Lançado o curso “Vigilância e resposta à mortalidade materna e perinatal” – OPAS/OMS

Montevidéu, 13 de setembro de 2022. No dia 12 de setembro foi apresentado o curso “Vigilância e Resposta a Mortalidade Materna e Perinatal”. Esta é a versão em português de um curso elaborado pelo Centro Latino-Americano de Perinatologia – Saúde da Mulher e Reprodutiva (CLAP/SMR) que visa promover a capacitação de profissionais de saúde na análise de óbitos maternos e perinatais, a fim de gerar respostas e políticas que reduzem a mortalidade evitável.

Após a abertura, onde foi destacada a oportunidade representada por esta formação em português, a diretora do Departamento de Saúde Materno-Infantil do Ministério da Saúde do Brasil, Lana Aguiar, apresentou dados do Brasil. Além disso, sublinhou a importância de identificar as causas das mortes maternas e infantis, bem como a necessidade de capacitar os profissionais. Por fim, reafirmou o compromisso do Brasil com esse tipo de iniciativa e propôs estender o curso a todos os estados do país para alcançar o maior alcance possível.

Por seu lado, Daisy Trovoada, conselheira da Organização Mundial de Saúde (OMS) para os países de língua portuguesa, falou sobre a realidade dos países africanos de língua portuguesa. Nesse sentido, salientou que, embora se tenha verificado uma redução da mortalidade materna e perinatal, ainda existem países com taxas muito elevadas, mesmo superiores à média africana. Trovoada referiu que as causas mais frequentes de mortalidade materna são: hemorragias, doenças hipertensivas, sépsis e causas indirectas; enquanto no caso da mortalidade neonatal, as causas estão associadas a: prematuridade, asfixia perinatal, sepse e malformações congênitas. Além disso, mencionou os problemas existentes no registro de dados, o que impacta nas possibilidades de identificação das causas.

Francesca Palestra, Oficial Técnica da OPAS em Genebra, falou sobre o Ciclo de Vigilância e Resposta ao Óbito Materna e Perinatal (VRMMP) e a importância de ter um sistema VRMMP. Neste sentido, salientou a necessidade de capacitação e sublinhou a relevância da atualização contínua por parte de todo o pessoal de saúde.

O assessor regional de saúde neonatal do CLAP/SMR, Pablo Durán, referiu-se às ações que estão sendo desenvolvidas no escritório regional da OPAS e disse que é necessário mais trabalho no componente perinatal. Entre os aspectos a serem fortalecidos, ele menciona a necessidade de fortalecer os meios regulatórios; melhorar a qualidade dos dados; buscar uma abordagem multissetorial; e fortalecer o sistema de informação e capacitação da equipe de saúde.

Bremen De Mucio, Assessor Regional de Saúde Materna do CLAP/SMR, concentrou-se no conteúdo e foco do curso. Além disso, comentou sobre a possibilidade de fazê-lo em tempo real ou baixar o material para que cada um gerencie seu tempo de acordo com suas necessidades e depois faça o exame final no campus.

De Mucio também falou sobre o impacto e aceitação que este curso teve em outros idiomas, razão pela qual se espera que esta versão em português tenha um alcance significativo.

Por fim, convida a sugestões de melhoria, tanto ao nível dos conteúdos como da navegação, de forma a continuar a otimizar os recursos.

Antes de concluir, Gabriel Listovsky, coordenador regional do Campus Virtual de Saúde Pública da OPAS, mostrou como se inscrever e acessar o treinamento e anunciou os canais de comunicação em caso de problemas técnicos no campus da OPAS.

O encerramento do evento ficou a cargo da diretora do CLAP/SMR, Suzanne Serruya, que destacou a importância de contar com recursos em diferentes idiomas, convidou a conhecer os diversos cursos que o CLAP/SMR oferece no campus e exortou a divulgar esta formação através espaços diferentes.

Francisco Araújo

"Nerd de álcool. Leitor. Especialista em música. Estudante típico. Jogador irritantemente humilde. Especialista em zumbis. Solucionador de problemas sutilmente encantador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *