“Monte la Reina e a ligação rodoviária com Portugal são prioridades para Zamora”

O director-geral da Caja Rural de Zamora, Cipriano García, salientou hoje que o projecto de instalação de uma unidade do exército no terreno do antigo acampamento militar de Monte la Reina, no município de Toro, está “prioridade para a recuperação deste terreno, com ligações rodoviárias com Portugal”.

Cipriano García fez estas declarações no recinto de feiras Ifeza, na capital Zamora, durante o seu discurso, perante 1.800 pessoas, na cerimónia de entrega de prémios da Fundação Rural Zamora Caja, que chega à sua vigésima quinta edição.

O evento contou com a presença da delegada do governo em Castela e Leão, Virginia Barcones; a Ministra da Família e Igualdade de Oportunidades, Isabel Blanco, e o Presidente do Conselho Provincial de Zamora, Francisco José Requejo, entre muitos outros representantes de instituições e entidades públicas e privadas.

A diretora geral da cooperativa de crédito dirigiu-se à delegada do governo em Castela e Leão, Virginia Barcones, para agradecer sua presença e a “o carinho e a simpatia que nos professam e que sabem que são recíprocos” e transmitiu a “preocupação zamorana” com a situação de “impasse” do projeto Monte la Reina. “Sabemos da reserva, porque é um projeto de defesa nacional, mas nossa situação nos leva a querer ver a atividade rapidamente. Sabemos do seu esforço e dos constantes esforços para agilizar os procedimentos do projeto para que ele se torne realidade o mais rápido possível”

Também mencionou a iniciativa Silver Economy, a International School of Dairy Industries e sua Fundação, a feira Ovinnova, a candidatura provincial, a marca Zamora, os cursos de espanhol para estrangeiros, o centro logístico de Benavente, o encontro mundial do queijo “que acaba de ser vivida, promovida e liderada com tanto sucesso pela Diputación” e “tantos projetos e iniciativas que Zamora está realizando e poderá realizar no futuro”relata Ical.

“Gostaria de parabenizar o presidente da Diputación, os deputados e toda a equipe que tornou possível o sucesso desta celebraçãoe ao Presidente da Câmara de Zamora, pelas facilidades disponibilizadas para a realização desta feira”, sublinhou.

25 anos de história de vida

Cipriano García, que aludiu aos tempos difíceis vividos durante a pandemia “trágica e dolorosa”, apreciou a grande reunião convocada em Ifeza para comemorar 25 anos de entrega de prêmios por meio da Fundação Caja Rural de Zamora. “São 25 anos que refletem cronologicamente uma trajetória de gratidão e lealdadede alegrias e tristezas. Em resumo, são 25 anos de uma história de vida, a história da nossa província”, assinou.

Da mesma forma, expressou a “profunda emoção” sentida por todos os que compõem o Fundo, ao “premiar e elogiar publicamente” o trabalho de “tantas mulheres e homens, de coletivos e suas organizaçõesque “representam o melhor” das gentes de Zamora e aproveitaram para “agradecer” a colaboração da Câmara Municipal de Zamora e do Conselho Provincial de Zamora, patronos da Fundação. “25 anos sabendo quem você é, de onde você vem e para onde vai; saiba onde você pertence, orgulhe-se de que o que você pensa, o que você diz e o que você faz corresponde e tenha certeza de que quem semeia colhe”, disse ele.

O gerente geral assegurou que a Caja Rural de Zamora é uma entidade “útil e viva”, como atesta o balanço de 2021, com um aumento de 15% no volume de negócios, atingindo 5.000 milhões de euros, 832 milhões de novos créditos para o financiamento de empresas e pessoas físicas e rácios de solvabilidade e eficiência nas primeiras posições do ranking nacional. “85% de todas as hipotecas feitas em 2021 em Zamora, nós as formalizamos na Caja Rural. É a demonstração do nosso compromisso e dos nossos esforços pelo nosso povo e pela nossa terra. Nos últimos dez anos, mais que dobramos o volume da entidade”, assina.

“Somos mais do que uma entidade bancária. Somos um impulsionador socioeconómico, essencial na nossa sociedade e fazemos do nosso compromisso o seu. Continuamos a ter a sensibilidade e humanidade para manter abertos todos os nossos escritórios e postos de atendimento e continuamos a abrir novos escritórios, gerando emprego e riqueza, apoiando o mundo rural e empresarial, defendendo o sentido e a existência de uma Espanha esvaziada”, afirmou. também listou para parabenizar o pessoal da cooperativa de crédito.

García Rodríguez considera o projeto Caja “valores reais, factos tangíveis, valores inabaláveis ​​que foram e são o nosso guia e o nosso modo de vida e que o sentido do dever e da responsabilidade social nos obrigam a manter e difundir com firmeza e rigor” e sublinhou: “os nossos valores são a lealdade, confiança, amizade, rigor, empenho e ética e as nossas preocupações, colaboram sempre, para que o nosso ambiente e nós melhoremos e prosperemos”.

Por outro lado, manifestou o desejo de “melhorar”, sublinhou que “mostramos que juntos somos mais fortes” e condenou: “Aqueles que pensam que, individualmente, conseguiram tudo, enganam-se. Sempre juntos, colaborando em uma luta justa, alcançaremos maiores conquistas”.

Preço

Em relação às pessoas e entidades premiadas, o diretor geral da Caja destacou o “esforço e tenacidade” da motociclista Sara García, vencedora do prêmio “Deporte”, “capaz de navegar através de treinamento intensivo no difícil mundo do motociclismo”.

O coro e o grupo de dança Doña Urraca, prêmio ‘Cultura’, “Decano do folclore zamorano, orgulhoso embaixador de nossa terra há 67 anos, sempre com o vermelhão e símbolo da identidade zamoriana”.

O Prêmio “Mundo Rural”, concedido ao jornalista Celedonio Pérez, “pro Zamorano, ele sempre manteve a chama de suas origens e sua identidadeum profissional dedicado do mundo rural, dedica a sua atividade à defesa do campo, dos seus valores e do seu importante contributo para a economia de Zamora”.

O Prémio “Valores Humanos”, atribuído ao Dr. José Miguel Diego, reconhece “uma vida dedicada à medicina”, segundo Cipriano Garcia. “Ajudar os outros era seu objetivo. Com uma trajetória profissional de excelência, foi, até poucos anos atrás, nosso querido diretor da Fundação Caja Rural. “Doutor, humanista, colega e amigo: obrigado por sua enorme contribuição que, juntamente com sua inseparável Conchita -que descanse em paz- você contribuiu para o que somos hoje e o que representamos na Caja Rural”, destacou.

O prémio “Ilustre Zamorano”, atribuído a Enrique Crespo, premeia um “maneira excepcional e eficaz, uma rodada de cirurgia”, com particular ênfase nas “intervenções de risco” na arena tauromáquica. “Sua estatura profissional e qualidade humana o colocaram na vanguarda internacional de sua profissão, sempre exibindo seu status de Zamora”, disse ele.

Os Serviços de Extinção de Incêndios da Junta de Castilla y León, o BRIF do Ministério da Transição Ecológica, a Unidade de Emergências Militares, o Grupo da Força Aérea 43, o Consórcio de Bombeiros da Diputación e os Bombeiros de Zamora, recebem o ‘Prêmio Zamorano do Ano 2022. “O reconhecimento é baseado em letras de ouro. Menção especial para os que morreram e ficaram feridos e todos os que participaram anonimamente que, sem dúvida, muito contribuíram para que este infortúnio não fosse maior”, disse.

“Muito obrigado a todos eles, sua energia, seus esforços e sua humanidade representam o melhor de todos nós.. A todos os vencedores desta edição tão especial e a todos os premiados nos 24 anos anteriores”, concluiu.

O ato, liderado pelo apresentador Jesús Álvarez, começou com uma atuação da Zamora Music Band, a projeção de um momento audiovisual e comovente em que os familiares das três pessoas que morreram em julho passado no incêndio de Losacio, Victoriano Antón, Daniel Gullón e Eugenio Ratón, recebeu placas comemorativas.

Como resultado da entrega de reconhecimentos a las personas y entidades galardonadas, o doutor José Miguel Diego, Prêmio ‘Valores humanos’ e diretor emérito da Fundação Caja Rural de Zamora, dirigiu-se a los present y recordó que “siempre” será “um curioso da vida”.

“Co-governança”

A gala foi encerrada pela delegada do Governo de Castilla y León, Virginia Barcones, que felicitou todas as pessoas e entidades premiadas, além de reconhecer o trabalho realizado pela cooperativa de crédito e pela Fundação Caja Rural de Zamora. “Tenho orgulho de representar o governo espanhol em Castela e Leão. Nestes anos tumultuados, avançamos em unidade e consenso, e que ninguém fique para trás.

“Ofereço co-governança e lealdade a esta instituição para lutar contra o despovoamentoatrair empresas, promover o emprego dos jovens, promover a igualdade de oportunidades para as mulheres, promover o turismo continental, revitalizar o setor agroalimentar, reconstruir um tecido profissional social e emocional que nos permita voltar a crescer em termos de população e recursos, que deixemos de ser exportadores de talento para se tornar uma terra de retorno e esperança”, listou.

Barcones Sanz, que dedicou uma sincera memória às vítimas dos incêndios e apreciou o trabalho de “todas” as administrações e aqueles ligados aos serviços de combate a incêndios, dirigiu-se ao diretor geral da Caja, Cipriano García. “São os fatos que devem falar. As necessidades de Zamora são uma prioridade para o governo espanhol. Apelou à co-governação, com lealdade e consenso, para que todos façamos das necessidades de Zamora a nossa prioridade”, reiterou.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.