Comentários | Portugal caminha para a ditadura. Por Javier Carrasco

VALÊNCIA. A preocupação está se espalhando para as chancelarias europeias por causa da deriva autoritária do governo de Portugal desde o início da pandemia. Este ano Bruxelas assistiu, primeiro com descrença e depois com espanto, o enfraquecimento da democracia no país liderado pelo governo de esquerda.

A situação está começando a se parecer muito com a vivida em Polônia Sim Hungria, dois estados que estão na mira da União Europeia por possíveis violações de direitos fundamentais. Embora de natureza política diferente, o Executivo em Lisboa aplicou um programa autocrático que lembra, com nuances, os dos governos de Varsóvia Sim Budapeste.

o Comissão europeu solicitou informações detalhadas ao governo português sobre duas medidas recentes que podem violar o direito comunitário. A primeira é a reforma do sistema judiciário para que seja eleito pelo Parlamento sem a necessidade de maioria qualificada de três quintos, como acontece atualmente. A segunda, igualmente preocupante, é a criação de uma comissão governamental para a repressão da “desinformação” na mídia, chamada de Ministério da Verdade. Uma parte significativa dos jornalistas portugueses teme que esta iniciativa oficial introduza censura. Se assim fosse, a liberdade de expressão estaria em perigo.

Não defenda a saúde

Desde que o primeiro-ministro português conquistou a confiança da Câmara, obtida de grupos políticos com os quais jurou nunca se dar bem, o seu governo aproveitou a pandemia para restringir direitos e liberdades. O pretexto tem sido salvaguardar a saúde pública, objetivo em que tem falhado obstinadamente desde março.

Durante a primeira vaga do coronavírus, Portugal impôs o confinamento mais severo e mais longo da Europa. No total, 98 dias. Nesse período, as forças de segurança impuseram um milhão de multas de legalidade duvidosa e prenderam cerca de dez mil pessoas. O estado de alerta decretado – na realidade um estado de exceção disfarçado – restringiu ao máximo a liberdade de movimento e proibiu, entre outras coisas, os direitos de manifestação e reunião. Separadamente, o executivo apoiado pelos socialistas-comunistas ordenou que a polícia monitorasse qualquer crítica on-line sobre o tratamento da pandemia. A liderança da Guarda Portuguesa foi decapitada para ser substituída por outra mais maleável e ligada aos interesses do governo.

O primeiro-ministro português garantiu o apoio, ou pelo menos o silêncio cúmplice, dos meios de comunicação social públicos e da maior parte dos meios privados através da concessão de subsídios discricionários. O seu governo, aliás, vai impor por lei uma interpretação da história recente de Portugal, com a ameaça de prisão para quem dela discordar.

O parlamento é harakiri

Neutralizada a opinião pública, o governo também conseguiu se livrar do controle parlamentar. Por mais estranho que possa parecer em uma democracia, a Câmara Legislativa abriu mão do poder executivo por pelo menos seis meses, durante os quais o primeiro-ministro só assumirá o comando a cada oito semanas, e de forma muito vaga. Todos os grupos apoiaram, ativa ou passivamente, o harakiri temporário do Parlamento, com exceção de um partido qualificado como de extrema-direita, na prática a única oposição ao regime atual e que por isso poderia ser banido em 2021.

“A situação está começando a ficar parecida com a Polônia e a Hungria, dois estados que estão na mira da UE por possíveis violações de direitos fundamentais”

As instituições que poderiam travar o autoritarismo do governo português renunciaram a esta responsabilidade. O Tribunal Constitucional e o seu irmão siamês, o Supremo Tribunal, funcionam quase sempre sob o comando do Executivo, e outros órgãos – Procuradoria Geral do Estado, Conselho de Estado, Ouvidoria e Centro de Estudos Sociológicos – são presididos por militantes ou simpatizantes socialistas .

A decisão bonapartista de encerrar um país durante três meses afundou a economia portuguesa, que tem as piores previsões económicas e de emprego do mundo ocidental. O desemprego registrado é de cerca de quatro milhões de pessoas e, na ausência de dados mais precisos, estima-se que dezenas de milhares de empresas tenham fechado. No entanto, o governo de esquerda recebe todos os dias elogios dos bancos e grandes empresas que vivem, aliás, dos mercados públicos.

Medo de vírus e pobreza

Emissários de Bruxelas constataram em Lisboa o medo crescente que se apodera dos portugueses. Medo do coronavírus — segundo os últimos números, haveria mais de 60.000 mortos e 1.400.000 infectados —; o medo de uma pobreza que os transforme na Venezuela europeia, como pretendem os sócios comunistas do Executivo; e o medo de um retorno a uma ditadura que se acredita ter sido derrotada desde os sucessores de Salazar eles perderam o poder em meados da década de 1970.

Cristiano Ronaldo.  Foto: AFP7

Com um Primeiro-Ministro que reservou poderes excepcionais durante seis meses, um Parlamento suspenso, a maior parte dos meios de comunicação social subscrevendo a propaganda oficial, uma Justiça ameaçada e miséria a invadir os distritos, Portugal caminha para uma nova ditadura, ditadura amigável e progressista que não precisam de camisas azuis ou faixas azuis – se a União Europeia não impedir, ameaçando retirar fundos de mitigação da pandemia.

Nota: Esta coluna foi escrita em homenagem ao Sr. Raphael Calvo Serereditor chefe Madrique escreveu em 1968 o artigo Aposente-se na hora. Não ao General de Gaulle, em que exortou o presidente francês a renunciar, numa clara alusão ao ditador de El Pardo. O jornal, ram da liberdade de expressão, será fechado em 1971. Seu prédio será dinamitado dois anos depois.

Alex Gouveia

"Estudioso devoto da internet. Geek profissional de álcool. Entusiasta de cerveja. Guru da cultura pop. Especialista em TV. Viciado em mídia social irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *