Como uma tartaruga inofensiva se tornou uma ameaça: “Aviso! Aquatic Invasives chega a Múrcia

MÚRCIA. o florida galápagos Eles estiveram presentes em muitas casas de Múrcia como animais de estimação aparentemente inofensivos que foram alojados em pequenos aquários com palmeiras incluídas. Mas quando cresceram, mais de um deles só conseguia pensar em soltar esses onívoros vorazes no rio mais próximo, pensando que isso lhes daria liberdade (e tiraria o problema). Eles nunca imaginaram que essas simpáticas tartarugas acabariam se tornando uma espécie invasora que, junto com outras espécies, ameaça o meio ambiente dos rios, com efeitos na economia e na saúde.

Tome cuidado! invasores aquáticos é o título da exposição informativa criada pelo Museu Nacional de Ciências Naturais (MNCN-CSIC) e enquadrado no âmbito do projecto ‘Vida Invasqua’, que chegou a Múrcia sob a coordenação do Universidade de Múrcia. O projeto, que visa mostrar a ameaça representada por espécies exóticas invasoras à vida fluvial, pode ser visita até o final de janeiro na Centro de Visitantes Contraparada (sábados, domingos e feriados das 9h30 às 14h)

A exposição, composta por dez painéis, faz parte das ações de divulgação e divulgação científica do projeto Life Invasqua, que mostra a ameaça que as espécies exóticas invasoras representam para a flora e fauna nativas da Península Ibérica e os problemas socioeconómicos e sanitários que representam. Também explica o que todos podem fazer para evitar o aparecimento de novas espécies invasoras no ambiente natural.

Quatro dessas espécies se destacam na exposição, algumas das quais são bem conhecidas: o tartaruga da Flórida, uma tartaruga que há anos é comercializada como animal de estimação; a lagostim americano, introduzido em nosso país para consumo humano; vago tentada, que foi introduzido pela primeira vez como um peixe ornamental em lagoas. Existem também outros mais desconhecidos, como o camalote ou aguapéuma planta aquática introduzida para decoração.

Esta atividade insere-se no projeto Life Invasqua, financiado pelo programa Life, e visa apoiar a comunicação, formação e divulgação de informação sobre espécies exóticas invasoras aquáticas em Espanha e Portugal. A exposição é coordenada pela Universidade de Múrcia com a participação de 8 parceiros e com o apoio da Fundação Biodiversidade e do Governo de Navarra: EFEverde (Agência EFE), IUCN-Med, Museu Nacional de Ciências Naturais- Conselho Superior de investigação científica , Sociedade Ibérica de Ictiologia (SIBIC), Universidade de Navarra, Universidade de Santiago de Compostela, Universidade de Évora e Associação Portuguesa de Educação Ambiental (ASPEA).

Pode ser visitado no centro de visitantes La Contraparada, administrado pela Departamento de Planejamento Urbano e Transição Ecológica de Múrciaque possui uma sala de exposições temporárias e é complementada por uma exposição permanente sobre a área de La Contraparada, o rio Segura e o Pomar de Múrcia.

Francisco Araújo

"Nerd de álcool. Leitor. Especialista em música. Estudante típico. Jogador irritantemente humilde. Especialista em zumbis. Solucionador de problemas sutilmente encantador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *