A centro-direita estaciona a sua crise em Portugal e adota Rui Rio como alternativa à Costa | Internacional

O Presidente do PSD Rui Rio durante o seu discurso de encerramento no Congresso Nacional do PSD em Santa Maria da Feira.PATRÍCIA DE MELO MOREIRA (AFP)

Rui Rio, o candidato de centro-direita que procura substituir o socialista António Costa como primeiro-ministro de Portugal, não tem nada a ver com Donald Trump. Mas, no final do congresso do Partido Social Democrata (PSD) que decorreu durante três dias em Santa Maria da Feira, apropriou-se do seu eficaz slogan de campanha: “Devemos acreditar que o Portugal do século XXI pode voltar a ser grande . Por maior que seja a dimensão de sua história. Sem especificar as medidas que constarão no programa eleitoral, Rio especificou que defende mudanças sem ter que limpar a lousa: “Somos um partido reformista, por isso não vamos fazer uma revolução ou destruir tudo o que os outros fizeram. Só queremos dar esperança aos portugueses de forma sensata, corajosa e realista”.

Há apenas um mês, o futuro do Rio estava no ar. Na política, o pior é muitas vezes em casa: o presidente do PSD recebia dardos domésticos quase diariamente. Sua liderança na formação foi discutida e sua oposição ao governo socialista foi desaprovada por ser branda. Durante as primárias organizadas no final de novembro, quase todo o aparato apoiou aquele que estava concorrendo ao cargo, o eurodeputado Paulo Rangel. Os pesos pesados, abertamente ou nas sombras, também se inclinavam para Rangel. O Rio, portanto, tinha tudo a perder, exceto a convicção de que poderia mobilizar a militância de seu partido para vencer. E ele consegue. Ele recebeu o apoio de 52,43% dos eleitores contra 47,57% de seu rival. Talvez já tivesse em mente a frase de Churchill que citou hoje no discurso que proferiu no encerramento do congresso: “Um homem de convicção pode ultrapassar cem homens de opinião.

A essa mesma fé apelou para defender que no próximo dia 30 de Janeiro, nas eleições legislativas em Portugal, pode prevalecer sobre o actual primeiro-ministro, o socialista António Costa, que todas as sondagens dão para o momento vencedor. Mas a votação está em movimento, pelo menos nas urnas. No publicado este sábado em Jornal Sim Jornal, o retorno do PSD o deixaria apenas 2,2 pontos atrás do Partido Socialista. Um passo impensável há um mês, quando notícias relacionadas ao partido mostravam a divisão interna crua. Paulo Rangel, o homem que o aparelho gostaria de ver hoje proferir o discurso de encerramento, mostrou um tom contido neste congresso e deu o seu apoio ao rival. Também Carlos Moedas, autarca de Lisboa e homem da moda do PSD pela inesperada vitória eleitoral sobre o socialista Fernando Medina, apelou à unidade. Moedas, que foi um dos que expressou seu apoio a Rangel não com palavras, mas com gestos – ambos foram fotografados comendo em um restaurante dias antes das primárias – arrancou os mais altos aplausos dos participantes. “Neste congresso não há apoiantes do Rui Rio nem apoiantes do Paulo Rangel”, disse Moedas.

Em seu discurso, Rio defendeu reformas na saúde pública e na educação, bem como em questões econômicas. Segundo ele, os seis anos de governo socialista levaram à estagnação do país. “Precisamos de um novo governo que tenha coragem de fazer reformas em diferentes setores da nossa sociedade. Um novo governo que se distingue do socialista que nos últimos seis anos levou o país à frente pela sua subordinação às forças de esquerda mais extremas”, disse, referindo-se à aliança parlamentar. Esquerda e o Partido Comunista Português. Precisamente, a falta de apoio destas duas formações para os Orçamentos do Estado para 2022 apresentados pelo Governo foi o estopim que ativou a dissolução da Assembleia da República e a convocação de eleições antecipadas em plena legislatura.

O clima de unidade na oratória entre os dirigentes do PSD não impediu que várias listas concorressem a diferentes órgãos do partido, o que indica que as divisões continuam a acirrar-se. Entre as críticas do Rio, a seleção de candidatos para as eleições de 30 de janeiro, onde os apoiadores de Rangel encontraram pouca acomodação, foi mal recebida.

Acompanhe todas as notícias internacionais em Facebook Sim Twitterou em nosso boletim semanal.

Junte-se ao EL PAÍS para acompanhar todas as novidades e ler sem limites.

se inscrever

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.