Por que um jornal alemão coloca a Espanha entre os 10 estados mais pobres da UE

O jornal Handelsblattuma das referências de informação económica na imprensa alemã, colocou a Espanha entre os 10 estados mais pobres da UE. Especificamente, a Espanha ocupa a décima posição dos estados abaixo da média europeia em termos de produto interno bruto (PIB), e é acompanhada pela Bulgária, Grécia, Eslováquia, Croácia, Letônia, Romênia, Portugal, Hungria e finalmente Polônia.

“A Espanha é um dos 17 dos 27 membros da UE com um PIB abaixo da média da UE. Com um PIB per capita de 84 padrões de poder aquisitivo (PPS, moeda fictícia para compensar diferenças de preços), o Reino da Espanha, que tem 505.944 metros quadrados, ocupa o décimo lugar entre os países mais pobres da União Européia. Como o segundo destino de viagem mais popular do mundo, a economia da Espanha caiu 10,8% durante a pandemia, mais do que qualquer outra economia. As reservas para o verão de 2022 são superiores ao ano recorde de 2019. No entanto, mesmo isso não será suficiente para retornar à produção econômica pré-pandemia ”, anote o diário. A economia pouco diversificada da Espanha está brincando com isso.

Em comparação, a Polônia tem um PIB per capita ligeiramente mais baixo e, portanto, ocupa o nono lugar entre os países mais pobres da UE. A Polônia tem um PIB de 77 PPS e está envolvida em uma disputa com a Comissão Europeia sobre a aplicação da legislação da UE no país. O estado pior colocado, a Bulgária, tem um PIB per capita de 55 padrõese luta para manter os países vizinhos como a Albânia e a Macedónia do Norte fora da UE.

Tudo isto está a acontecer à medida que a gestão dos efeitos que a guerra na Ucrânia está a ter no continente europeu colocou vários presidentes e primeiros-ministros no centro das atenções. De fato, em alguns desses países foi possível verificar o desencanto e a revolta dos cidadãos com muitas decisões que foram adotadas. E justamente, Um dos mais afetados à escala europeia é Pedro Sánchezde acordo com uma pesquisa do Euroskopia, um consórcio formado por oito empresas demográficas de diferentes países europeus e publicado pelo diário O mundo. O estudo, realizado em Itália, França, Grécia, Alemanha, Polónia, Holanda, Espanha, Portugal e Áustria, indica que, entre os primeiros-ministros e dirigentes da Europa, Sánchez é o que recebe a pior classificação de cidadão e está suspenso com 4,5.

Outro espanhol que está na lista de líderes que deveriam receber uma avaliação dos entrevistados é Josep Borrell, Alto Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança. O ex-ministro socialista também falha (4.7). Voltando ao Presidente do Governo, sublinha que recebe uma severa correção de valorização por parte dos espanhóis (4,2), mas é ainda pior na Áustria (3,9). Os únicos países que aprovam a gestão de Pedro Sánchez são França (5), Portugal e Holanda, onde a média é de 5,5. Paradoxalmente, Borrell aprova no estado espanhol (5,2), enquanto também aprova entre portugueses (5,4), holandeses (5,3) e poloneses (5,1).

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.