Seca: A revolta da irrigação leva León contra a descarga de água destinada a Portugal | Espanha

Uma torrente de protestos agrários tomou León após o verão de seca. Os agricultores proclamaram a revolta da irrigação e saíram às ruas com seus tratores para defender a preciosa água dos reservatórios. A afirmação indica a tratado internacional conhecido como Convenção de Albufeira em 1998, pelo qual Espanha e Portugal acordaram a gestão das cinco bacias hidrográficas que partilham. Entre eles, o rio Douro, que alimenta estes campos provinciais. Os rebeldes leoneses temem que, apesar da escassez que sofrem, esse fluxo seja desviado para os portugueses. E pensam que não servirá para apoiar os agricultores ou as populações portuguesas que sofrem com a fome, mas sim com o negócio das centrais hidroeléctricas para produzir energia.

Os atingidos foram às ruas da capital leonesa na segunda-feira com mais de 250 tratores e milhares de pessoas para exigir o que consideram uma afronta à agricultura local. Várias associações do setor primário e irrigantes reuniram-se em León para exigir explicações da Confederação Hidrográfica do Douro (CHD), responsável pela administração do rio. A foz em Portugal e a nascente em Soria del Duero marcam que a gestão da bacia deve ser protegida pelo acordo de Albufeira. Javier Alonso, representante da comunidade de irrigação de Páramo Bajo, que cobre 24.000 hectares de cultivos, especifica que o motivo de suas apreensões está no uso da água dos reservatórios de sua terra. “Achamos que é para as hidrelétricas produzirem energia porque setembro já não é tempo de irrigar e porque não sabemos que existem localidades com risco de restrições, caso em que nos pareceria muito bom”, disse. Alonso. Castilla y León já sofreu no ano passado quando a Iberdrola esvaziou barragens, como Ricobayo (Zamora), causando sérios danos econômicos e ambientais com o objetivo de descarregar para produzir mais energia dessas instalações.

A delegada do governo na comunidade, Virginia Barcones, sustentou que o acordo de Albufeira foi assinado com José María Aznar (PP) como presidente do governo e que “ao longo destes anos esteve em vigor e o Estado o cumpriu, embora esta não significa que o Governo não simpatize com os agricultores”. Barcones apelou ao diálogo para procurar soluções e sublinhou que “o Estado espanhol é sério e mantém o acordo” assinado com Portugal. “Compreendo este sentimento de ver o pão do vosso crianças em perigo, mas a responsabilidade institucional consiste em respeitar os acordos estabelecidos, e as restrições são as mesmas em ambos os lados da fronteira”, decidiu o representante do governo.

Os porta-vozes do Ministério da Transição Ecológica recordam que “a Espanha tem a obrigação de gerir a água para que ao longo deste ano hidrológico que terminará a 30 de Setembro, o abastecimento de água desde o final do troço internacional do Douro e também através do Tejo” e especificam que estes valores “não irão comprometer o abastecimento urbano deste lado da fronteira”. A informação ministerial indica que “este ano hidrológico 2021-22 foi muito particular porque, apesar da baixa pluviosidade registada nas nossas bacias, as condições excecionais não ocorrem de forma generalizada”, situação que não afecta nem o Douro nem o Tejo. A palavra de ordem, afirmam -eles, acontece porque em tempos de seca o acordo compromete ambas as partes: “Não é legal reter água para consumo próprio conveniência para fins económicos, impedindo Portugal de satisfazer as suas necessidades básicas.

Javier Alonso pede mais informações sobre o pacto internacional para saber em que condições o sindicato pode perder o recurso hídrico que ele supõe que tenta economizar o ano todo para cobrir as necessidades dos agricultores: “Nós temos isso que temos e somos poupadores como pequenas formigas. O volume represado do Duero esta semana permanece em míseros 29,9% da capacidade disponível, um pouco melhor que os 25,6% do Leone, 10 e 9 pontos abaixo da média da década, respectivamente, segundo dados do CHD e do Ministério da Transição Ecológica, que provar a notável carência.

O que mais afeta é o que acontece mais próximo. Para não perder nada, inscreva-se.

se inscrever

As comunidades irrigantes sustentam que o contexto climático, com muito menos chuva, e o manejo da terra, com aumento da área a ser cultivada, devem ser levados em consideração. O que foi assinado em Albufeira, repetem, deve ser adaptado a estas circunstâncias. Segundo seus cálculos, é necessário o descarregamento de cerca de 4.000 hectômetros cúbicos por ano hidrológico e restaria cerca de 1.000 para serem desviados. A forma de o fazer, explicam, é as albufeiras espanholas libertarem essas quantidades para que, quando descerem a Portugal e à bacia atlântica, os portugueses as possam desfazer: “Entendemos que um país não pode deixar secar outro” . Assim, defendem que a perda destes litros neste outono, caso a previsão continue a castigar a Península Ibérica sem chuvas, poderá levar a um cenário complicado para a rega da campanha seguinte. Com avisos de especialistas em meteorologia prevendo um outono e inverno mais secos do que o normal, as mudanças climáticas e seus efeitos se juntam aos sucessos internacionais no aumento das preocupações com o setor primário em Leone.

Inscreva-se para continuar lendo

leia sem limite

Filomena Varela

"Desbravador do bacon. Geek da cultura pop. Ninja do álcool em geral. Defensor certificado da web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.