Os Ci-Ci, os centros de pesquisa energética, confrontam os políticos de Badajoz e Cáceres

O anúncio e depois o desaparecimento de um Centro Ibérico de energias renováveis ​​em Badajoz (Ciere), e o aparecimento de outro de investigação em armazenamento de energia (Ciiae) levantam o tom do confronto entre os políticos do PP de Badajoz como o seu deputado nacional Víctor Píriz e o porta-voz local Antonio Cavacasillas, e o prefeito socialista de Cáceres, Luis Salaya, dependendo se lá ou aqui, e se é o mesmo ou não, incompatível ou compatível.

A ideia de um centro ibérico de energias renováveis ​​na cidade de Badajoz foi aprovada por Espanha e Portugal na cimeira bilateral de 2009 em Zamora, bem como outro centro do mesmo nível, mas na área das nanotecnologias, em Braga; Este último já foi criado e foi visitado no dia 4 de novembro pelos chefes de governo, Pedro Sánchez e Antonio Costa, mas o de Badajoz nunca mais se ouviu falar.

No entanto, nos orçamentos de estado espanhóis de 2021, surgiu na cidade de Cáceres uma “infraestrutura de armazenamento de energia renovável e centro de referência tecnológica”, que mais tarde foi denominada Centro de Pesquisa de Armazenamento de Energia. E a 4 de novembro, na cimeira hispano-portuguesa de Viana do Castelo, foi aprovado como centro ibérico.

Para o prefeito de Badajoz, Ignacio Gragera (Cs), e para o porta-voz municipal Antonio Cavacasillas (PP), não há dúvida de que receberam a “grande mudança” e o deputado nacional do PP de Badajoz, Victor Piriz.

Os populares perguntaram ao governo do Congresso dos Deputados e afirmam que do mesmo foram informados que são coisas diferentes, um centro e outro, e que seriam dois empreendimentos “absolutamente independentes”. O prefeito de Badajoz, Gragera, optou por “reformular” o Ciere de sua cidade para tentar alcançá-lo, além do Ciiae de Cáceres.

Por isso, o PP apresentou esta quinta-feira uma alteração ao Orçamento Geral do Estado 2023 em que pedia 10 milhões de euros para este Ciere, alteração que até agora foi rejeitada com os votos contra do PSOE.

O deputado ao Congresso de Badajoz, Víctor Píriz, pediu ao PSOE que “reconsidere” a sua posição sobre o Centro Ibérico de Energias Renováveis ​​e que apoie a sua chegada, que não é “incompatível”, disse, com o Centro Ibérico de Investigação Energética Armazém (Ciiae) em Cáceres.

O PP solicitou um investimento de 10 milhões de euros no Orçamento Geral do Estado (PGE) 2023, à semelhança do que já fez relativamente às contas dos dois anos anteriores, para que o Ciere chegue a Badajoz, tudo sem entrar “em localismos miseráveis”. “. porque “a Extremadura é feita por todos, entre Cáceres e Badajoz”.

Salaya: eles querem tirar isso de nós

Por sua vez, o prefeito de Cáceres, Luis Salaya, criticou o “silêncio do PP da Extremadura” e, em particular, de sua presidente, María Guardiola, diante das declarações do povo de Badajoz sobre o Ciiae “para suprimir este centro de Cáceres”.

“Desde que o prefeito de Badajoz, Ignacio Gragera, começou a questionar a localização do centro, ficamos surpresos com o silêncio do PP; em particular, em Cáceres, e quisemos ser respeitosos perante a difícil situação interna que a população vive.

No entanto, as declarações do seu porta-voz na Câmara Municipal de Badajoz, Antonio Cavacasillas, são “francamente preocupantes”, sublinhou o autarca de Cáceres, para quem “seria inadmissível que os grupos populares apresentassem uma alteração aos orçamentos gerais do Estado ( PGE) com o intuito de que este centro não seja construído em Cáceres”.

Salaya descreveu esta situação como uma “deriva local que não beneficia ninguém na Estremadura”.

Alex Gouveia

"Estudioso devoto da internet. Geek profissional de álcool. Entusiasta de cerveja. Guru da cultura pop. Especialista em TV. Viciado em mídia social irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *