Catar não quer se enfrentar na estreia na Copa do Mundo

O Catar tem a história a seu favor enquanto se prepara para jogar sua primeira Copa do Mundo. Apenas um anfitrião foi eliminado na fase de grupos.

O país rico em recursos foi criticado por buscar prestígio no futebol baseado em dinheiro. Investiu bilhões em estádios e projetos de infraestrutura, apesar das denúncias de direitos humanos. Também uma academia que atrai jovens jogadores de todo o mundo.

O Catar será a única seleção a participar de uma Copa do Mundo sem nunca se classificar na competição, já que o anfitrião garante automaticamente uma vaga. A Itália foi a única exceção a sediar a segunda Copa do Mundo da história em 1934, quando teve que derrotar a Grécia para se classificar.

Todas as atenções estarão voltadas para a primeira nação árabe a sediar um torneio desta magnitude quando enfrentar o Equador no jogo de abertura em 20 de novembro. Os catarianos enfrentarão Senegal e Holanda no Grupo A.

“Jogos difíceis nos esperam no torneio”, disse o técnico Félix Sánchez. “Vamos enfrentar times muito fortes, times que estão acostumados a estar na Copa do Mundo. Se dermos o melhor de nós, podemos ser competitivos”.

A África do Sul foi a única anfitriã (2010) a não passar da primeira fase. Seis deles levantaram a taça, sendo o último a França em 1998.

MANTENHA-SE OCUPADO

O Catar não ficou em casa com o ingresso do torneio em boas mãos. Jogou, e muito.

Os campeões da Copa da Ásia de 2019 aceitaram convites para a Copa América daquele ano e a Copa Ouro da CONCACAF de 2021, com uma exibição decente nas duas rodadas. Na primeira perderam por 2 a 0 para a Argentina de Lionel Messi, e na outra perderam por 1 a 0 na semifinal contra os Estados Unidos.

Mais tarde, ele se juntou ao Grupo A para se classificar para a Copa do Mundo e disputou 10 amistosos na Europa a convite da UEFA para adquirir mais chutes. Os resultados foram mistos: venceram Luxemburgo e Azerbaijão – e empataram com eles – mas perderam para Sérvia e Portugal.

Sánchez, o técnico espanhol que comanda o time do Catar desde 2017, reconhece que as derrotas por 3 a 1 e 3 a 0 para Portugal há pouco mais de um ano foram um alerta. “Sabemos que é difícil para nós jogar a este nível”, disse.

Em setembro, o time empatou em 2 a 2 com o Chile após perder por 2 a 0 para o Canadá em amistoso na Áustria.

DISCIPLINA

O Qatar prefere uma formação em 5-3-2 e aposta nos contra-ataques para criar oportunidades de golo.

Eles são “organizados e disciplinados”, disse o técnico canadense John Herdman depois que seu time venceu um amistoso recente.

Não há grandes estrelas, mas é um grupo unido. Todos os selecionados por Sánchez jogam no campeonato nacional e muitos deles vieram da Aspire Academy, em Doha.

A zaga adversária terá que acompanhar Almoez Ali, artilheiro da Copa Ouro e da Copa Asiática 2019.

O atacante Hassan Al Haydos, com habilidade para criar jogadas e marcar gols, é o veterano mais velho do time com mais de 160 internacionalizações. Contra o Chile, aproveitou uma falha na defesa adversária e marcou de fora da área.

Akram Afif é um ala ágil que jogou brevemente na Bélgica e na Espanha antes de retornar ao Catar.

Os Emirados Árabes Unidos tentaram desclassificar o Catar da Copa da Ásia alegando que não poderiam enfrentar Ali ou o zagueiro Bassam Al Rawi. Ali nasceu no Sudão e foi para o Catar para se juntar à Aspire e Al-Rawi no Iraque. O Tribunal Arbitral do Esporte concordou com os catarianos.

FORA DO CAMPO

Não está claro como as controvérsias extraesportivas afetarão a equipe. O Catar está sob escrutínio sobre as condições de vida de centenas de milhares de trabalhadores migrantes que o pequeno emirado precisava para construir seus estádios e infraestrutura. A Dinamarca deveria jogar com camisas para protestar contra o histórico de direitos humanos do país.

Em março, Sánchez se recusou a responder a perguntas sobre a recusa de seus jogadores em se ajoelhar antes de um amistoso contra a Irlanda; em vez disso, um porta-voz do Catar respondeu.

Mais recentemente, o Emir do Catar agradeceu publicamente ao presidente russo, Vladimir Putin, pelo apoio do país em sediar a Copa do Mundo.

Filipa Câmara

"Estudante. Fanático apaixonado por álcool. Praticante de TV. Desbravador do Twitter. Solucionador de problemas."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *