Portugal x Gana e a última chance de Cristiano

Os portugueses Pepe (E), Cristiano Ronaldo (C) e João Félix (2-D) assistem a um treino na véspera do jogo de futebol.

ECE

Tudo o que acontece na seleção portuguesa no Catar 2022 gira em torno de Cristiano Ronaldo, diante de sua última chance, de sua última conquista marcante, de seu último Mundial, o quinto da carreira, que começa nesta quinta-feira contra Gana, em meio à turbulência que causa a cada declaração, cada gesto, cada momento do craque português na recta final da sua carreira, agora definitivamente separado do Manchester United e focado no único título que faltava à sua extraordinária carreira.

Resolvido o hieróglifo que propôs o seu futuro, numa situação insustentável no clube britânico, decidiu desde o verão passado forçar a saída da equipa inglesa que agora provocou com algumas declarações ao ‘Talk TV’ e na pendência do feitiço que trará o Beyond No próximo dia 18 de dezembro (se chegar à final) ou antes, dependendo do seu grau de avanço como líder de uma geração de altíssimo nível, ele agora se concentra única e absolutamente na última façanha que Cristiano tem reservado.

Orgulhoso de tudo o que conquistou não significa que esteja satisfeito. Ganhou tudo, inclusive cinco Ligas dos Campeões, uma Copa da Europa em 2016 e cinco Bolas de Ouro, exceto a Copa do Mundo, torneio que tudo engrandece, que seu time também nunca conquistou, inclusive a melhor posição remonta ao terceiro lugar em Inglaterra 1966. Foi quarto na Alemanha em 2006, quando Cristiano começou uma aventura na Copa do Mundo aos 21 anos que agora o leva ao leste.

Ele havia feito sua estreia internacional três anos antes para se tornar uma lenda por qualquer padrão, por suas 191 partidas, 178 como titular e seus 117 gols, mais do que qualquer um na história da seleção nacional, mesmo que tenha marcado apenas dois gols. em seus últimos nove jogos como internacional. No seu clube, o United, também não é tão goleador como no passado: apenas três golos em 16 jogos com Erik Ten Hag, com quem nunca teve contacto.

O recordista, que já entrou para a história tantas vezes, tem outro pela frente no Catar 2022: ninguém marcou em cinco Mundiais consecutivos. Em nenhuma das 22 edições, incluindo a atual, ninguém o fez nem posso fazê-lo, para além dele, autor de sete golos no torneio dos torneios; três para a Espanha e um para Marrocos, Irão, Coreia do Norte e Gana, precisamente o seu adversário esta quinta-feira no estádio 974, no leste de Doha.

Ele disputou 17 jogos na competição, com seis vitórias, seis empates e cinco derrotas, esperando quebrar os limites de Portugal com um grupo impressionante de jogadores, como Bernardo Silva, Bruno Fernandes, Danilo Pereira, Rafael Leão, William Carvalho, Otavio, Ruben Dias, João Cancelo…

E João Félix, cujo futuro também se discute, relegou ao cargo de suplente no Atlético de Madrid com Diego Simeone, justificado durante o último amigável de Portugal por 4-0 frente à Nigéria e talvez durante o onze frente ao Gana.

Portugal já venceu o Brasil 2014 por 2-1 a este rival, com quem agora se encontra no Qatar 2022, um Gana pronto para a quarta participação, com o regresso ao torneio após oito anos de ausência, pois não qualificar. para a Rússia 2018; com as quartas de final de 2010 como marco a ser batido e com a estreia de Iñaki Williams na competição. O atacante do Athletic faz sua estreia nesta quinta-feira.


Se você deseja obter mais informações, pode se inscrever em nossos canais oficiais:

Você também pode nos visitar em Facebook | Twitter | Instagram

Alex Gouveia

"Estudioso devoto da internet. Geek profissional de álcool. Entusiasta de cerveja. Guru da cultura pop. Especialista em TV. Viciado em mídia social irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *