▷ Mulheres que resistem: Sobrevivendo a uma Venezuela em crise #10Nov

trabalho de www.ipysvenezuela.org

O relatório “Mulheres que resistem: sobrevivendo a uma Venezuela em criserealizado pela Rede de Mulheres para a Construção da Paz resume a situação das mulheres venezuelanas em questões como saúde sexual e reprodutiva, estereótipos de gênero, violência de gênero, participação das mulheres na política e acesso à educação. O relatório é resultado de uma pesquisa com 936 mulheres nos estados Anzoátegui, Barinas, Bolívar, Carabobo, Delta Amacuro, Capital District, Lara, Mérida, Portuguesa, Sucre, Táchira, Yaracuy e Zulia. Alguns pontos importantes são destacados abaixo:

  • A questão da saúde sexual e reprodutiva é o maior problema enfrentado pelas mulheres venezuelanas. 26,6% dos consultados indicaram fazer uso de anticoncepcionais, enquanto o restante percentual disse que não respondeu ou não respondeu, sugerindo que mais de 70% delas não podem planejar sua gravidez. Além disso, o 40% das entrevistadas disseram que não têm acesso a produtos de controle menstrual.
  • Mesmo se ele 70% dos consultados disseram ter recebido algum tipo de educação sexual em casa ou na escola, por meio de conhecidos ou parentes, no país não há um único programa governamental voltado para a promoção da educação sexual integral.
  • O estudo Women Peacebuilders Network determinou que os esforços do Estado venezuelano contra a violência de gênero são insuficientes. 21% dos entrevistados não sabem para onde ir se vivenciarem ou testemunharem um caso de violência de gênero.
  • As mulheres no território nacional ainda se encontram em um contexto de vulnerabilidade às expressões de violência e abuso. o 67% das mulheres consultadas disseram ter recebido comentários depreciativos pelo menos uma vez, enquanto 41% admitiram ter recebido convites, toques ou aproximações indesejados, ofensivos e desconfortáveis ​​na rua.
  • A educação como tema também rendeu resultados reveladores, de acordo com o relatório da Network of Women Peacebuilders. UMA 53% dos entrevistados disseram que vivem com meninas e jovens em idade escolar. Desse total, um 96% Ele especificou que essas meninas e adolescentes estavam matriculados em centros ou institutos educacionais. No entanto, no que diz respeito à frequência escolar, apenas 68% deste universo declaram estar sempre nas aulas.
  • Os estereótipos de gênero ainda estão presentes na sociedade. 50% dos entrevistados indicaram que são as próprias mulheres que têm mais habilidades para cuidar, limpar, cozinhar e cuidar da casa; e apenas 4% disseram ser homens. Sobre a preponderância da figura masculina sobre a feminina, 65% das pessoas que participaram do estudo disseram ser contra a ideia de que “as mulheres precisam da proteção de um homem”.
  • Em território venezuelano, os espaços políticos ainda são muito pouco ocupados por mulheres. Na verdade, um 68,6% dos consultados consideram que as mulheres não são tratadas da mesma forma que os homens quando ocupam cargos políticos; e outro 27% Ele disse que não conhecia nenhum político, prefeito, líder de bairro, governador ou qualquer outra coisa.
  • Outro aspecto marcante da pesquisa realizada para este relatório é que a grande maioria (91,2%) responderam que concordam com a participação das mulheres nos processos políticos em todos os níveis. No entanto, apenas um 33,4% Assegurou ter participado em cargos decisórios.

Clique aqui por apoiar a liberdade de expressão na Venezuela. Sua doação será usada fortalecer nossa plataforma digital da redação do reitor da imprensa nacional, e assim permita-nos seguir em frente comprometidos em fornecer informações verdadeiras, como tem sido nossa bandeira desde 1904.

Contamos com você!

apoie-nos aqui

– Publicidade –

Francisco Araújo

"Nerd de álcool. Leitor. Especialista em música. Estudante típico. Jogador irritantemente humilde. Especialista em zumbis. Solucionador de problemas sutilmente encantador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *