nas margens do Minho, entre a Galiza e Portugal

Ligação judaica México e Israel – Tui é uma cidade da zona espanhola da Galiza, no noroeste do país, na província de Pontevedra, perto da fronteira com o norte de Portugal e a sua cidade Valença do Minho, logo a atravessar uma das duas pontes sobre o rio Minho que os liga. A zona é habitada desde os tempos pré-históricos e a presença judaica parece ser muito antiga, desde a época romana, embora os primeiros documentos que a atestem remontem ao século XIII, quando já eram uma comunidade estável e contribuíam para obras públicas.

No entanto, como a documentação municipal se perdeu, é difícil encontrar o seu vestígio escrito até ao século XV, devendo fazê-lo nos arquivos episcopais e nos arquivos de outras cidades que, obviamente, não são fontes tão ricas como o municipal poderia ter sido. . Por exemplo, encontramos referências à Aljama (a judiaria) de Tui em um documento de 1420 em que o rei nomeia um certo Diego Fernández de León como cobrador de certos impostos e adverte contra isso, entre outras coisas, ” as aljamas de os judeus e mouros das ditas cidades de Santiago e Tuy”. A mesma formulação será usada, um ano depois, para confirmar os direitos do próprio Fernández de León.

Alguns anos depois encontramos uma frase semelhante, neste caso em uma carta datada de 8 de julho de 1437 em que o rei Juan II reconhece que um judeu chamado Salomón Baquix havia pago fiança e isso é comunicado à Arquidiocese de Santiago, ao bispado de Tui e novamente às “aljamas dos judeus e mouros das ditas vilas de Santiago e Tuy”.

Além disso, há também muitas referências pessoais, algumas tão curiosas como as dos anos trinta do século XV, a certos ourives sefarditas, “Abraan e Jaqó”, para que primeiro fizessem um cálice e anos depois uma cruz, as duas pratas e os dois para a catedral. Esses mesmos Abraan e Jaqó, que era genro do primeiro, tinham outro negócio com o capítulo da catedral: emprestar cerca de 6.000 maravedís que a instituição precisava naqueles mesmos anos. Estes dois ourives são um exemplo das inúmeras referências aos cidadãos sefarditas da cidade, por vezes ourives, como vimos, mas também comerciantes ou médicos.

Mesmo após a expulsão de 1492, é relativamente comum o aparecimento em documentos de pessoas de origem judaica, obviamente já cristianizadas. No entanto, estas referências referem-se provavelmente a uma comunidade que já iniciou um período de certo declínio, fruto de uma segunda metade do século XIV com tensões anti-semitas, e após a cidade ter sido envolvida em vários conflitos, mesmo conquistados pelos reis de Portugal em 1389 e reconquistada por Juan I de Castela um ano depois.

Em alguns casos, a documentação posterior refere-se a elementos da aljama Tui. Por exemplo, no século XVI há referências ao cemitério judaico, apontando para a sua localização numa colina próxima, junto à estrada real que ligava Tui a Bayonne, França. A sinagoga, por sua vez, também é mencionada em documentos do século XVI, quando já era um estábulo. Esta menção posterior muito provavelmente indica que permaneceu em uso até 1492, quando a sua localização junto às muralhas seria típica de um templo construído nos séculos XII e XIII. Existem também várias referências documentais no século XVI a uma “pilha” que, pelas características com que é descrita e pela sua localização perto da sinagoga, era com toda a probabilidade um micvê que, infelizmente, foi destruído pelo depois.

Por último, está também documentada a existência de um talho – aliás o único talho judeu conhecido na Galiza – ligado à “Casa de Pero Judeu” na Calle Triparia.

Embora tradicionalmente tenha havido uma tendência a supor que os judeus de Tui não viviam em uma área específica da cidade, mas estavam dispersos por lá, os estudiosos acreditam que isso não aconteceu até o século XV, com o declínio da comunidade, e que antes o núcleo original de um bairro judeu ficava próximo à sinagoga, na rua Oliveira -atual rua Las Monjas-, e mais tarde na vizinha rua Canicouba, que é a atual rua Bispo Castañón. Ambas as ruas mantêm seu layout medieval e charme praticamente intactos. Um terceiro núcleo estaria no que hoje é a Tyde Street, com sérias alterações em relação ao seu layout medieval.

Nesta rua encontra-se hoje o hotel A Torre do Xudeu (a Torre do Judeu, na língua galega), que lembra a torre com este nome na muralha da cidade. Nestas áreas existem casas que, embora transformadas posteriormente, ainda estão ligadas a um passado sefardita, como a mansão Sarmiento-Celaya, construída no local da sinagoga, que provavelmente está em grande parte preservada na adega.

Na rua Obispo Castañón é possível encontrar a casa de Salomón, que segundo fontes documentais pertenceu ao comerciante Salomón Çaadia nos anos anteriores à expulsão. A tipologia da casa, aberta em torno de um pátio, é muito incomum na Galiza e mais típica do centro e sul da península, provavelmente o local de origem do próprio Salomón Çaadia. Um dos elementos mais curiosos da herança sefardita de Tui é uma menorá gravada numa das pedras do claustro da catedral, que testemunharia que uma comunidade judaica organizada já existia no século XIII e foi capaz de contribuir para este importante edifício.

É precisamente no Museu Diocesano que encontramos algumas das peças mais significativas deste património sefardita. Por exemplo, o chamado cálice gótico, obra dos já citados “Abraan e Jaqó”, e outra peça, o chamado relicário de casca de coco, que seria obra de Aaron Amín.

No entanto, o mais singular dos tesouros ligados ao passado sefardita de Tui – embora seja uma relação muito triste – são os sanbenitos que se guardam na catedral, únicos em toda a Europa. É uma coleção de cinco telas em que são nomeados 14 prisioneiros entre os anos de 1617 e 1621. Duas delas são ainda mais especiais, se possível: as de Antonia Henríquez e seu filho Andrés Duarte Coronel, que fugiram da ação inquisitorial e, portanto, foram queimados em estátua e no sanbenito aparece um rosto ameaçador em chamas.

O autor é diretor de Rádio sefardita


As opiniões, crenças e pontos de vista expressos pelo autor nos artigos de opinião, bem como os comentários neles contidos, não refletem necessariamente a posição ou linha editorial do Enlace Judío. Reprodução autorizada com a seguinte menção: ©️EnlaceJudío

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.