Conseguem apagar vários incêndios, enquanto a prevenção promete ser reforçada | Política

Continuam os trabalhos para extinguir as chamas em várias comunidades afectadas pela recente vaga de incêndios, que parecem já estar a terminar com vários dos mais danosos – como o de Folgoso do Courel (Lugo) – finalmente extintos, enquanto os lançado para fortalecer a prevenção e perseguição aos autores dos incêndios.

Esta quinta-feira, a Xunta de Galicia declarou extinto o grande incêndio de Folgoso do Courel e A Pobra do Brollón (Lugo), que ontem foi considerado controlado depois de queimar um total de mais de 11.100 hectares e que foi o incêndio de floresta o mais prejudicial da onda de incêndios que devastou cerca de 30.000 hectares na Galiza.

As tropas continuam a trabalhar para extinguir as chamas de outros quatro incêndios na serra galega, embora dois deles – Carballeda de Valdeorras (Ourense) e O Saviñao (Lugo) – já tenham sido controlados, e um novo incêndio foi declarado na quarta-feira tarde em Castrelo de Minho (Ourense), o que provocou o despejo de alguns vizinhos.

Entretanto, a situação em Zamora está a melhorar, onde um incêndio florestal declarado esta quarta-feira na fronteira com Portugal permanece em nível de perigo mínimo.

Castilla y León, uma das comunidades mais atingidas pelas chamas, anunciou um plano de cinco milhões de euros para contratar trabalhadores desempregados para limpar as montanhas de Zamora, uma medida criticada pela ministra da Defesa Margarita Robles. “evento de última hora” de um governo que “não fez o dever de casa” para evitar os incêndios.

O ministro se orgulhava do trabalho realizado pela UME, mas enfatizou que ele existe quando os incêndios acontecem.

A evolução também é favorável na Andaluzia, onde o incêndio declarado segunda-feira em Pinos Puente (Granada) foi considerado extinto esta quinta-feira, enquanto outro incêndio registrado em Espiel (Córdoba), que devastou cerca de 190 hectares, já está controlado, ou seja que há um perímetro sem vegetação ou com vegetação já queimada e, portanto, as chamas não podem se espalhar.

Da mesma forma, o incêndio florestal que mais preocupou o governo de Castilla-La Mancha nos últimos dias foi considerado extinto: o incêndio de Malagón (Ciudad Real), que afetou cerca de 3.000 hectares e que poderia ter origem em uma fazenda de gado próxima, assegurou o conselheiro para o desenvolvimento sustentável desta comunidade, José Luis Escudero.

Em Navarra, na noite de quarta-feira, os bombeiros retiraram-se da zona afectada pelas chamas no município de Carcastillo devido a um incêndio que teria sido intencional mas que já foi extinto.

No entanto, a Agência Meteorológica Nacional de Navarra alerta que o risco de incêndios para esta quinta-feira continua “muito elevado na maior parte do território”.

Enquanto isso, em La Rioja, a Guarda Civil investiga um morador de Alfaro, de 36 anos, com extensa ficha criminal como suposto autor do incêndio florestal no monte Yerga, cujas chamas destruíram cerca de 104 hectares de pastagens, matagais e árvores. reassentamento.

FORTALECENDO A PERSEGUIÇÃO

Após esta onda de incêndios, que colocou a Espanha como o país europeu com a maior área florestal queimada este ano, o novo procurador-geral do Estado, Álvaro García Ortiz – que foi o vice-procurador do meio ambiente na Galiza e coordenador especial de incêndios -, prometeu ao Congresso fortalecer medidas preventivas e a perseguição dos autores de incêndios florestais intencionais.

Por seu lado, várias organizações ambientais denunciaram em nota de imprensa a “negligência” ocorrida este verão, como a de 20 de julho, quando uma empresa florestal iniciou um incêndio fazendo furos com maquinaria pesada em Ateca (Zaragoza), um incêndio que queimou mais de 14.000 hectares.

Os ativistas lembraram que de 96% dos incêndios anuais (entre 11.600 e 12.000 em média), 43% são atribuídos a negligência, em particular ao trabalho florestal.

Assim, as entidades -entre as quais Ecologistas em Ação, o coletivo Arriba las Ramas e várias plataformas locais- pediram explicações ao governo sobre as razões pelas quais são concedidas licenças para realizar trabalhos florestais em períodos de calor máximo e exigiram o desenvolvimento de leis autônomas que regulam e proíbem essas tarefas.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *