Sim, Portugal agora tem visto para nômades digitais e espanhóis podem solicitar

Tem havido uma longa conversa sobre Portugal oferecer um visto de nômade digital, com muitos sites e blogs até afirmando que Portugal já oferece um. Na verdade, o que eles costumam se referir é o visto D7, que muitos trabalhadores remotos e freelancers solicitaram com sucesso, mas que não foi realmente projetado para nômades, mas sim para aposentados.

O melhor desse estilo de vida, que é o sonho de muita gente, é poder vivenciar por muito tempo a cultura de lugares fascinantes sem ter que sacrificar a fonte de renda. Além disso, a vantagem de poder se conectar a lugares-chave graças à internet gratuita oferecida por muitas cidades não é nova. O tempo de entretenimento online também é comum entre os geeks que apreciam aplicativos que funcionam em muitos países, como 20bet aplicativo móvel.

Mas, desde 30 de outubro, Portugal está oferecendo um novo visto para cidadãos não pertencentes à UE/EEE/Suíços, e na verdade é voltado para nômades digitais. O termo “nômade digital” pode ser um pouco confuso: um nômade digital significa simplesmente alguém que trabalha online em outro país, ou significa especificamente alguém que pula de país em país? Este novo visto parece integrar os dois tipos de nómadas: é tanto um “visto de estada temporária” como um “visto de residência” para nómadas digitais, o que é bom porque Portugal atrai ambos.

Em Portugal conhecerá pessoas que passam uma ou duas semanas aqui enquanto trabalha online, mas também conhecerá muitas pessoas que se mudaram para Portugal e se tornaram residentes. Ainda podem viajar ocasionalmente, mas agora passam a maior parte do tempo em Portugal. Eles são nômades semi-aposentados, por assim dizer.

O visto também parece ser um visto que engloba freelancers, teletrabalhadores e nômades digitais, embora tecnicamente sejam coisas um pouco diferentes, e se refere a “profissionais que trabalham remotamente, fora do solo nacional, sejam eles para um empregador, as profissões liberais ou empresários”.

Tal como acontece com toda a papelada em Portugal, é sempre uma boa ideia trabalhar com um advogado. Os vistos de residência são um assunto confuso e a lei muitas vezes exige a interpretação de um advogado experiente, principalmente se o seu caso for incomum. Com isso em mente, vamos dar uma olhada nos dois tipos de nômades.

nômade itinerante

O primeiro tipo de nômade é aquele que viaja pelo mundo, às vezes ficando alguns dias em um novo lugar, às vezes alguns meses. Eles geralmente fazem isso com vistos de turista, então seu limite é quanto tempo o visto permite que eles permaneçam. A maioria não fica mais de 6 meses para evitar o risco de se tornar residente fiscal em outro lugar (ou independentemente dos regulamentos fiscais desse país).

Em Portugal (ou em qualquer lugar do espaço Schengen) esta limitação é normalmente de 90 dias a cada 180 dias. Isto significa que podem vir a Portugal durante 3 meses, mas têm de sair do espaço Schengen durante 3 meses antes de poderem regressar. 3 meses é tempo suficiente para muitas pessoas, mas se você se apaixonar por Portugal e fizer amigos aqui, pode ser doloroso se você tiver que sair. Muitas pessoas tentam obter extensões de visto Schengen, mas geralmente sem sucesso.

Acredita-se que o novo visto de nômade digital permite que você venha a Portugal por até 180 dias, tornando-o ideal para quem sabe que quer vir a Portugal por um período mais longo do que o visto Schengen permite. É também ideal para quem quer vir a Portugal e dar o seu melhor, em vez de esperar que as regras obscuras sobre trabalhar noutro país não voltem a assombrá-los.

nômade semi-deslocado

Muitos nômades digitais vêm para Portugal e acabam se instalando lá, especialmente em centros nômades como Lisboa, Madeira, Ericeira e Algarve (nomeadamente Lagos). Isto é especialmente verdadeiro para aqueles que viajam pelo mundo há alguns anos e agora estão procurando um lugar para se estabelecer durante grande parte do ano.

Portugal é um ótimo lugar para ter uma base nômade. Há uma grande cena nômade (especialmente em Lisboa), o clima é ótimo, as praias são fantásticas, a qualidade de vida é ótima e os fusos horários funcionam bem para o trabalho internacional. Além disso, há vantagens como o regime tributário do RNH, a possibilidade de solicitar a nacionalidade portuguesa após 5 anos e o acesso ao sistema de saúde público e privado português. Ah, e a atitude aparentemente positiva de Portugal em relação a criptomoedas como o Bitcoin, pelo menos enquanto durar.

Filipa Câmara

"Estudante. Fanático apaixonado por álcool. Praticante de TV. Desbravador do Twitter. Solucionador de problemas."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *