Termómetros sobem de Portugal à Turquia | Empresa | Edição América

A onda de calor no Mediterrâneo, de Portugal à Turquia, ameaça alastrar-se ao centro e mesmo ao norte da Europa, trazendo consigo a ameaça de incêndios florestais e danos para a saúde.

O calor atinge Espanha e Portugal e alimenta inúmeros incêndios, numa situação que atinge também França, Itália, Grécia e até Turquia e que, segundo os avisos meteorológicos, poderá deslocar-se nos próximos dias para a Bélgica, Alemanha, Reino Unido e , mesmo no sul dos países escandinavos, se estiverem reunidas certas condições.

No caso da Espanha, as últimas previsões meteorológicas indicam que o calor que hoje colocou quase toda a Espanha em alerta durará até segunda-feira inclusive.

Enquanto espera para ver como a situação evolui, esta quinta-feira foi descrita pela Agência Nacional de Meteorologia (Aemet) de Espanha como “o pior dia” até agora, com temperaturas que chegaram a 45 graus em algumas áreas e que colocaram a capital de Madrid com 42 graus, além de alimentar incêndios florestais em diferentes partes da geografia, especialmente nas províncias ocidentais de Salamanca e Cáceres, onde mais de 6.000 hectares arderam.

O calor excessivo também pode matar, como evidenciam as 43 mortes registradas na Espanha no domingo 10 – quando começou oficialmente esta segunda grande onda de calor do verão – e na segunda-feira 11 de julho. No momento não há dados para o resto da semana.

Em Portugal, o alerta vermelho está também a afetar grande parte do país e o primeiro-ministro, António Acosta, confirmou hoje a prorrogação do estado de emergência até ao próximo domingo, depois de declarar também esta quinta-feira “dia mais grave” devido à aumento das temperaturas, vento e baixa umidade.

Apesar de mais de 3.000 militares estarem hoje a combater os incêndios que já queimaram cerca de 10.000 hectares no interior do país e em particular na região de Leiria (centro), o governo português tem sido criticado por não ter mais do que meios.

Costa defendeu-se defendendo que “os recursos não são limitados em Portugal, são limitados” em geral, e que “a resposta não é mais meios, mas mais cuidado” no sentido de uma tomada de consciência cívica.

Na França, os dois incêndios no departamento de Gironde, com capital em Bordeaux, que já queimaram mais de 4.000 hectares e forçaram a evacuação de 6.500 pessoas ontem, forçaram hoje a evacuação de outras 4.000 pessoas “preventivamente” na cidade de Cazaux.

Mil bombeiros, uma centena de veículos e meia dúzia de aviões estão neste momento a trabalhar nos dois incêndios, em Landiras e La Teste de Buch, que assolam este departamento, um dos sete em alerta laranja no sul de França por causa do Chauffer

Os serviços meteorológicos franceses, que prevêem que o calor dure entre oito e dez dias, com pico entre o próximo sábado e terça-feira, prevêem hoje temperaturas máximas de 38 graus em Bordéus e 40 em Mont de Marsan, no vizinho departamento de Landes.

Os termômetros acionados também afetam o Mediterrâneo oriental e, no caso da Turquia, as autoridades anunciaram esta tarde o controle de vários incêndios florestais perto da costa do mar Egeu, onde vários milhares de pessoas tiveram que ser evacuadas por razões de segurança.

Apenas para controlar as chamas na região mais afetada, Mugla, exigiu o uso de 7 aviões, 14 helicópteros e 103 carros de bombeiros com o apoio de unidades militares, enquanto outro incêndio no distrito de Urla, perto de Izmir, terceira maior cidade do país , foi controlado graças à intervenção de bombeiros e guardas florestais.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.