Karina Flores: Embaixadora da Sonora no Exterior – El Sol de Hermosillo

O vôlei Sonora tem muito talento em suas diversas categorias, inclusive na seleção sénior, onde Karina Angélica Flores Gámez é parte vital do processo atual.

Natural de Nogales, é uma das poucas jogadoras profissionais a deixar o país para disputar um campeonato estrangeiro, pois depois de passar por Portugal e Israel, atualmente joga vôlei no Chipre.

“Muito bem, muito calmo. O país é uma ilha, então percebe-se um ambiente de vida diferente, gosto de aprender cada vez mais sobre sua cultura”.

consulte Mais informação: Sofía Ibarra está feliz em começar a praticar esportes

“Acho que poderei aprender mais sobre paciência e desafios, porque a situação política do país é cheia de história e controvérsias globais”, comentou. O Sol de Hermosillo sobre sua adaptação ao país europeu.

A bloqueadora mediana, que entrou no esporte aos 11 anos, se destaca pela altura e facilidade em quadra, porém, continua treinando forte para melhorar.

“Até hoje é algo que continua a me motivar, a aprimorar mais técnicas, e também a leitura do jogo. Técnica e taticamente esse esporte continua me desafiando, sinto-me no caminho certo para me destacar e ter apresentações de um nível cada vez mais alto”, disse.

aventura europeia

A jogadora acaba de iniciar a sua atividade no Chipre com a Taça deste país, onde já começou com uma vitória e terminará até abril de 2023, “Estou animada para cada jogo que está por vir”, referiu.

Da mesma forma, ressaltou que é importante que os jogadores do nosso país saiam para experimentar o vôlei de outras partes do mundo.

“Acho importante que os jogadores conheçam o nível de jogo que existe no mundo e tentem se visualizar, para que possam priorizar seus objetivos e saber que tipo de vida levariam”.

“Hoje o México tem boa visibilidade para outros países, o principal é ter vídeos que jogam, com habilidades excepcionais, em torneios ou treinos”, explicou.

Além disso, ressaltou a importância de manter boas notas e continuar os estudos, “é mais fácil ser aceito pelas instituições. Organize as oportunidades, prefira a melhor opção e não a mais fácil, busque a opinião de pessoas da área; verificar as possibilidades é algo que pode te dar uma carreira de sucesso”, explicou à mais nova.

“Estar informado das possibilidades que você tem como jogador é vital. Você pode ter um teto sobre sua cabeça, alimentação e transporte pagos por uma instituição que decida contratá-lo ou admiti-lo.

“Existem bolsas de estudo para atletas inteligentes e dedicados. Nós mexicanos nos destacamos por nossos trabalhadores e temos esta carta a nosso favor, então convido os jogadores a verificar as inscrições e enviar e-mails”, acrescentou.

A maneira certa

Para Karina Flores, que fez parte do processo seletivo mexicano como uma das peças importantes, Sonora está no caminho certo no crescimento do vôlei como esporte associado.

“Trazer o esporte de volta ao estado é uma grande incursão e sempre um bom investimento. Deveria ser feito mais trabalho para diversificar e trazer mais oficinas, porque há bastantes entusiastas do desporto, mas acho que está no caminho certo”.

“Tenho conhecidos que jogam em ligas locais depois do trabalho ou nos fins de semana; Trazer equipes de fora ou workshops seria uma boa maneira de diversificar e mostrar o que tanto amamos”, disse ele.

De sua parte, no processo com o México, ela espera que a equipe venha à mesa se os projetos e os trabalhos continuarem.

“Acompanhar o processo, o trabalho, estar atualizado no vôlei internacional; conexão neste aspecto é muito essencial. Ter confiança, padrões, comunicação e respeito manterá a equipe unida em todos os momentos.”

“No geral, se mantivermos o esforço bem focado, podemos continuar nosso caminho, ficando cada vez melhores”, disse ele.

Quer receber notícias diretamente no seu telemóvel? Inscreva-se aqui no nosso canal do WhatsApp

Por fim, ele falou sobre um assunto que tem jogado dentro do vôlei em nosso país e é a criação e estabelecimento de uma liga profissional com todos os reflexos no México.

“O país que quer ser competitivo no mundo deve fazê-lo em seu próprio país. De fato, o projeto da nova Liga Mexicana de Vôlei estava em andamento há alguns anos, uma liga totalmente profissional, que foi inaugurada este ano e, no momento, é apenas para homens”.

“Pessoalmente, gosto de estar presente em tanto crescimento desse esporte no país. Vai ser preciso esperar um ou dois anos para ver uma mulher, enquanto isso a gente acelera os motores aqui no exterior”, disse. .

Inscreva-se e acesse a edição digital do nosso semanário!

Marciano Brandão

"Defensor apaixonado da internet. Amante de música premiado. Totó de café. Estudioso de mídia social ao longo da vida."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *