Portugal mantém estado de alerta e controla os incêndios no norte | Companhia

Portugal mantém-se em alerta máximo num dia em que as temperaturas sobem e a situação dos incêndios começa a estabilizar, embora centenas de militares continuem a combater focos ativos no norte do país.

O incêndio mais preocupante é o de Murça (norte), que começou no domingo, que devastou mais de 10 mil hectares e obrigou a evacuação de um lar de idosos numa zona vizinha nas últimas horas.

Esta quarta-feira, cerca de 35 concelhos do interior do país apresentam perigo máximo de incêndio rural, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O governo decidiu estender o estado de alerta, o nível menos grave de resposta a desastres, em vigor desde segunda-feira, e analisar novamente a ameaça de temperaturas e incêndios no final da semana.

“Espera-se que a partir do dia 23 possa haver um aumento das temperaturas”, alertou o ministro da Administração do Interior, José Luís Carneiro.

O ministro esclareceu que cerca de 60% dos incêndios declarados no país este ano foram causados ​​pelo uso indevido de fogo, 4% pelo uso de máquinas e cerca de 13% foram causados.

A polícia portuguesa prendeu mais de 50 pessoas por suposta ligação com os incêndios, quase o dobro do que em 2021.

Os incêndios que atingiram Portugal nas últimas semanas deixaram três pessoas mortas: um piloto que trabalhava em extinção e um casal de idosos que sofreu um acidente com o seu carro quando saíam da sua aldeia para fugir das chamas.

Portugal estava em estado de emergência – um grau acima do alerta – na semana passada, quando os incêndios mais graves eclodiram com temperaturas recordes chegando a 47 graus.

O país está adicionando cerca de 1.200 incêndios desde o início de julho que devastaram cerca de 45.000 hectares.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.