“Acorde Portugal”, um grito para proteger os mares | Companhia

Dos Açores às ilhas desertas da Madeira e do Minho ao Algarve. Centenas de pessoas recolheram cordas e redes abandonadas nas praias portuguesas para criar um balão gigante, com mais de 1.000 quilos, e sensibilizar para a situação dos mares.

“É muito importante que as pessoas entendam que não se pode deixar lixo nas praias. E é uma mensagem também para os jovens. Se as pessoas forem mais educadas sobre essa questão, podem resolver o problema”, Jonas e David Bertuli confiaram à Efe dois irmãos de 17 e 15 anos que participaram do processo de construção.

O projeto, idealizado pela associação portuguesa “Oceanos sem plástico”, envolveu associações, municípios e voluntários que trabalharam durante três meses.

O resultado é uma bola gigante, com um comprimento de 17 quilômetros de fios entrelaçados que juntos pesam quase uma tonelada e meia.

A partir de hoje, Dia Mundial dos Oceanos, o balão construído simbolicamente na cidade portuguesa de Mafra está em exposição em frente ao Oceanário de Lisboa.

O objetivo é sensibilizar a sociedade para os resíduos encontrados nas praias de Portugal durante as ações de limpeza, explica à Efe o diretor da associação Oceanos sem plásticos, Tiago Duarte.

“Dava muitos passeios pela praia à beira-mar e comecei a ver cada vez mais lixo. Não queria ser parte do problema mas sim da solução e por isso criámos esta associação para sensibilizar e mudar mentalidades”, acrescenta Duarte.

Aos pés da Torre de Belén, um dos monumentos mais emblemáticos de Lisboa, nas águas do Tejo e a poucos quilómetros do centro da cidade, foram encontradas garrafas de 40 anos, um telefone antigo e até embalagens de margarina dos anos sessenta , lembra o ativista.

Todos os anos cerca de oito milhões de toneladas de plástico acabam no oceano, é uma “emergência ambiental”.

“Estamos falando de um problema de longo prazo, mas não é bem assim. Nossos netos podem ter muita dificuldade com altas temperaturas e cada vez menos água potável. Essa mudança precisa acontecer. produzir agora para que nossos netos tenham futuro” Acrescentar.

“AGORA OU NUNCA”

Lisboa vai acolher no final de junho a segunda Conferência das Nações Unidas para o Oceano, uma boa oportunidade para sensibilizar os cidadãos e, sobretudo, a classe política, explica Duarte.

“O Oceanário de Lisboa recebe milhares de turistas e portugueses, e queremos sensibilizá-los para esta questão da proteção ambiental porque é necessária”, explica.

Pero también es “importante” para las autoridades e organizações de decenas de países de todo el mundo que acudirán a la palestra: “En el fondo, es un defio para que ellos se pongan a la obra y no sea solo un discurso bonito. Necesitamos a acção”.

O presidente do “Oceanos sem plásticos” acredita que a população já iniciou essa mudança, mas os políticos devem “dar um passo adiante e agir de forma definitiva”.

“Acho que os políticos ainda estão fazendo muito pouco. Muitas palestras, muitas palestras e muitas promessas, mas na prática não vemos muita melhora. Na prática precisamos ser mais radicais e realmente mudar as mentalidades.”

“É agora ou nunca”, vala.

Por Brian Bujalance

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.