Português | Sinais de mumificação em corpos há 8.000 anos em Portugal | RMN | TECNOLOGIA

A mumificação dos mortos era provavelmente mais comum na pré-história do que se pensava anteriormente, após um novo exame de restos de caçadores-coletores de 8.000 anos do Vale do Sado, em Portugal.

Um novo estudo, liderado por arqueólogos da Universidade de Uppsala e da Universidade Linnaeus, na Suécia, e da Universidade de Lisboa, em Portugal, apresenta novas evidências de tratamentos pré-sepultamento, como a dessecação por mumificação, que não havia sido sugerida anteriormente para o enterro. . Os resultados estão agora publicados no European Journal of Archaeology.

Até agora, os casos mais antigos de mumificação intencional eram conhecidos de caçadores-coletores Chinchorro que viviam na região costeira do deserto de Atacama, no norte do Chile. Exemplos de corpos mumificados enterrados em monturos de conchas cerca de 7.000 anos atrás ainda preservam tecidos moles. No entanto, a maioria das múmias sobreviventes em todo o mundo são mais recentes, datando de algumas centenas de anos a 4.000 anos atrás.

A mumificação na pré-história é um assunto difícil para os pesquisadores porque é difícil detectar se um corpo foi preservado por mumificação quando os tecidos moles não são mais visíveis. Uma dificuldade adicional é a falta de relatórios escritos para esses primeiros períodos. Ao contrário do osso, é raro encontrar tecidos moles em sítios arqueológicos devido a questões de conservação, e sem ele é difícil reconhecer se os restos se curaram logo após a morte. Isso é particularmente difícil em climas temperados e úmidos, como na maior parte da Europa, onde tecidos e tecidos moles normalmente não sobrevivem em sítios arqueológicos.

Usando fotografias recém-descobertas dos restos mortais de treze indivíduos escavados na década de 1960 em sambaquis mesolíticos no Vale do Sado, em Portugal, os pesquisadores conseguiram reconstruir as posições em que os corpos foram enterrados, proporcionando uma oportunidade única de aprender mais sobre rituais mortuários 8.000 anos atrás.

O estudo combinou a abordagem da arqueotanatologia com experimentos de decomposição humana. Arqueotanatologia é uma abordagem usada por arqueólogos para documentar e analisar restos humanos em sítios arqueológicos que combina observações da distribuição espacial de ossos na sepultura com o conhecimento de como o corpo humano se decompõe após a morte.

Os arqueólogos podem então reconstruir como o cadáver foi tratado após a morte e como foi enterrado, embora vários milênios tenham se passado. Neste estudo, a arqueotanatologia também foi baseada nos resultados de experimentos de decomposição humana sobre mumificação e enterro no Centro de Pesquisa de Antropologia Forense da Universidade Estadual do Texas.

Com base nos resultados dos experimentos, uma assinatura observável para uma múmia poderia ser proposta combinando várias observações: hiperflexão dos membros, ausência de desarticulação em partes importantes do esqueleto e enchimento rápido de sedimentos ao redor dos ossos. Todos esses elementos estavam claramente presentes em pelo menos um dos sepultamentos deste estudo. A análise mostrou que alguns corpos foram enterrados em posições extremamente dobradas com as pernas dobradas nos joelhos e colocadas na frente do peito.

Durante a decomposição, os ossos geralmente se deslocam em articulações fracas, como nos pés, mas nesses casos as articulações permanecem. Os pesquisadores propõem que esse padrão de hiperflexão e falta de desarticulação poderia ser explicado se o corpo não fosse colocado na sepultura como um cadáver fresco, mas em um estado dessecado como um cadáver mumificado. A dessecação não apenas mantém algumas dessas articulações fracas, mas também permite uma forte flexão do corpo, pois a amplitude de movimento aumenta quando o volume do tecido mole é menor.

Mumificação natural guiada

Como os corpos foram dessecados antes do enterro, há pouco ou nenhum sedimento presente entre os ossos, e as articulações são mantidas juntas pelo preenchimento contínuo do solo circundante que sustenta os ossos e evita que as articulações entrem em colapso.

Os pesquisadores sugerem que os padrões observados podem ser o produto de um processo de mumificação natural guiado. A manipulação do corpo durante a mumificação teria ocorrido durante um longo período de tempo, durante o qual o corpo dessecava gradualmente para manter sua integridade corporal, ao mesmo tempo em que era contraído amarrando-o com cordas ou bandagens para comprimi-lo no corpo. posição desejada. Concluído o processo, o corpo teria sido mais fácil de transportar (sendo mais contraído e significativamente mais leve que o cadáver fresco) e garantiria seu sepultamento preservando sua aparência e integridade anatômica.

Se a mumificação em Europa era mais antigo do que se sabia anteriormente, surgem várias ideias relacionadas às práticas mortuárias das comunidades mesolíticas, incluindo uma preocupação central com a manutenção da integridade do corpo e sua transformação física de cadáver em múmia .

Essas práticas também enfatizariam a importância dos locais de sepultamento e a importância de trazer os mortos para esses locais de forma que contivesse e protegesse o corpo, segundo princípios culturalmente regulamentados, enfatizando a importância tanto do corpo quanto do local de sepultamento. o Mesolítico Português há 8.000 anos.

Filomena Varela

"Desbravador do bacon. Geek da cultura pop. Ninja do álcool em geral. Defensor certificado da web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *