandemia reforçou a ideia de que deve transcender a pequenez do Estado para ir grandes espaços capazes, com densidade e capacidade política para enfrentar novos desafios”.

História do Iberianismo

Diz-se que o Iberianismo, inspirado nos movimentos de unificação surgidos na Alemanha e na Itália, viveu o seu apogeu sonhador durante a segunda metade do século XIX e a primeira metade do século XX. Autores como Unamuno, Pessoa ou Saramago, cada um à sua maneira, dão conta disso.

Como explica o historiador César RinaO iberismo nasceu no século XIX como “um projeto de união peninsular” no quadro das “revoluções liberais burguesas com a irrupção do modelo nacional como modo de administração do território, legitimidade e afetos”.

“Os liberais do século XIX acreditavam que havia despontado uma nova era em que o mapa europeu poderia ser rearranjado de acordo com parâmetros culturais e não lutas dinásticas. Na Península, o Iberianismo fracassou, mas na Itália ou na Alemanha, o processo de unificação sim ele triunfou”, diz Rina.

Talvez o momento mais crítico do movimento tenha sido a mandato revolucionário de seis anosentre 1868 e 1874. É o que confirma este professor de História Contemporânea da Universidade da Extremadura, que nos assegura que “em busca de um novo rei, vieram oferecer a coroa a Fernando de Coburgopai do Rei de Portugal, com a intenção de que com a sua morte os dois países fossem integrados no mesmo Estado”.

Consequentemente, no século XX, o Iberianismo retrocedeu porque os seus postulados “choram com o imaginário dos espanhóis e dos portugueses, já plenamente consolidado e sustentado pelo mito das costas opostas, que fala mais de um processo recente do que de um desinteresse histórico”.

Por tudo isto, César Rina considera que o Iberianismo entendido como a criação de um Estado comum “não tem rumo”, mas considera-o “fundamental” como “um elemento de integração cultural, de aproximação e interesse mútuo, de criação de projectos conjuntos sobre uma escala peninsular, para criar quadros para o fortalecimento da Europa”.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.