Startup Summit Web Summit: ″Tudo ainda maior″ | EMPRESA | D. W.

Mais de 900 palestrantes, 2.000 start-ups, 1.000 investidores: este ano, a cúpula WebSummit em Lisboa, espera cerca de 70.000 participantes; tanto quanto nos melhores tempos pré-pandemia.

“O espaço para expositores aumentou 60%”, relata Paddy Cosgrave, organizador da cúpula, em entrevista exclusiva à DW. “Isso é muito mais do que tivemos na maior cúpula até agora, em 2019, então tudo será ainda maior”. Para a noite de abertura de terça-feira, ele promete grandes surpresas: “Ainda não podemos revelar os nomes dos palestrantes por motivos de segurança. Mas são figuras políticas de renome mundial.” E, claro, estarão também presentes o Primeiro-Ministro de Portugal, António Costa, bem como o Presidente da Câmara Carlos Moedas.

Criptomoedas, os protagonistas

A lista de temas é quase infinita e variada, mas o WebSummit este ano se concentra particularmente em criptomoedas. De acordo com Cosgrave, eles atraíram a atenção com manchetes particularmente ruins. “Muito dinheiro está sendo queimado e os responsáveis ​​têm que enfrentar e se explicar”, diz Cosgrave. “Muitas pessoas perderam muito dinheiro, parece que alguns dos responsáveis ​​estão até na prisão. Você tem que fazer perguntas difíceis.”

A turbulenta economia mundial também será um tema no topo: Cosgrave cita a guerra econômica entre os Estados Unidos e a China, na qual a Europa também está envolvida, e a questão energética, que agora domina tudo. “O financiamento e o crescimento tornaram-se muito mais difíceis para as start-ups, e esse é outro aspecto que queremos destacar este ano.”

A guerra na Ucrânia e a situação no país também estarão no centro das atenções: “Muitos empresários que querem a paz vão compartilhar sua opinião”, anuncia Cosgrave. “E, claro, importantes representantes da OTAN e da Ucrânia também se juntarão à discussão.” O país está representado com seu próprio estande.

Cúpula da noite e gentrificação

Mas uma parte significativa da cúpula também é divertida. “Beber ocasionalmente abre novas oportunidades de negócios”, diz Paddy Cosgrave. Assim, a cada noite, os participantes vão festejar em diferentes pontos da cidade.

Algo que nem todos os moradores gostam, que reclamam da gentrificação de sua cidade, de não encontrar mais apartamentos acessíveis por causa do turismo, e dizem que bairros inteiros estão perdendo seu caráter original. O governo, ao contrário de muitos lisboetas, não vê esta gentrificação como um problema mas sim como uma oportunidade. Cosgrave admite que WebSummit também é parcialmente responsável por esse fenômeno. “Mas é tarefa dos políticos garantir que as cidades se desenvolvam de forma harmoniosa e sustentável”, diz ele. Segundo o organizador, Lisboa e Portugal teriam dinheiro suficiente para oferecer também habitação a preços acessíveis: “É irresponsável que as cidades explodam e recebam muito dinheiro dos contribuintes mas não resolvam os problemas sociais que surgem”.

(isso é para dizer)

Suzana Leite

"Estudioso de viagens do mal. Totalmente viciado em café. Escritor. Fanático por mídia social. Estudante amigo dos hipsters."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *