“O projeto Midcat não será fácil nem rápido”

“A construção do Midcat é uma solução parcial e de médio prazo extremamente complexa”, como expressou o ministro da Economia e Hisenda, Jaume Giró. Em um comunicado de imprensa neste sábado às telenotificações da TV3, o ministro destacou que o projeto não será uma solução “fácil ou rápida”. porque vai depender da ajuda da União Européia e da aprovação de Elisio. Giró reiterou o apoio do governo ao projeto, mas ressaltou que “como em todas as áreas da economia e da política, é preciso fazer uma abordagem realista do tema”. A este respeito, lembrou que terá capacidade limitada em comparação com o consumo europeu, já que enviaria 8 BCM (milhões de metros cúbicos) por ano quando o consumo do Velho Continente está em torno de 489 BCM. Segundo o ministro, é necessário que a UE considerará o Midcat como um projeto estratégico prioridade para avançar, o que não está claro para ele porque a França produz 70% de sua eletricidade com energia nuclear. “Sem dúvida, é um projeto positivo”, disse.

pedir calma

Giro assegurou que se a ligação de gás entre Portugal, Espanha e França for construída e entrar em serviço para transportar o gás argelino para o Norte da Europa “será magnífico”. No entanto, ele pediu “pé no chão” e estar ciente de que o projeto é extremamente complexo. “A França deve adaptar completamente a sua infraestrutura de gasodutos para poder transportar este gás”, detalhou, lembrando que a França quase não utiliza gás para produzir eletricidade. O governo estimou que em um período de oito ou nove meses o Midcat poderia estar operacional na zona sul, neste sentido Giró foi contrário e assegurou que “nenhuma não é realista nem responsável dizer que em 8 ou 9 meses a seção estará concluída”, assegurando que neste momento a seção da península ainda não estará terminada.

Ambientalistas em ação contra o gasoduto

Ecologistas em Ação disseram que é “inaceitável” que os governos catalão e espanhol estejam considerando reviver o gasoduto Midcat. Em comunicado, a organização ambiental garantiu que o projeto abandonado terá “um forte impacto territorial” e não há certeza “de que ela será processada pelo lado francês”. A solução para a atual crise do gás, para a entidade, deve focar na transição para um modelo energético resiliente. “Reduzir o consumo é essencial, em vez de aprofundar a dependência de combustíveis fósseis com mais infraestrutura de gás”, repetem. A entidade mostrou sua recusa em reviver o projeto e investir bilhões em infraestrutura fóssil em qualquer lugar “apostando em um transição energética urgente para um modelo renovável e democrático“. Nesse sentido, a organização destaca que a Alemanha é um dos países com mais emissões per capita na esfera global e europeia que “deve enfrentar sua particular crise energética, fazendo grandes mudanças em seu modelo de produção e consumo, até que consegue a descarbonização e deixa de impor medidas ao resto dos países europeus em benefício próprio.” Quanto ao prazo de construção estimado pelo governo, também criticam que “são irrealistas ou levarão a um aumento substancial dos custos”.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.