Arte feminina e Peru como país convidado, na exposição ibero-americana de Toro | cultura e entretenimento

A segunda edição da exposição ibero-americana em Toro, com mais de 125 obras de 35 artistas mulheres e o Peru como país convidado, abriu esta sexta-feira as suas portas em seis igrejas e edifícios históricos e culturais de Toro (Zamora).

A exposição de arte contemporânea, que pode ser vista até 16 de outubro em três templos, dois prédios históricos e um prédio cultural, abriga obras de diferentes disciplinas artísticas criadas por 35 artistas da Espanha, Peru, Cuba, Portugal, México e Equador.

A mostra é completada por uma competição de filmes ibero-americanos feitos por mulheres e por encontros e mesas de discussão sobre a situação atual das artistas mulheres nas coleções de museus privados e públicos.

O Teatro Latorre de Toro também receberá espetáculos propostos com o objetivo de convidar à reflexão.

Esta segunda edição beneficia de empréstimos e colaborações com o Museu Reina Sofía, o Museu de Arte Contemporânea de Madrid, o Museu de Arte Contemporânea de Castilla y León (Musac), o Studio Juluis de Palencia e o Conselho Provincial de Biscaia.

Durante a abertura da exposição, o curador da mostra, Víctor del Campo, assegurou que um dos pilares em que se baseia o projeto é “a defesa da igualdade e que a arte seja, como tem sido historicamente, um mecanismo para tornar nos melhor”.

No Alcázar você pode ver obras de artistas nascidos em Cuba e no México como Ana Mendieta, Glenda León ou Lorena Gutiérrez.

Glenda León explicou à Efe que sua série de cinco aquarelas, intitulada “Cada tear es una forma de tiempo”, alude aos diferentes sentimentos ou circunstâncias pelos quais cada pessoa pode chorar.

Lorena Gutiérrez expõe obras relacionadas à literatura como “Aurea Ignorantia”, na qual utilizou 649 volumes de enciclopédias para transmitir “a morte do saber enciclopédico pela velocidade da vida”.

Na Igreja de San Agustín você pode ver obras de Cristina Toledo e Patricia Gadea, fotografias de Cristina García Rodero, desenhos de Delhy Tejero e uma sala de Leo Serrano.

A Igreja de La Concepción abriga criações de artistas como Teresa Gancedo ou Sonia Navarro. Este último exibe uma peça de esparto feita por mulheres de Blanca (Múrcia), que são tecedoras experientes, e uma criação que remete ao embelezamento das ruas com trajes femininos nas festas.

No Hospital de la Cruz, edifício renascentista de 500 anos, você pode ver peças de Miriam Ocáriz e Isabel Flores; enquanto a Maison de la Culture é a sede do projeto “Musac Off: Nos passos de Humboldt”.

A exposição transformou outro local, a Capela das Mercedarias, numa caixa preta onde cinco artistas, incluindo Paloma Navares, “bordam com luz”.

Personalidades como a fotógrafa mexicana Susana Casarin e o historiador de arte cubano Lliliam Yanes estiveram presentes na inauguração em Toro.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.